Cinema Críticas

Crítica: Wonder Woman 1984 (2020)

Wonder Woman 1984 Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE WONDER WOMAN 1984!

Depois do move imprevisível da Warner Bros, o primeiro filme que o público tem acesso dos seus grandes blockbusters é a sequela de Wonder Woman, que agora tem lugar em 1984. Diana ainda sofre por ter perdido o seu Steve, e começa a criar amizade com uma nova funcionária do Smithsonian, Barbara Minerva. No entanto, um estranho artefacto parece concretizar os desejos das pessoas à sua volta, e Diana misteriosamente consegue ressuscitar o seu querido amado. Mas um magnata arruinado de nome Maxwell Lord tem planos mais perigosos para usar este artefacto poderoso.

Wonder Woman 1984 Critica de Cinema

Antes de mais, lamento informar todos mas eu não sou fã de Wonder Woman na sua totalidade. Isto porque os filmes da DC Universe honestamente não me conquistam e são um display mais de pomposidade visual do que propriamente tornar a história credível e sediada na realidade. Wonder Woman acaba por ser, de facto, a aposta mais porreira da DC, mas ainda esteja muito aquém do que devia. Esta sequela recupera Patty Jenkins na realização e continua as aventuras da super-guerreira que agora enfrenta dois novos adversários e, por muito que existam algumas características bastante apelativas, é na ação irrealista que Wonder Woman 1984 se torna uma sequela plástica. Nas novas adições temos Kristen Wiig e Pedro Pascal e, embora tenham prestações credíveis, sendo o melhor que Wonder Woman 1984 tem para entregar, as suas personagens afogam-se em clichés que os ridiculariza na maioria dos seus momentos mais relevantes.

Apesar de Gal Gadot ser carismática, Wonder Woman 1984 nunca consegue retirar o melhor do seu talento, reduzindo-a a diálogos e a uma postura mais de Barbie do que propriamente de super-heroína. Num filme extremamente longo, Wonder Woman 1984 afoga-se nas suas ambições mais uma vez e entrega-nos algo que, a longo prazo, é tão comum como qualquer outra aventura que conhecemos do mundo dos super-heróis. Nem mesmo a recuperação de Chris Pine ajuda, já que volta mais uma vez a atrasar o desenvolvimento da personagem principal e a aprisionar uma narrativa que cisma em estagnar-se em si mesma. Os adornos argumentativos são tão pouco coesos e credíveis que fazem com que os valores mais importantes sejam metidos às quatro pancadas e removam com a seriedade necessária para que o público se relacione com a história de forma mais humana. Infelizmente, Wonder Woman 1984 é um capítulo banal, de emoções plásticas e é vítima de uma ambição que nunca consegue ser verdadeiramente palpável ou realista.

Wonder Woman 1984 Critica de Cinema

Ainda que as personagens secundárias roubem os melhores momentos do filme, as sequências de ação usam e abusam de um look estilístico pouco apetecível, com recurso a efeitos visuais para enaltecer os atributos físicos e as capacidades heroicas da sua protagonista. Ao contrário do que muitos poderão pensar, a mim só prejudica o meu envolvimento com a história e os seus intervenientes, tornando-os algo que foge à realidade e que quebra com as boas intenções que se encontram na sua mensagem principal. Se, por um lado, há uma tentativa de dar camadas aos novos vilões por serem vítimas do próprio sistema e sociedade, tudo isto torna-se redundante se a abordagem insistir em parecer infantil. Portanto, Wonder Woman 1984 não deixa de ter algumas situações interessantes com base em Maxwell Lord e Barbara Minerva, mas todo o resto é “mais do mesmo” e não traz nada de novo para a saga de Wonder Woman e companhia, para além de continuar a ter um estilo muito plástico de filmagem e de caracterização da sua protagonista.

Ah, outro aspeto bom é a banda-sonora de Hans Zimmer, que consegue pelo menos elevar algumas sequências para um patamar ligeiramente superior. Mas não são possíveis milagres se a realização e o argumento caminham apenas numa direção. Portanto, fãs do primeiro filme irão gostar certamente desta sequela, mas para mim, Wonder Woman 1984 continua a não tornar as aventuras de Diana mais cativantes, mas sim a mostrar que a DC é mais preocupada em trazer efeitos visuais para esconder as suas maiores falhas argumentativas do que criar personagens verdadeiramente cativantes e que tragam algo de novo para os muitos fãs da super-heroína.

Wonder Woman 1984 Critica de Cinema

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Mulher Maravilha 1984

Título Original: Wonder Woman 1984

Realização: Patty Jenkins

Elenco: Gal Gadot, Chris Pine, Kristen Wiig, Pedro Pascal, Robin Wright, Connie Nielsen, Lilly Aspell, Amr Waked, Kristoffer Polaha, Natasha Rothwell, Ravi Patel.

Duração: 151 min.

Trailer | Wonder Woman 1984

Comments