Cinema Críticas

Crítica: A Thousand Cuts (2020)

A Thousand Cuts Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE A THOUSAND CUTS!

Em plena pandemia, as eleições estão a decorrer e todos devem exercer o seu dever de eleger o líder que é o rosto do país. Não há melhor altura para surgir um pequeno filme como A Thousand Cuts, que acompanha a luta da ativista e lutadora pela imprensa livre Maria Ressa, contra o regime totalitário do Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, que espalha fake news pelas redes sociais e aterroriza e ameaça os órgãos de comunicação. É um filme corajoso e que nos mostra uma realidade que, infelizmente, está cada vez a ser mais possível com o crescimento do populismo.

A Thousand Cuts Critica de Cinema

Não sou propriamente uma pessoa ligada ou interessada em política, mas mais do que nunca é importante impedir que este populismo tome as rédeas das nossas vidas e nos impeça de viver livres e que use a sua conduta fascista para oprimir o povo. A Thousand Cuts é um filme corajoso, ainda que peque nalguns aspetos. A história de Ressa é fascinante e é impossível não nos rendermos ao seu charme. É uma protagonista carismática e incansável em tentar enfrentar as consequências do seu ativismo, sendo ridicularizada insultuosamente pelos apoiantes do regime, para além de receber ameaças de morte constantes e de ver a sua nação no colapso. Camuflado pela “guerra contra a droga”, o Presidente Duterte está completamente fora de controlo, e esta ânsia em querer manipular os organismos de comunicação social revela uma transparência perigosa e opressiva, procurando silenciar aqueles que lhe fazem frente. Ainda há pouco os EUA viviam algo semelhante, felizmente hoje é dia de tomada de posse e esperemos que Joe Biden e Kamala Harris consigam encaminhar o país para um futuro mais sorridente.

Seja como for, A Thousand Cuts, realizado por Ramona S. Diaz, é um produto de cinema importante, expondo uma realidade assustadora e enaltecendo a verdadeira heroína das Filipinas, que procura mostrar ao mundo o seu dia-a-dia constantemente em movimento contra um Presidente que quer conquistar o povo através de violência e de supressão informativa, sendo quase sempre apreendida sempre que viaja para elucidar o mundo sobre a condição do seu país. É um exercício bonito, mas que carece de uma profundidade maior para elucidar o maior número de pessoas sobre a realidade das Filipinas. Quem é Duterte? De onde veio? De que forma foi criado? De onde surgiram estes valores? Não basta atirar o público para uma realidade desconhecida para o resto do mundo. Entende-se que A Thousand Cuts tem uma relevância e urgência em transmitir a sua mensagem, mas é preciso uma contextualização mais vasta para percebermos o crescente fundamentalismo populista.

A Thousand Cuts Critica de Cinema

A Thousand Cuts acaba por sacrificar a sua estrutura e a sua profundidade para ser rápido a transmitir a informação que quer que chegue ao mundo. É um exercício documental muito interessante, mas acaba por ser também um pouco aleatório na transmissão dos seus conhecimentos, deixando o público por vezes à nora daquilo que está a acontecer e do porquê de estar à acontecer. Este grau de confusão não ajuda A Thousand Cuts a chegar ao estatuto que pretende e enfraquece a sua força. No entanto, é um pequeno aviso ao mundo de que devemos ter extremo cuidado em votar em líderes totalitários e age em defesa das liberdades da informação e do sensacionalismo presidencial que, infelizmente, começa a ser uma realidade assustadora por todo o planeta.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Mil Cortes

Título Original: A Thousand Cuts

Realização: Ramona S. Diaz

Duração: 99 min.

Trailer | A Thousand Cuts

Comments