Cinema Críticas

Crítica: Embattled (2020)

Embattled Crítica de Cinema

PODE CONTER SPOILERS DE EMBATTLED!!!

Artes marciais e drama não podiam ser dois géneros tão diferentes. No entanto, se filmes como Rocky, The Karate Kid, The Fighter ou Warrior nos ensinaram até agora, é que esta mistura consegue surtir resultados deveras surpreendentes. Dito isto, será que Embattled consegue reproduzir essa proeza?

Jett Broylins pode parecer um estudante normal, como tantos outros. No entanto, este também aspira a ser um lutador de MMA, ao ponto de treinar com o seu pai, Cash, também ele um campeão com títulos a seu nome. O que complica a situação reside no passado de abuso e violência que assombra Jett e a sua família às mãos de Jett.

David McKenna não é propriamente um dos guionistas mais cobiçados de Hollywood (até à data, e incluindo este filme, este conta apenas com 11 guiões elaborados). Ainda assim, chamou a atenção de todos com o seu filme de estreia, American History X, por isso, havia uma certa expectativas quanto ao seu regresso ao grande ecrã.

E os seus resultados são, na melhor das hipóteses, ambivalentes. Durante uma boa porção do desenrolar da ação, o filme apresenta alguns momentos mais quietos que mostram o lado mais humano dos Broylins, especialmente a partir do ponto de vista de Jett, desde os seus esforços na escola até ao seu papel como o pilar da sua mãe, Susan, e do seu irmão com necessidades especiais, Quinn. Estes momentos podem ser familiares dentro deste género, mas não deixam de ser menos eficazes.

Esse mesmo carinho, no entanto, não se regista por completo no filme. Embora Jett e a família tenham tempo de antena para alguns momentos familiares (com espaço para cenas que podem ser vistas como desnecessárias), já a perspetiva de Cash não tem muito para avançar, já que o personagem é escrito praticamente como um homem talentoso nas artes marciais, mas com um ego demasiado grande e com uma enorme tendência para a violência verbal e física. Stephen Dorff pode não ser um nome sonante na indústria, mas consegue encorporar a mente – e corpo – de Cash, tal como se encontra no papel, e este é intenso do início ao fim. É só uma pena que não tenhamos um vislumbre sequer dos eventos que o levaram a adotar estas atitudes.

Embattled, por incrível que possa parecer, é bastante light no que toca às sequências de combate, dando uma maior prioridade no lado mais humano de vítimas de violência doméstica e de como estes tentam seguir em frente face a esses traumas. Para os fãs de desporto, essa tendência muda na última parte do filme; no entanto, consegue, em simultâneo, atirar qualquer resto de credibilidade pela porta fora, provavelmente reforçando a noção errada que “violência com violência se paga”. O filme poderia ter saído com maiores benefícios se a componente dos combates não tivesse tanto destaque; em vez disso, tivemos novamente os velhos clichés dos filmes desportivos de artes marciais.

Embattled poderia ter um filme bem melhor do que tivemos. Apesar de contar com uma história já familiar, conta com temas relevantes que foram sendo explorados (com resultados ambivalentes). No entanto, e apesar de ter o coração e intenções no sítio certo, parece que o desejo de carnificina em nome do entretenimento levou a melhor, o que nem sempre é bom.

Podem ler outras Críticas aqui.

Título: Embattled

Realização: Nick Sarkisov

Elenco: Stephen Dorff, Elizabeth Reaser, Donald Faison, Karrueche Tran, Darren Mann, Colin McKenna

Duração: 117 minutos

Trailer | Embattled

Comments