Anime TV

Beastars – Season Finale – 2ª Temporada

Beastars Season Finale

CONTÉM SPOILERS DE BEASTARS!

Um dos animes que mais nos conquistou no ano passado está de regresso com uma temporada repleta de emoções fortes, ensinamentos importantes e personagens deliciosas que irão satisfazer a curiosidade daqueles que estavam reticentes em lhe dar uma oportunidade. Beastars insere-se num meio onde animais antropomórficos, segregados entre carnívoros e herbívoros, vivem lado a lado em harmonia. No entanto, um homicídio numa escola secundária leva o lobo Legoshi a questionar os seus instintos predatórios e jura proteger os herbívoros contra a opressão dos seus companheiros carnívoros, apaixonando-se no meio pela adorável coelha anã Haru. Nesta segunda temporada, Beastars floresce para algo singular, genial e que rompe com os formatos clichés numa altura em que o anime continua a crescer a um ritmo elevado. Legoshi descobre o assassino de Tem e Louis ascende a um novo cargo na sua vida: liderar o grupo mafioso Shishigumi composto por leões. Ambos tentam provar que conseguem contornar as suas essências para permitir que a harmonia entre indivíduos em lados opostos da cadeira alimentar persista.

Beastars Season Finale

O MELHOR:

Beastars atinge um nível de qualidade inigualável.

É um estudo de personagens soberbo, com uma exploração atípica em que as mesmas são dissecadas física e psicologicamente e o confronto daquilo que são valores, instintos e sentimentos força as mesmas a ter de reformular a sua conduta e a redefinir as suas prioridades. O facto do anime não se deixar levar por melodramas amorosos, como já é hábito em produções para a comunidade adolescente, faz com que Beastars seja algo maior do que a soma das suas partes. Aqui, Haru é colocada em segundo plano, permitindo que a jornada de Legoshi seja extremamente cativante, agindo como um espelho contrastante do conflito emocional de Louis em liderar um grupo de carnívoros. Este paralelismo entre as ambições de um carnívoro e de um herbívoro que não se conformam com as suas identidades é a metáfora perfeita para retratar a adolescência. É uma época de descoberta, onde as hormonas estão no seu auge e os conflitos emocionais abundam na mente dos pré-adultos, provocando reações adversas e comportamentos erráticos e impulsivos, tal como também surgem momentos de introspeção para tentarmos construir uma personalidade mais sólida e definirmos os nossos próprios valores. A busca pela nossa identidade é algo complexo e que requer uma sensibilidade especial, algo que Beastars consegue fazer uma forma acutilante, narrando os pensamentos das personagens e mexendo constantemente com os conceitos antagónicos de predador e presa, superioridade e inferioridade, amor e ódio, orgulho e humildade. Esta mistura de géneros, que vai desde ação palpitante até ao drama filosófico, faz com que Beastars se torne numa das melhores produções de anime deste início de ano e uma que irá ficar gravada na memória de quem a continua a acompanhar.

Beastars Season Finale

O worldbuilding, ainda que com algumas falhas aqui e acolá, já que nem todas as personagens novas conseguem ter o mesmo tempo de antena e cujas intenções nem sempre são desvendadas de forma clara, acaba por conseguir prender-nos com uma força maior devido à estratégia infalível dos argumentistas de nos darem a conhecê-lo através dos diálogos e de evitarem serem totalmente óbvios na sua exposição, criando um suspense e uma sensação de imprevisibilidade constante. O desenvolvimento dos protagonistas acaba por tornar Beastars numa aventura neo-noir recheada de matéria humana suculenta e pronta para ser devorada por milhares de pessoas por todo o mundo. Não é todos os dias que temos em mãos um estudo tão profundo sobre questões tão relevantes sobre quem somos e o que nos define como espécie. E Beastars ainda consegue absorver vários géneros que se complementam e “cozinham” um produto que se metamorfoseia constantemente e acaba por parecer natural aos olhos do público, incutindo em si humor subtil, ação violenta, drama intenso e elementos de thriller inesperados. E há todo um conjunto de linhas de história que fomentam esta jornada individualista do protagonista Legoshi (que, é desde já, um dos meus protagonistas de eleição do mundo televisivo) e tornam Beastars num produto de uma qualidade inigualável.

Em termos técnicos, Beastars também parece ter recebido algumas característica de desenho mais apelativas, tornando os movimentos das personagens mais fluídos e naturais, para além de uma OP brilhante e catchy, por parte de Yoasobi, que nos leva a trauteá-la com frequência. O design da mesma, rica num néon inerente ao noir que se aproxima de um Blade Runner num meio mais rudimentar, também ajuda a aumentar o entusiasmo do espectador, criando, portanto, uma sinestesia para os sentidos do público e que embeleza este conto identitário onde, mais uma vez, continuamos a ser educados pelos valores da natureza e daquilo que, não só nos distingue como sendo uma espécie complexa, como também acompanha com precisão os conflitos internos de uma fase do nosso desenvolvimento que é essencial para nos definirmos como adultos.

Beastars Season Finale

O PIOR:

Apesar da temporada ser toda ela genial, o final deixa algo a desejar.

O culminar do confronto entre Legoshi e o(a) assassino(a) de Tem (que não iremos divulgar para deixar o espectador investido em ver a temporada) acaba por refutar alguns dos alicerces que a temporada tentou criar desde o início, ainda que consiga conquistar por finalmente unir as duas personagens principais antagónicas que são a força motivadora de Beastars. Como mencionado anteriormente, é pena que algumas personagens secundárias não possuam um desenvolvimento maior e mais detalhado, já que o espectador fica com a sensação que estas mesmas personagens terão um impacto significativo no rumo da história, e isso não acontece. Mesmo que nem todas as opções sejam as melhores neste aspeto, nada desvia Beastars do seu foco principal e isso acaba por ficar um pouco esquecido no meio de tanta matéria de interesse para o público.

Ainda assim, se este for o final definitivo de Beastars, por um lado pode agradar a muitos, por outro pode saber a pouco e o anime necessitava obrigatoriamente de uma conclusão mais forte e que evitasse algumas ambiguidades face ao rumo das personagens em questão. Mesmo que o episódio fique um pouco aquém do potencial que o anime revelou até então, isso não diminui a força da mensagem de Beastars e, para já, não lhe tira o mérito da melhor série de anime deste início de ano. Caso seja renovado, esperemos que mantenha esta qualidade e que continue a explorar este mundo difícil onde a harmonia está constantemente a ser quebrada pelo instinto sedento de sangue, mas até lá, podemos sempre rever esta temporada para nos prepararmos.

A temporada chegará à Netflix este verão.

Beastars Season Finale

Estado da Série: STAND-BY

Leiam outras Mini-Reviews de Anime aqui.

0 96 100 1

96%
Average Rating

Beastars conclui a sua segunda temporada e atinge um nível de qualidade surpreendente, contando uma história rica em elementos noir e da procura da identidade, num mundo dominado por animais antropomórficos que são absolutamente deliciosos e magistrais. O final pode ter deixado um pouco a desejar e ser apressado nalgumas circunstâncias, mas o sumo da temporada mantém-se rico do início ao fim.

  • 96%

Comments