Mini-Reviews TV TV

Halston – Series Finale – 1ª Temporada

Halston Series Finale

CONTÉM SPOILERS DE HALSTON!

Ryan Murphy é um dos ícones televisivos mais prolíficos do século XXI. É o criador de muitas obras de culto, incluindo American Horror Story, American Crime Story, Pose, entre outras. A sua obsessão com vultos LGBTQ+ continua com Halston, uma abordagem extremamente superficial de um dos mais bem sucedidos estilistas e modistas dos anos 70 e 80. Aqui, ficamos vagamente a conhecer este ícone que teve uma carreira instável; um homem excêntrico e cujos excessos levaram-no à rápida ruína do seu império. Entre a ascensão do vírus do HIV, passando pela sua relação de amizade com Liza Minnelli, até ao temperamento instável do consumo excessivo de cocaína, Halston permanece uma celebridade mal explorada no ramo da arte audiovisual.

Halston Series Finale

O MELHOR:

Halston é um dos trabalhos mais fortes de Ewan McGregor até à data.

De facto, é ele que rege toda esta novela desequilibrada e pouco envolvente de Murphy, com um elenco igualmente talentoso mas que nunca sobressai através da escrita dos responsáveis pelos guiões dos episódios. Claro que, tal como muitas obras de Murphy, há todo um trabalho técnico (e cénico) que resulta na perfeição para trazer este mundo “flamboyant” de Halston à vida; para além de permitir que McGregor assuma as rédeas da narrativa, o que dá uma força instantânea para o espectador se apegar à minissérie. A prova de que este é um ator tão subapreciado é espelhado em Halston em todos os momentos em que o mesmo aparece, para além de Krysta Rodriguez surpreender como Liza Minnelli, mesmo que a sua personagem seja quase redundante no fluxo narrativo.

Por todos os defeitos que irão ser mencionados a seguir, pelo menos Halston acaba por manter-se curtinho e tirar proveito dos exageros de um génio fora de controlo (ainda que esta fórmula não seja propriamente original) e de utilizar esses mesmos artifícios para apelar às massas. Isso, por um lado resulta em termos de entretenimento, mas em termos de conteúdo revela-se frágil e pouco incidente.

Halston Series Finale

O PIOR:

Halston é uma salgalhada de interpretações que, de certa forma, nunca chegam a lado nenhum.

Murphy tem um vício enorme em retratar estes ícones homossexuais como um produto social decadente, focando-se sempre nos aspetos mais mundanos da sua persona e facilmente cai na ambição de impressionar pelos piores motivos possíveis. Entre flashbacks escassos que nada substanciam a personalidade do génio que retrata, personagens que vivem apenas de nome e não de camadas de importância, e uma leveza em explorar determinadas questões sociais que eram fulcrais para expandir o impacto de Halston na comunidade, tornam este exercício de televisão mais baço e desinteressante do que era esperado.

Há um enorme respeito por Murphy e por tudo o que o mesmo trouxe à comunidade LGBTQ+ mundial, mas esta “prisão” que o mesmo cria das suas personagens, faz com que o seu trabalho nunca consiga ascender ao potencial que verdadeiramente merece. Halston é mais do que é representado; não é apenas um homem de excessos, de relações amorosas fortuitas e um génio enclausurado pelas suas próprias ambições. Ele deixou um legado que ainda hoje é celebrado, e o público que acompanha a minissérie nunca consegue entendê-lo. Aqui, a personagem é reduzida a um homem que simplesmente deixou-se levar pelo ego (e sede) de querer ser o melhor na sua área, mas cujo trabalho nunca é verdadeiramente espelhado. Além disso, a superficialidade das suas interações com as inúmeras figuras que compõem o seu núcleo mais próximo, faz com que nunca o vejamos como um ser humano com fragilidades emocionais ou que não tem qualquer sentido empático para com os que contribuíram para a sua ascensão à fama.

A Netflix continua a exigir em massa conteúdos que necessitam de mais tempo para crescer e amadurecer. Infelizmente, Ryan Murphy está a perder o toque e uma história como a de um vulto tão específico e tão magnânimo como Roy Halston merecia bem melhor do que teve aqui. É um produto pobre em explorar o que tornou Halston na figura que, ainda hoje, é, para além de cismar numa fórmula que é já cansativa e que prefere incidir apenas na componente destrutiva do seu protagonista do que enaltecer o seu legado.

Halston Series Finale

Estado da Série: TERMINADA

Leiam outras Mini-Reviews aqui.

0 55 100 1
55%
Average Rating

Halston é a mais recente produção de Ryan Murphy e, embora tenha uma prestação formidável de Ewan McGregor, é um biográfico superficial, que se centra nos elementos mais básicos de um biográfico sobre um génio em decadência, em vez de enaltecer o seu legado e contributo para a sociedade contemporânea.

  • 55%

Comments