Cinema Críticas

Crítica: The Banishing (2020)

The Banishing Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE THE BANISHING!

Christopher Smith não é um nome que passe ao lado dos amantes de terror, depois de obras que ganharam uma fanbase estável como Black Death, Triangle e Severance. Eis que o cineasta está de volta com The Banishing, um filme de terror sobrenatural que acompanha a história de um padre que se muda para a mansão mais assombrada de Inglaterra nos anos 30 com a sua esposa e filha; não tarda muito, entidades malévolas começam a testar as lealdades do casal e a mexer com a dinâmica da família, ao passo que já se faz sentir a ascensão nazi no país. Com Jessica Brown Findlay e John Heffernan nos principais papéis, The Banishing é uma desilusão autêntica, que nunca encontra estabilidade para florescer, caindo num pretensiosismo que o torna uma obra baça e sem o impacto que procura.

The Banishing Critica de Cinema

Embora tenha alguns artifícios técnicos interessantes e prestações aprazíveis, The Banishing é um filme muito desequilibrado na exposição da sua narrativa. Dispara para todo o lado e isso remove o impacto dos momentos mais arrepiantes que o realizador consegue construir. O facto de a história não conseguir suster o potencial técnico que o filme engloba em si, faz com que The Banishing se desmorone por completo. É uma resposta direta de que os visuais não são suficientes para salvar uma película. Smith tenta muitas vezes intercalar os eventos com alguns jump scares fáceis, mas que passam despercebidos por toda a dispersão da história que acaba por não fazer muito sentido na maioria das cenas e os problemas de montagem são óbvios, já que o seguimento é rompido constantemente com cenas aparentemente aleatórias metidas à pressão em momentos-chave.

Por muito que consigamos encontrar algum potencial e uma direção de fotografia que nos remonta para os tempos áureos de uma The Haunting of Hill House da Netflix, The Banishing não consegue superar as suas maiores dificuldades: articular uma história plausível e coerente. Há todo um trabalho dos atores que é desperdiçado num argumento que não sabe propriamente em que momento precisa de assentar e de assumir uma linearidade para que o espectador consiga entender a sua génese e apreciar toda uma atmosfera de medo que é abafada por decisões menos boas em termos artísticos. É difícil construir uma narrativa de terror com impacto nos dias que correm e, mesmo que Smith se esforce, não há muito que o espectador consiga retirar de positivo de algo que dispara para todo o lado sem entregar respostas que façam sentido na mente do espectador.

The Banishing Critica de Cinema

O facto de tentar aproveitar-se do conceito da “mansão assombrada mais famosa de Inglaterra” pode ajudar a elevar um pouco as expectativas do público, mas a salgalhada criativa que nunca estabiliza propriamente em The Banishing, é problemática em encontrar um realismo eficaz e de fazer com que os espectadores se recordem dele durante muito tempo. Portanto, este novo filme de Christopher Smith é pobre em coesão e perde imenso por nunca encontrar um local confortável onde consiga florescer, ficando-se por meras imagens técnicas apelativas e atores talentosos que são afogados numa história sem nexo e sem grande força.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: The Banishing

Título Original: The Banishing

Realização: Christopher Smith

Elenco: Jessica Brown Findlay, John Heffernan, Anya McKenna-Bruce, Sean Harris, Adam Hugill, John Lynch.

Duração: 97 min.

Trailer | The Banishing

Comments