Cinema Críticas

Crítica: The Phantom of the Opera (2004)

The Phantom of the Opera Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE THE PHANTOM OF THE OPERA!

Talvez para desgosto de muitos, The Phantom of the Opera é um dos meus musicais de eleição. Talvez porque surgiu numa altura importante na minha vida e tocou-me de diversas formas. Imaginem-se um chavalo de catorze anos a ir ao cinema e a ver e perceber como a música é a maior força de expressão à face deste planeta. Um rapaz que nunca teve oportunidade de se sentar num anfiteatro e ver um espetáculo por não ter posses financeiras, e por ter sempre este nome na sua mente enquanto vê vídeos na televisão dos anos 90 de uma peça musical sobre amor, sonho e talento. Adaptado de um romance de Gaston Leroux, The Phantom of the Opera é a recriação ficcional da peça musical de Andrew Lloyd Webber, onde a jovem soprano Christine Daae conhece o seu mentor que se esconde nas masmorras da Ópera de Paris. O Fantasma da Ópera revela-se assim que Christine atinge a maturidade e revela os seus dotes vocais inigualáveis, mas o seu temperamento volátil e homicida leva a que um novo pretendente conquiste o coração da sua amada. E, a partir daí, desencadeia-se uma rixa de sentimentos, música e amor.

The Phantom of the Opera Critica de Cinema

The Phantom of the Opera é um musical maravilhoso, trazido à vida pelo realizador Joel Schumacher, que faleceu há muito pouco tempo. É uma obra que espelha a nossa ambiguidade enquanto ser racional e emotivo. Um espelho cantado que mostra o quanto a música é uma forma de expressão única e mágica; e que somos seduzidos constantemente pelo nosso lado mais negro, mas que nos devemos manter fiéis aos nossos valores mais puros. Esta personificação magnífica faz com que este exercício de cinema seja imortal. Claro que há algumas partes que se esticam demasiado desnecessariamente na canção, perdendo algum do seu fulgor, mas The Phantom of the Opera é um filme sumptuoso, com alguns dos visuais mais carismáticos do cinema, com uma direção de fotografia abismal, cenários saídos de um conto-de-fadas, e um guarda-roupa que deixa qualquer um boquiaberto. É uma celebração da humanidade em tempos de trevas; uma tela pintada por música e emoções puras e genuínas.

Mesmo que os desgostosos desta versão cinematográfica fiquem de pé atrás, The Phantom of the Opera tem uma qualidade inegável em termo técnicos e é um filme que transpira uma mensagem preciosa. Seja fiel ou não ao seu musical de teatro, é uma obra que age por si mesma e nos puxa pelo sentimento mais cru. As metáforas e personificações constantes de uma frágil e doce Christine que se debate constantemente entre uma tentação platónica e um amor palpável. É quase como se tivéssemos um anjinho e um diabo a batalhar constantemente pela posse do nosso intelecto e do nosso espírito. Há todo um rol de mensagens subliminares nas imagens belíssimas do filme; para além das canções tradicionais serem elevadas por um elenco magnífico e que ganham ainda mais emoção por serem cantadas com alma. Desde Gerard Butler num dos seus papéis de estreia, passando por uma jovem e carismática Emmy Rossum, a um Patrick Wilson na flor da sua idade, a uma Miranda Richardson que guarda um certo grau de mistério e uma Minnie Driver fora da sua zona de conforto, The Phantom of the Opera é uma ode bonita ao turbilhão de emoções que vai dentro de nós próprios.

The Phantom of the Opera Critica de Cinema

É também uma viagem que, tal como Perfume: The Story of a Murderer, perfura na nossa capacidade de aceitação daquilo que é diferente, ou da forma como tratamos quem é, aos nossos olhos, diferente. Dentro das suas muitas vicissitudes, The Phantom of the Opera é uma balada ao adeus da escuridão que nos assombra, e um olá a toda uma felicidade sincera e brilhante. É aquele filme que toca por ser tão genuíno e por nos deixar vivos através do poder hipnótico da música. Algo que faz falta nos dias que correm… e espero que este filme vos toque da mesma forma que me tocou a mim, especialmente por o rever passado tantos anos e ainda cair uma lágrima de saudade.

Deixo-vos aqui com uma das minhas passagens favoritas do filme e uma das canções mais tocantes que ouvi até hoje:

“Too many years
Fighting back tears
Why can’t the past just die
Wishing you were somehow here again
Knowing we must say goodbye
Try to forgive teach me to live
Give me the strength to try
No more memories no more silent tears
No more gazing across the wasted years
Help me say goodbye”
The Phantom of the Opera Critica de Cinema

Leiam outras Críticas aqui.

Título: O Fantasma da Ópera

Título Original: The Phantom of the Opera

Realização: Joel Schumacher

Elenco: Gerard Butler, Emmy Rossum, Patrick Wilson, Miranda Richardson, Minnie Driver, Ciarán Hinds, Simon Callow, Victor McGuire, Jennifer Ellison, Murray Melvin, Kevin McNally, James Fleet.

Duração: 143 min.

Trailer | The Phantom of the Opera

Comments