Cinema Críticas

Crítica: #AnneFrank – Parallel Stories (2019)

Anne Frank Parallel Stories Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE #ANNEFRANK – PARALLEL STORIES!

O tempo apaga a memória?

Esta é a pergunta mais icónica do documentário #AnneFrank – Parallel Stories. Uma que vou tentar responder ao fazer a análise do filme. Talvez um daqueles registos mais poderosos dos últimos anos e que, de alguma forma, nunca propriamente se esquece. Todos conhecemos a história de Anne Frank e do seu imortalizado diário dos horrores que enfrentou durante a ocupação nazi. Já o lemos, mas temos a ajuda de Helen Mirren para tornar vivas estas memórias tão inocentes e tão envoltas em tragédia. Parallel Stories é um documentário único, infalível, que roça a perfeição. Tem uma estrutura original e preciosa, uma que torna a experiência de o ver em algo que transcende as leis da física.

Anne Frank Parallel Stories Critica de Cinema

#AnneFrank – Parallel Stories reúne vítimas femininas do Holocausto, num ato de esperança para que o mundo continue a progredir contra o ódio, o antissemitismo, o racismo e a perseguição. É um registo rico em metáforas, em dor, ilustrativos dos tempos tenebrosos de uma guerra que parece muito longínqua mas que, infelizmente, ainda permanece no contexto social de agora. Esta mulheres, guerreiras e sobreviventes, contam na primeira pessoa aquilo que Anne Frank também viveu até à sua morte precoce. Histórias que nos inspiram, nos tornam mais humildes e nos fazem refletir. Para além de preservar estas memórias, #AnneFrank – Parallel Stories cria um enredo particular de uma jovem que decide seguir os passos de Frank e, enquanto viaja nas muitas paragens de um trajeto assombrado, vai partilhando nas suas redes sociais aquilo que a história de Anne lhe evoca. Portanto, uma viagem down memory lane

Se o tempo apaga a memória? #AnneFrank – Parallel Stories relembra-nos que não. Sobreviver a um trauma tão profundo, cruel e desumano não permite que o tempo apague a sua memória. E, muito menos, sentimos que estas histórias façam com que a sociedade contemporânea se esqueça delas nalgum ponto da sua História recorrente. O mundo atualmente está em conflito sistemático, com guerras ainda ativas em diversas partes, com refugiados à procura de auxílio e abrigo. Uma sociedade que estaria a caminhar na direção de um futuro risonho está ainda estagnada naquilo que trouxe miséria e morte há uns anos atrás. O Holocausto foi o maior desastre bélico de que há memória… e consigo irão permanecer todas estas memórias. Memórias de luta, esperança, dor, sofrimento, gravadas num corpo que sofreu igualmente todas as feridas impingidas pela fobia inequívoca que temos uns pelos outros.

Anne Frank Parallel Stories Critica de Cinema

#AnneFrank – Parallel Stories é uma obra-prima do cinema. Um estudo humano que usa a sua própria voz para trazer à superfície a mais bonita das mensagens de que nunca é tarde para mudar e que a esperança é sempre a última a morrer. Numa estrutura nunca antes vista nas artes visuais, este documentário realizado pelas italianas Sabina Fedeli e Anna Migotto é a preservação destes testemunhos tão poderosos que, nas doces e intensas palavras de Helen Mirren, ficam imortalizados. É o filme perfeito para vermos nesta altura tão delicada em que vivemos. E, como se não bastasse ser um registo praticamente infalível a todos os níveis, nada escapa ao seu toque mágico das pessoas que se sentem sensibilizadas para continuar a mudar mentalidades e a erradicar o ódio por todo o planeta.

Sinto-me lisonjeado, de alguma forma, de estar vivo para poder ver algo tão puro, tão genuíno e tão enriquecedor como #AnneFrank – Parallel Stories. E sim, o título é em hashtag porque hoje em dia não há nada mais influente que uma rede social. Que elas se encham com estas mensagens e que perpetuem esta ideia de que o tempo, de facto, não apaga a memória.

Anne Frank Parallel Stories Critica de Cinema

Leiam outras Críticas aqui.

Título: #AnneFrank – Vidas Paralelas

Título Original: #AnneFrank – Parallel Stories

Realização: Sabina Fedeli & Anna Migotto

Duração: 92 min.

Trailer | #AnneFrank – Parallel Stories

Comments