Cinema Críticas

Crítica: King Arthur: Legend of the Sword (2017)

King Arthur Legend of the Sword

CONTÉM SPOILERS DE KING ARTHUR: LEGEND OF THE SWORD!

Ainda estou um pouco a tentar manobrar o misto de emoções que tive a ver este King Arthur: Legend of the Sword, de um dos meus realizadores guilty pleasure Guy Ritchie. É um misto de fúria, com desilusão, com surpresa, com desdém. Esta é uma visão mais… digamos… moderna? da história clássica do Rei Artur em que o escolhido vê a sua família a ser assassinada numa idade muito tenra pelo seu tio Vortigern, que ansiava o trono mais do que qualquer outra coisa. Nisto, Artur precisa de abraçar o seu destino com a ajuda dos poucos que oferecem resistência à tirana do Rei Vortigern.

King Arthur Legend of the Sword

É difícil encarar uma obra tão penosa, tão pretensiosa e tão ridícula como King Arthur: Legend of the Sword. É um exercício onde Ritchie expõe claramente as intenções de trazer o seu charme britânico de “gangsters de meia tijela” para um mundo medieval e fantasioso para chegar a um maior número de espectadores, já que o género épico é algo raro e que é seguido por milhões. É uma tentativa insultuosa de tentar ser-se engraçado quando não se tem piada. Tenho uma revolta profunda depois de ver esta paródia ridícula e sem alma que Ritchie teve a audácia de trazer para o grande ecrã.

King Arthur: Legend of the Sword não consegue ser salvo, nem pelo seu elenco recheado de estrelas, nem pelos visuais cativantes que inclui. É um fracasso que revela que há certos cineastas que não podem, de facto, fugir muito do seu género… Depois de ficar feliz por vê-lo regressar às origens com The Gentlemen, a minha adoração por Ritchie caiu a pique depois deste King Arthur: Legend of the Sword. As personagens são terríveis, regidas por uma conduta de piadas cuspidas a um ritmo acelerado, sem qualquer camada ou dimensão dramáticas, destruídas por uma construção que está mais preocupada em as ridicularizar do que respeitar. Para além disso, o trabalho de montagem é péssimo em conseguir causar impacto, chegando mesmo ao ponto de irritar.

King Arthur Legend of the Sword

Mas o maior insucesso é mesmo a estruturação da narrativa que nunca sabe propriamente como se definir nem que passos deve tomar, colocando as personagens em situações desnecessariamente parolas e tentando esquivar-se com o uso de piadas repetitivas e sem graça. Os efeitos visuais, que poderiam de alguma forma enaltecer o universo fantasioso do filme, são utilizados sem expressão… apenas com o objetivo claro de dar uma mística diferente que não resulta em nenhum ponto concreto. Há também um desperdício enorme de talentos, que se submetem a uma estupidez pegada em criar uma obra que é apenas o alimento de um ego muito pessoal por parte dum realizador que quer, a todo o custo, definir-se como sendo radical e diferente.

É um insulto à arte e ao material de onde é adaptado e nem a banda-sonora (que é a única coisa aprazível do filme) de Daniel Pemberton consegue salvar King Arthur: Legend of the Sword da sua perdição. Felizmente o filme foi um fiasco no box office, já que mais seis filmes deste universo estavam ainda para vir. Esta versão de King Arthur é um atento à poesia que a sua história transmitiu durante toda a sua existência e, pior do que isso, é um alerta para as ambições de realizadores que querem a todo o custo modernizar algo que simplesmente não necessita de modernização nenhum. A história de King Arthur é imortal… e não precisamos de aproximar a história ao nosso tempo através de diálogos cools para que ela nos toque mais.

Shame on you, Guy Ritchie, shame on you!

King Arthur Legend of the Sword

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Rei Artur: A Lenda da Espada

Título Original: King Arthur: Legend of the Sword

Realização: Guy Ritchie

Elenco: Charlie Hunnam, Astrid Bergès-Frisbey, Jude Law, Djimon Hounsou, Eric Bana, Aidan Gillen, Freddie Fox, Craig McGinlay, Tom Wu, Kingsley Ben-Adir, Neil Maskell, Annabelle Wallis, Geoff Bell, Poppy Delevingne, Georgina Campbell, David Beckham, Katie McGrath, Peter Ferdinando, Michael McElhatton, Mikael Persbrandt, Eline Powell.

Duração: 126 min.

Trailer | King Arthur: Legend of the Sword

Comments