Mini-Reviews TV TV

The Stand – Series Finale – 1ª Temporada

The Stand series finale

PODE CONTER SPOILERS DE THE STAND!!!

Trazer uma obra de Stephen King para o pequeno ou grande ecrã consegue ser uma tarefa hercúlea, no mínimo. Torna-se mais simples lembrar dos imensos flops em anos recentes do que das verdadeiras surpresas (tendo em conta que vivemos numa era em que adaptações de obras de King tornam-se quase como eventos anuais). Ainda assim, mesmo nos vários fracassos, é impossível não tecermos algumas esperanças sobre alguns projetos que caem na Sétima Arte. The Stand, a minissérie da CBS All Access – e disponível em Portugal via HBO Portugal – tinha de tudo para ser uma das melhores adaptações televisivas em anos recentes; infelizmente, acaba por ser mais um grande fracasso.

Nesta adaptação, o mundo viu-se afligido com um novo vírus, batizado de Captain Trips. Ao fim do primeiro mês, mais de 99% da população mundial perdeu a sua vida devido ao vírus. Os poucos sobreviventes nos Estados Unidos dividiram-se em duas fações: uma é liderada por Abagail Freemantle (Whoopi Goldberg), uma idosa de mais de 100 anos que montou residência na pacata cidade de Boulder, além de afirmar ser uma representante de Deus; a outra é liderada por Randall Flagg (Alexander Skarsgård), um homem misterioso que orienta a nova Las Vegas como um regime anárquico.

The Stand series finale

O MELHOR:

Existe um elemento ou outro que consegue redimir “ligeiramente” esta experiência com The Stand

Ao contrário de muitas tantas outras obras de KingThe Stand pode muito bem vir a ser uma das adaptações mais “diretas” até agora. Quando se fala em “diretas”, é mais no sentido de ser pouco subtil na sua mensagem principal. Pode ser estranho vermos uma obra deste calibre assente firmemente em questões ligadas à religião e moralidade, especialmente quando o ponto de situação não é exatamente dos melhores. Considerando que a população mundial se encontra perante uma pandemia agressiva, e que consegue mexer com a saúde mental de todos, é impossível não olharmos para esta mensagem e tecermos algumas linhas paralelas.

Além disso, tem uma componente visual que acompanha este sentimento pós-apocalíptico de mãos dadas. Conseguimos captar a paz inerente sempre que a ação toma lugar na pacífica cidade de Boulder, ao passo que Las Vegas está repleta de luzes brilhantes e guarda-roupa extravagante que acompanha este caos. E pelo meio, ainda nos vai oferecendo alguns momentos tensos que certamente irá captar a atenção de todos.

The Stand series finale

O PIOR:

Infelizmente, The Stand também poderá encontrar dificuldades em justificar a sua presença no meio televisivo tão competitivo.

Termos uma série que decorra num mundo pós-apocalíptico não é exatamente uma grande novidade – pode-se até dizer que The Walking Dead levou essa ideia até ao ponto de exaustão – portanto até se compreende que esteja a sentir-se a mais sem algo de inédito para contar. Mas não se prende apenas a essa ideia; tendo em conta que o livro foi escrito e lançado no final da década de 70, pedia-se uma espécie de atualização para os tempos modernos. E embora tal se registe de uma maneira ou outra, a verdade é que a série não nos conta nada verdadeiramente inédito ou relevante, mesmo para os dias de hoje.

Isto, por seu torno, acaba por prejudicar no ritmo dos episódios e na forma como descreve as inúmeras personagens que habitam este mundo. Os primeiros episódios não adicionam nada de inovador na narrativa principal da série; somente estabelece quem é quem, como chegaram ao ponto em que chegaram e as dinâmicas de poder através de uma série de flashbacks bem frequentes. Não ajuda que a grande maioria das personagens não seja grande espingarda, com algumas exceções aqui e acolá (Owen Teague como o doentio Harold Lauder ou Brad William Henke como o adorável Tom Cullen são apenas alguns exemplos), uma vez que a forma em que se encontram escritos é preguiçoso e não nos dá muitas razões para tecermos alguma ligação com eles. E considerando que o elenco conta com alguns nomes conhecidos como James MarsdenOdessa YoungAmber HeardJovan Adepo, Nat Wolff, Greg Kinnear, entre outros  no elenco principal, torna-se num exercício estranho, no mínimo.

The Stand series finale

Regressando ao ritmo, é verdade que os primeiros episódios são dedicados a conhecer algumas das personagens deste mundo, com a narrativa a fluir de uma forma quase consistente a partir de um certo ponto. No entanto, não deixa de ser um exercício extenuante, deixando muita gente com uma sensação mista nos corações. Isso torna-se mais aparente no episódio final, escrito pelo próprio Stephen King que, embora seja uma nova versão de um epílogo, não deixa de conceder uma espécie de sensação de anti-climax.

Se fosse melhor executada, quer em termos de escrita, realização ou mesmo em termos de performance do elenco, The Stand tinha tudo para ser uma das melhores séries baseadas em obras de Stephen King em anos recentes. Em vez disso, temos aqui uma série que desilude mais do que entretém.

Podem ler outras Mini-Reviews aqui.

Estado da série: TERMINADA

0 50 100 1
50%
Average Rating

Embora consiga proporcionar alguns momentos desconcertantes, The Stand é uma grande desilusão, não conseguindo introduzir algo verdadeiramente inédito ao género de drama pós-apocalíptico.

  • 50%

Comments