Cinema Críticas

Crítica: Spiral (2019)

Spiral Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE SPIRAL!

Um casal homossexual muda-se com a sua filha para uma nova casa, mas os seus vizinhos são um pouco misteriosos e parecem esconder algo de sinistro. Mas será tudo isto uma ilusão e estranhar o novo local onde moram ou há algo de verdadeiramente aterrador por trás? Spiral é um filme realizado por Kurtis David Harder e é mais um filme extremamente cativante do canal Shudder. Não é perfeito, longe disso, mas a sua mensagem é importante, relevante e bastante bem concretizada.

Spiral Critica de Cinema

Spiral acaba por absorver alguns dos maiores receios da comunidade LGBTQ+ e transforma-os numa metáfora de terror satânica, onde as prestações ganham força e os momentos de suspense estão bem formulados. É um filme demasiado curto, no entanto, já que tem toda uma mitologia que devia ter obrigatoriamente explorado para nos criar um maior envolvimento. Ainda assim, o elenco liderado por Jeffrey Bowyer-Chapman acaba por ser muito competente e faz com que o espectador nunca perca o interesse, auxiliado por uma banda-sonora surpreendente e efeitos sonoros que são capazes de nos arrepiar. É mesmo pena que a génese de Spiral não tenha sido abordada com maior afinco, porque o seu ato final foge dos clichés habituais e tem um impacto importante. Este é daqueles filmes metafóricos que pode marcar pela diferença e abrir portas aos atores LGBTQ+ para encontrar um nicho na arte do terror, tocando na ferida da sociedade heteronormativa retrógrada e opressiva; que se camufla e a única forma de expressar a sua verdadeira essência é torturar quem é feliz sendo como é.

Spiral é, portanto, aquele filme de terror que marca um momento importante para a comunidade e que é composto por uma realização hábil e que nos deixa a roer as unhas para percebermos o que realmente está a acontecer e que tipo de terror estamos perante. Embora a sua duração e, como referi anteriormente, a exploração do seu tipo de terror merecesse algo mais complexo e dinâmico, Spiral é um exercício muito agradável e que tem elementos que captam à atenção, contribuindo para um serão onde o público tem a oportunidade de desvendar o mistério por si. É um filme simples, com uma mensagem bastante boa e, melhor do que tudo, tem um final surpreendente e que não encaixa no típico cliché dos filmes de terror.

Spiral Critica de Cinema

É também a rampa de lançamento para este realizador e estes talentosos atores de continuarem a quebrar preconceitos e a tornarem a experiência do cinema mais rica com as suas histórias. Está na altura de Hollywood começar a abraçar a sociedade como ela é, sem receio de colocar as minorias no estrelato porque, sejamos sinceros, grande parte das suas histórias são bem mais interessantes que a maioria dos blockbusters repletos de testosterona desmiolada que apelam a um público que, em vez de apreciar arte, está mais preocupado com os carros luxuosos que aparecem no ecrã. Filmes como Spiral definem valores e conseguem transformá-los numa experiência extremamente gratificante de cinema e que, esperemos nós, abram portas para que mais ganhem coragem para o fazer.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Espiral

Título Original: Spiral

Realização: Kurtis David Harder

Elenco: Jeffrey Bowyer-Chapman, Ari Cohen, Jennifer Laporte, Ty Wood, Lochlyn Munro, Chandra West.

Duração: 86 min.

Trailer | Spiral

Comments