Cinema Críticas

Crítica: Coming 2 America (2021)

Coming 2 America Crítica de Cinema

PODE CONTER SPOILERS DE COMING 2 AMERICA!!!

Durante uma boa fatia dos anos 80 e 90, o nome de Eddie Murphy era praticamente um sinónimo de comedy gold. Infelizmente, essa mesma luz foi-se desvanecendo ao longo dos anos, passando a maior parte dos últimos 20 anos num anonimato relativo. Murphy, recentemente, teve direito direito a uma espécie de “regresso” quando voltou a pisar os palcos de stand-up comedy, sem esquecendo que este nomeado para os Globos de Ouro no ano passado pelo filme Dolemite is My Name e recebendo um Emmy pelo seu trabalho como apresentador de um episódio especial de Saturday Night Live. Com estes sucessos, esperava-se que o ator continuasse este hot streak durante mais algum tempo, e os fãs do seu trabalho claramente tinham largas esperanças para este Coming 2 America, que serve de sequela de, lá está, Coming to AmericaSerá que foi bem sucedido nos seus esforços?

Tomando lugar 30 anos após os eventos do filme original, Coming 2 America vê o Príncipe Akeem a suceder ao seu pai como Rei de Zamunda. No entanto, quando o seu reino é alvo de ameaças do General Izzi, de um país vizinho, Akeem descobre que tem um filho, fruto de uma união ilegítima. A sua missão: trazer esse filho dos Estados Unidos e estebelecê-lo como o seu sucessor ao trono.

Coming 2 America Crítica de Cinema

O filme original podia ser dos melhores filmes que Eddie Murphy nos havia habituado durante uma valente porção da sua carreira, mas pelo tinha o carisma e doçura suficientes para este se tornar numa espécie de “filme de culto”. Não é segredo que o ator já tentava trazer uma sequela durante anos, sem nunca existir uma oportunidade ideal para isso. Portanto, certamente as expectativas estavam em alta para este Coming 2 America, mas os resultados ficaram bastante aquém do desejado, tratando-se de mais uma sequela desnecessária que tenta capitalizar no sucesso do seu antecessor.

Aliás, mais do que isso, em termos de narrativa, Coming 2 America pode ser visto mais como uma espécie de cópia barata do original, com algumas diferenças pelo caminho. Começando, claramente, pela ausência de uma veia humorística mais eficaz. Torna-se uma espécie de esforço sofrível, muito por causa dos guionistas em questão, Barry W. Blaustein e David Sheffieldresponsáveis pelo guião do filme original, e ainda tiveram a ajuda de Kenya Barris neste processo. Portanto, torna-se um tanto ou quanto incrível que, com este talento na escrita, não se tenham lembrado de trazer algo verdadeiramente original para a mesa.

Pelo menos, a nível técnico, Coming 2 America apresenta uma maior pujança do que era possível há 30, 40 anos atrás. Isso torna-se mais do que evidente no guarda-roupa e na maquilhagem, que são exuberantes, no mínimo. O espaço cénico também poderia estar nesse mesmo patamar… não fossem os efeitos visuais demasiado agrestes para uma produção desta escala. Embora não sejam tão más quando comparadas com outros filmes de menor qualidade, a falta de cuidado com os detalhes torna-se bastante aparente quando estes tomam lugar.

Coming 2 America Crítica de Cinema

A maior parte do elenco do filme original está de regresso para esta sequela. Eddie Murphy, Arsenio Hall, Shari Headley, James Earl Jones dão o ar de sua graça aqui, mas acabam por ser bastante subaproveitados, especialmente Murphy Hall, que compunham o duo-maravilha do filme original e encontram-se praticamente separados durante a maior parte da ação. Mesmo as suas “caricaturas” já não possuem o mesmo impacto que tinham antes. Mesmo o “sangue novo” deixa a desejar, como Jermaine Folwer como o filho ilegítimo que serve, praticamente, como uma versão mais nova de Murphy da época: KiKi Layne e Nomzamo Mbatha podem ser vistas como as “lides femininas” com uma mentalidade mais moderna – provavelmente na tentativa de fomentar uma conversa mais progressiva, mas as suas vozes acabam por cair na terra. E nem pensar em falar sobre o que Wesley Snipes tenta oferecer como o “vilão” de serviço do filme! Quanto a Leslie Jones Tracy Morgan? Somente oferecem algo que nós já tínhamos visto nos seus trabalhos anteriores.

É claro que muita gente estaria à espera que Coming 2 America mantivesse a boa onda que Eddie Murphy tentou estabelecer em anos recentes. No entanto, e parafraseando uma das linhas de diálogos vistas no filme, trata-se apenas de mais uma sequela que, embora não prejudique totalmente o estatuto de culto do original, simplesmente não tem nada de novo para acrescentar.

Podem ler outras Críticas aqui.

Título: 2 Príncipes em Nova Iorque

Título Original: Coming 2 America

Realização: Craig Brewer

Elenco: Eddie Murphy, Arsenio Hall, KiKi Layne, Shari Headley, James Earl Jones, Nomzamo Mbatha, Wesley Snipes, Jermaine Fowler, Leslie Jones, Tracy Morgan

Duração: 110 minutos

Trailer | Coming 2 America

Comments