Mini-Reviews TV TV

We Are Who We Are – Season Finale – 1ª Temporada

We Are Who We Are Season Finale

CONTÉM SPOILERS DE WE ARE WHO WE ARE!

O icónico realizador italiano de Call Me By Your Name regressa agora com uma produção televisiva, de nome, We Are Who We Are. Conta a história de dois adolescentes americanos que vão crescendo numa base militar em Itália. É uma história coming of age bonita, pintada com tons genuinamente diferentes e que, ora se irá amar, ou odiar. Não é uma série de digestão fácil, mas tem algumas características que a distanciam de tudo o que foi feito até agora em televisão.

We Are Who We Are Season Finale

O MELHOR:

É inigualável a química que existe entre os dois protagonistas Jack Dylan Grazer e Jordan Kristine Seamón.

A relação entre ambos é tudo aquilo que We Are Who We Are alcança de esplendoroso, articulando duas histórias distintas de conflitos de adolescência com identidade de género, orientação sexual e integração num meio muito distinto do habitual. Apesar de nem todas as intenções de Luca Guadagnino serem totalmente claras, a série absorve o seu charme da sua cinematografia já conhecida, e é transposto de forma bonita para o pequeno ecrã.

As relações entre personagens, ainda que nem sempre percetíveis, acabam por trazer alguns aspetos novos à típica história de crescimento e de problemas relacionados com a adolescência. Para além dos protagonistas, é de salientar as participações no elenco de Chloë Sevigny, Alice Braga e Kid Cudi, que cumprem as suas funções e dão a We Are Who We Are uma força maior e uma intensidade dramática substancial.

Os deliciosos cameos de Timothée Chalamet e Armie Hammer também nos fazem esboçar um sorriso, por saber que o realizador não descartou a possibilidade de uma sequela ao seu vencedor de Óscar Call Me By Your Name. Mas, não fugindo da temática principal, We Are Who We Are é uma série artística que terá alguma dificuldade em encontrar conforto nos tempos que correm. O facto de não ser linear e de não ser clara em muitas das sequências que mostra, tornam-na demasiado complexa.

We Are Who We Are Season Finale

O PIOR:

Mesmo que We Are Who We Are fuja dos clichés habituais, tem dificuldade em ser transparente.

A verdade é que os comportamentos das personagens muitas vezes não se justificam; para além de não haver um fio condutor de narrativa que ajude o ritmo lento da série a atingir propriamente um clímax. Tudo é algo aleatório e o espectador sente-se um pouco perdido a certa altura com as intenções do realizador. Talvez a intenção do mesmo até seja essa, já que a adolescência é aquela fase do crescimento humano que nunca é estável e nunca tem uma explicação direta. No entanto, em prol de haver envolvimento do público nos eventos que decorrem, deve haver uma contextualização mais forte e que justifique a necessidade de vermos uma série nova com uma temática já comum.

É claro que é quando se foca nas questões sociais que We Are Who We Are brilha, mas a certa altura o seu foco vai-se desviando para problemas de menor importância e nunca assenta num ponto-chave para percebermos qual é o rumo que vai tomar. Mesmo sendo algo aleatória e sem uma linha de raciocínio direta, We Are Who We Are colmata o talento de Guadagnino como um cineasta de culto e que quer marcar pela diferença em todas as áreas audiovisuais.

We Are Who We Are Season Finale

Estado da Série: STAND-BY

Leiam outras Mini-Reviews aqui.

0 68 100 1

68%
Average Rating

We Are Who We Are é uma série bonita sobre coming of age e toca nalguns pontos sociais interessantes, mas a sua aleatoriedade e falta de fio condutor torna-a algo cansativa de continuar.

  • 68%

Comments