Cinema Críticas

Crítica: Awaken (2018)

Awaken Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE AWAKEN!

Terrence Malick é um dos produtores de Awaken, o documentário de Tom Löwe, que celebra as culturas e os poucos tesouros naturais que o nosso planeta ainda proporciona. Narrado por Liv Tyler, Awaken é um produto que demorou cinco anos a ser feito e foi filmado em 35 países diferentes, um acontecimento, sem dúvida, ambicioso que, infelizmente, não nos leva a lado nenhum em concreto. Distribuído pela Gunpowder & Sky, Awaken é um caso de “cinema espiritual” e que nos traz imagens a 4K fabulosas, revelando o ainda rico mundo em que vivemos e da diversidade humana que mantém tradições antigas e se liberta da confusão das cidades modernas.

Awaken Critica de Cinema

Infelizmente, é difícil inserir Awaken num plano artístico cinematográfico e isto porque, embora seja notório o trabalho técnico de realização de Löwe, para além de uma banda-sonora formidável de Joseph Trapanese, Awaken não tem qualquer contexto, nexo ou linha narrativa, o que, ao contrário de Samsara, faz com que este pareça uma montagem prolongada de um vídeo de 4K do YouTube que muitos de nós usamos para adormecer em dias de maior agitação. Estamos numa época em que este tipo de cinema já não é propriamente visto como algo necessário, por muito belo que seja na transmissão das suas imagens, com recurso à câmara lenta e ao timelapse para criar um envolvimento mais próximo com o que vamos observando ao longo da sua duração. Mas tudo isto hoje em dia está ao alcance de um iPhone de última gama e, por muito excelente que a componente técnica de Awaken seja, não ter um fio narrativo competente acaba por ser a sua ruína.

Löwe parece algo aleatório na apresentação das suas imagens e Tyler fala tão pouco que quase parece que estamos perante um daqueles vídeos de relaxamento que assentam bem numa aula de ioga e que está em loop durante horas e horas. Apesar de ter apenas uma hora e qualquer coisa, Awaken parece que nunca mais termina e por muito que a banda-sonora consiga manter-nos aliciados, o filme torna-se um aborrecimento completo por não ter um foco preciso de transmissão de mensagem. No século XXI é caso para dizer que este tipo de produto acaba por não se enquadrar na dimensão artística do cinema, mas sim no consumo de vídeos prazenteiros que cada um consome em momentos diferentes da vida. De imagens belas, de sentido básico, e premissa atraente, Awaken é uma viagem empolgante para viajarmos sem sair de casa, mas sem o sentimento de aventura presencial, o que remove qualquer tipo de enquadramento e entusiasmo à medida que avança.

Awaken Critica de Cinema

Portanto, é difícil avaliar algo que foge do que é a essência do cinema, em todas as suas formas, e abraça um conceito interativo de introspeção e que pode, muito bem, estar disponível numa plataforma de vídeo em qualidade HD sem necessitar de ir para um cinema, porque registos como estes abundam no YouTube em números assustadores. Com uma tecnicidade impressionante, Awaken é um vídeo que não tem qualquer sentido em ir para o meio cinematográfico e que certamente faz com que o dinheiro do espectador seja melhor investido noutra produção. É o exemplo prático de são necessárias barreiras cinematográficas para definir aquilo que merece ser chamado de tal e aquilo que não, por muito visualmente belas que sejam as suas imagens.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Acordados

Título Original: Awaken

Realização: Tom Löwe

Elenco: Liv Tyler

Duração: 74 min.

Trailer | Awaken

Comments