Mini-Reviews TV TV

It’s a Sin – Series Finale – 1ª Temporada

It's a Sin Series Finale

CONTÉM SPOILERS DE IT’S A SIN!

Russell T. Davies tem deixado a sua marca inconfundível na televisão. Ainda no ano passado nos agraciou com o drama futurista social Years & Years e agora regressa em todo o seu esplendor com It’s a Sin, uma minissérie que se foca numa época difícil para a comunidade LGBTQ+. Quatro amigos homossexuais vão viver juntos para um apartamento e as suas vidas parecem idílicas nos anos 80, até que a epidemia de SIDA começa a dizimar a comunidade, para além da ascensão de Margaret Thatcher e dos seus valores conservadores que vão contra as liberdades LGBTQ+. Ritchie, Roscoe, Ash e Clive têm uma amiga inseparável que os ajuda nos seus piores dias, Jill e, juntos, vivem os melhores e piores anos das suas vidas.

It's a Sin Series Finale

O MELHOR:

It’s a Sin é uma minissérie prodigiosa em muitos aspetos.

Para além de dar profundidade às personagens, é também uma narrativa inteiramente dedicada às mesmas, deixando que o público as saboreie como seres humanos incríveis e faz refletir sobre as dificuldades que enfrentam numa sociedade londrina que, mesmo à beira de uma revolução, continua a camuflar-se atrás de valores de rejeição e opressão. Liderado pelo vocalista da banda de sucesso Years and Years, Olly Alexander, It’s a Sin é um estudo maravilhoso de uma época onde a alegria, o medo e a morte colidem de forma drástica. É um registo televisivo que não tem receios e não se deixa levar por convenções, despindo (literalmente) os seus atores no centro da história e reforçando a naturalidade do sexo, das amizades, do amor e de como as nossas opções de vida nos definem enquanto indivíduos.

É impossível não nos rendermos a este grupo de personagens cativante, em que um simples “La!” se torna um dos muitos atributos que nos faz aproximar ainda mais dele. Lydia West é uma força da natureza que merece todo o mérito das academias de televisão, numa prestação incrível e que segura o barco de todos os seus amigos que tentam tirar proveito dos melhores anos das suas vidas. A escrita de Davies é tão motivadora e envolvente, que os episódios passam a correr e deixa-nos com vontade de ver mais e conhecer ainda mais histórias deste género. E, em pouco tempo, vemos os anos a passar e muitos não sobrevivem à devastação causada pela difusão do IVH. Quando damos conta, já estamos tão investidos nestas personagens que damos por nós com as lágrimas a cair genuinamente e sem pensar. It’s a Sin é provavelmente uma das melhores séries focadas na temática LGBTQ+ e é o serão perfeito para este confinamento e para quem quer vivenciar uma história que vos vai fazer sorrir em minutos e deixar-vos de coração despedaçado rapidamente.

It's a Sin Series Finale

O PIOR:

É pena que seja tão curtinha.

It’s a Sin tem uma missão tão forte e tão importante que é pena que o ciclo destas personagens tenha terminado tão cedo. É óbvio que isso ajuda-a a tornar-se na minissérie icónica que é e inova o conceito de Queer as Folk, tornando-se ainda mais cativante pela natureza genuína que atribui a todas as suas maravilhosas personagens. É pena, também, que nem todos os episódios aprofundem alguns aspetos importantes, especialmente no que trata aos progressos feitos em torno do combate à difusão da doença e nas consequências drásticas que provocou nas famílias que perderam entes queridos.

Ainda assim, It’s a Sin é uma obra televisiva imperdível e que merece um destaque gigantesco na sociedade de hoje porque não eram apenas os anos 80 que precisavam de mudança. Infelizmente, ainda hoje isso é necessário e há toda uma comunidade a precisar de proteção contra fascistas e organizações homofóbicas que a ameaçam. It’s a Sin é, portanto, essencial e não vos irá desiludir.

It's a Sin Series Finale

Estado da Série: TERMINADA

Leiam outras Mini-Reviews aqui.

0 92 100 1

92%
Average Rating

A nova produção de Russell T. Davies é um triunfo humano. Um estudo de personagens acutilante e é quase crime ser tão curtinho. Mas vale a pena todos os minutos e todos os segundos.

  • 92%

Comments