Mini-Reviews TV TV

The Underground Railroad – Series Finale – 1ª Temporada

The Underground Railroad Series Finale

CONTÉM SPOILERS DE THE UNDERGROUND RAILROAD!

Depois do sucesso de Moonlight e If Beale Street Could Talk, Barry Jenkins está de regresso aos ecrãs, desta vez em formato televisivo com The Underground Railroad, uma minissérie que se foca num capítulo muito tenebroso da nossa História, surgindo no rescaldo da não-muito-longínqua vitória de 12 Years a Slave nos Óscares da Academia. Esta produção da Amazon foca-se na jovem Cora, uma escrava que tenta fugir dos seus “patrões” através de uma linha de comboio secreta, que opera por baixo da terra. Juntamente com o seu parceiro Caesar, Cora enfrenta todo um rol de crueldade, tirania, desumanidade, violência e por aí fora em cada local por onde passa, sendo perseguida pelo cruel Ridgeway, um caçador contratado pelo seu patrão para capturar a sua “propriedade” fugitiva.

The Underground Railroad Series Finale

O MELHOR:

The Underground Railroad é uma minissérie artística soberba, onde Jenkins magistralmente mostra um caráter e atitude que lhe assentam na perfeição, bebendo das influências mais fortes e não poupando ninguém a momentos de receio constante.

A primeira parte da temporada é um estudo magnífico de imagem, horror, personagens e consegue manter-nos num desconforto que se infiltra na corrente sanguínea e nervosa, deixando-nos on edge a todo o percurso que a protagonista enfrenta. E, por falar em protagonista, Thuso Mbedu é infalível, conseguindo absorver no seu olhar e postura todo um sofrimento arrepiante, colocando-se em posições delicadas em termos morais para abarcar com tantos atentados ao ser humano nos seus ombros. O elenco, com pequenas prestações de atores de renome como Will Poulter, Lily Rabe, Damon Herriman, e um elenco principal formidável, onde ao lado de Mbedu temos Joel Edgerton, Aaron Pierre, Peter Mullan e William Jackson Harper, contribui para que o espectador permaneça em constante alerta, sentindo-se investido durante toda a longa duração da maioria dos episódios.

Mas a realização de Jenkins é que sobressai a todos os níveis, com planos que evocam uma certa beleza dentro de um cenário de horror e sofrimento, apostando em sequências diversificadas, ampliando o worldbuilding da sua série que resulta numa amálgama de géneros levados ao rubro e, em geral, o resultado é muito positivo. A banda-sonora de Nicholas Britell e a fotografia de James Laxton também ajudam a criar uma envolvência maior com todos os restantes elementos, e a primeira parte de The Underground Railroad é verdadeiramente assombrosa, num display de talento inigualável.

The Underground Railroad Series Finale

O PIOR:

Nunca pensei dizer isto, mas The Underground Railroad é provavelmente um registo televisivo que não assenta bem no formato de binge-watching. E por vários motivos…

Os episódios possuem uma duração, em geral, enorme, sendo que, para além de retratarem horrores em que é necessário algum tempo para digerir, acabam por saturar a determinada altura, fazendo com que a nossa atenção comece a fraquejar à medida que avança. De facto, este fator é aquele que se torna determinante para uma enfraquecida segunda parte, onde a história de Cora começa a dar sinais de uma fragilidade de articulação de história. Sentimos que Jenkins sabe o que está a fazer, porém, acaba por não conseguir aguentar a quantidade de eventos que pretende ilustrar. The Underground Railroad é denso, com características incríveis, mas peca por não saber articular a sua história de forma cativante, deixando-se levar pela beleza artística e tornando-se extenuante à medida que vamos consumindo os episódios.

Este é um daqueles exercícios que incita o comentário e o “passa a palavra”, e este formato saturante de binge-watching revela-se inadequado para que a minissérie tenha o impacto que tanto procura. Para além disso, alguns episódios são absolutamente desnecessários, em especial, o que se foca na personagem de Ridgeway, que tem direito a um só para si, quando, de facto, não tem qualquer cabimento no fluxo de eventos. Esta ambição de Jenkins é a que faz com que este seu trabalho sucumba a uma necessidade de relatar tudo e explicar tudo e isso leva o público a não ter de temer aquilo que vê, rompendo com a fórmula inicial que era tão forte e tão resistente. Ainda assim, The Underground Railroad é um produto artístico com uma qualidade técnica maravilhosa, mas não é, de todo, um exercício de televisão que deve ser consumido de rajada.

The Underground Railroad Series Finale

Estado da Série: TERMINADA

Leiam outras Mini-Reviews aqui.

0 67 100 1
67%
Average Rating

The Underground Railroad é uma minissérie da Amazon que conta com talento em todos os seus planos, em especial a visão com garra de Barry Jenkins. No entanto, perde força à medida que avança por não saber adequar a sua postura ao formato de binge-watching.

  • 67%

Comments