Cinema Críticas

Crítica: Alabama Snake (2020)

Alabama Snake Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE ALABAMA SNAKE!

Há certos true crimes que nos conseguem verdadeiramente desafiar. A HBO tem trazido algumas dessas obras e a mais recente parece saída de um conto de ficção; Alabama Snake foca-se no folclorista Thomas Burton, que dedicou a sua carreira a desvendar a cultura dos crentes no Dia de Pentecostes que, de alguma forma, envolvem o manuseamento de cascavéis para consagração da sua mensagem. Em 1991, a vida de Thomas iria ter um caminho ainda mais curioso, já que um homem que pertence a esta comunidade é acusado de tentar assassinar a sua esposa ao forçá-la a ser mordida pelas serpentes venenosas.

Alabama Snake Critica de Cinema

Alabama Snake parece saído de um gossip engraçado que os escritores da Bíblia utilizam como humor nas suas conversas. É um registo muito divertido e tem um grau de insanidade extremamente engraçado e que nos mantém investidos durante toda a sua duração. Os seus intervenientes são apetecíveis e as suas crenças altamente questionáveis, o que dá matéria para o sucesso que Tiger King conseguiu na Netflix. Mas Alabama Snake acaba por satirizar demasiado as suas fontes de inspiração, tornando algo irrelevante a sua abordagem. A sua história mirabolante proporciona momentos de verdadeiro prazer, já que as personagens possuem backgrounds extremamente invulgar e estão inseridas numa cultura que se rege inteiramente por crenças religiosas para procura de conforto pessoal. Afinal de contas, o que é a religião se não isso? Seja qual for aquilo em que se acredita, a religião nunca pode ser motivo para desculpas de atitudes humanas que transcendem qualquer relação com a mesma. E, se há algo que a História nos ensinou, é que o extremismo religioso é utilizado como motivo para levar o ser humano a cometer atrocidades malignas e incompreensíveis.

Alabama Snake tenta mostrar esse lado através desta história insana de Glenn e Darlene Summerford, que resultou num dos casos mais bizarros até hoje. Mas há toda uma falta de profundidade do lado humano e toda uma incompreensão generalizada dos problemas mentais que ambos os indivíduos claramente sofrem. Não há uma avaliação psiquiátrica dos mesmo, nem o simples questionar de factos. E, nisto eu pergunto, se Darlene foi, de facto, mordida duas vezes por cascavéis letais, como é possível ficar viva para contar a história? Por muito pouco credível que a personagem de Glenn seja, dado todo o seu histórico de violência e alcoolismo, há toda uma deturpação mental por parte de Darlene, seja isso uma consequência traumática do que experienciou ou seja apenas uma manifestação da sua mente frágil que está treinada para mentir compulsivamente.

Alabama Snake Critica de Cinema

As características mais interessantes deste caso polémico não são devidamente exploradas pelo realizador Theo Love, que prefere ser um patetinha muitas vezes e gozar à cara podre com o tema do seu filme. Por muito bom material que seja para um filme de comédia, Alabama Snake tinha a obrigação de elucidar o público sobre aquilo que é verdade e aquilo que é objeto de mito e mentira. Basicamente estamos tão convictos da verdade quanto um tubarão confunde um surfista com a sua presa… e a névoa de confusão continua lá e é só escondida pela característica cómica que o realizador incute na sua obra.

Portanto, Alabama Snake não deixa de ser interessante por expor uma história saída de um conto de ficção, mas não é um exercício competente o suficiente para ir mais a fundo na abordagem dos intervenientes, preferindo ser apenas uma graçola de algo que tem muito mas muito de sério para explorar. Ainda assim é entretenimento fácil e acessível e a sua curta duração acaba por resultar, deixando-nos investidos regularmente com a maneira como se desenrola.

Alabama Snake Critica de Cinema

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Alabama Snake

Título Original: Alabama Snake

Realização: Theo Love

Duração: 85 min.

Trailer | Alabama Snake

Comments