Mini-Reviews TV TV

The Vow – Season Finale – 1ª Temporada

The Vow Season Finale

CONTÉM SPOILERS DE THE VOW!

O género documental é, quase sempre, um dos casos mais difícil de análise. A série da HBO The Vow, que está a fazer alarido um pouco por todo o mundo, é um exemplo disto. Para os que não conhecem, The Vow foca-se na organização NXIVM que está a ser, neste momento, julgada por tráfico sexual e por conspiração. A série acompanha os envolvidos, vítimas e criminosos, que criaram este bizarro e invulgar culto e nos problemas que isso lhes causou, seja no passado, presente ou até mesmo futuro.

The Vow Season Finale

O MELHOR:

The Vow é extremamente detalhado (até demais honestamente).

Tem uma estrutura pouco habitual e assim que começa a relatar os eventos torna-se um exercício empolgante. É um trabalho notável o dos realizadores Karim Amer e Jehane Noujaim, já que ninguém é praticamente deixado ao acaso nesta gigantesca teia de intervenientes. A construção de algumas situações é provocadora, expondo os problemas suavemente até irromper em injustiça, medo e sofrimento.

The Vow é também um daqueles casos que mostra que nada dura para sempre quando se sabe que nada é idílico neste mundo e que não devemos ser influenciados por alguém que nos fascina por ter um QI extremamente elevado. Dá sempre asneira como já se sabe…

The Vow Season Finale

O PIOR:

The Vow é uma série terrivelmente longa sem necessidade.

Os episódios estão apetrechados (e até transbordam) de informações irrelevantes, para além de uma clara (e estranha) fascinação das vítimas ainda pelo culto a que estiveram associados. É impossível não se fazer um julgamento crítico destes membros da NXIVM, sejam eles os culpados ou os inocentes. E porquê? Porque a doutrina ou o pressuposto primário da organização (e empresa) não tem um fundamento prático. Vemos pessoas idóneas a exporem teorias e recomendações pessoais, mas não os vemos a ter nenhuma atitude de mudança. Tudo é “paleio fácil” e soluções práticas ou materiais não existem. É também difícil de digerir como é que alguém que mostra apenas métodos e não resultados consegue ludibriar e fascinar tanta pessoa sem rumo.

Misoginia constante que é dita de caras e todos parecem estar a ouvir o novo Messias que irá mudar o rumo do planeta. Esta questão dos cultos é delicada quando ainda há demasiada gente que procura um sentido espiritual para a sua vida e quer encontrar uma nova fé para alimentar as suas fragilidades emocionais. The Vow é apenas mais um exemplo (se gostam deste tipo de documentários recomendo vivamente Wild Wild Country da Netflix) de como o ser humano necessita obrigatoriamente de depositar a sua esperança em alguém que só se sente bem a explorar as suas fraquezas. Nem mesmo os protagonistas diretos da série Mark Vicente, Bonnie Piesse e Sarah Emondson conseguem ser totalmente convincentes em agora decidirem expor aquilo por que passaram enquanto estiveram sobre a influência de Keith Raniere, líder (ou o Vanguarda como se autointitula) da NXIVM.

The Vow Season Finale

São vítimas, sim, ainda mais as mulheres que foram traficadas e violentadas psicologicamente e fisicamente por este guru; mas a verdade é que este fascínio por Keith e toda a construção do seu ensinamento moral e de autoajuda não é, de facto, normal. Podemos certamente concordar com muito do que nos é dito e, inclusive, querermos conhecer e aprender com pessoas que têm visões diferentes da vida, mas nunca devemos deixar de pensar por nós e ter a nossa própria moral. Estamos sempre a moldar-nos para nos tornarmos melhores pessoas (ou pelo menos assim gostaria que fosse com a sociedade em geral), mas por muitos conselhos que nos deem, somos nós que temos de forjar os nossos caminhos e fazer as nossas escolhas. A verdade é que todos os principais intervenientes de The Vow carecem de uma explicação plausível para tão afincadamente se terem dedicado a alguém que mal conheciam e, por muito carismático que fosse, não começarem a questionar esta “perfeição intelectual” de Keith.

Somos todos diferentes e todos reagimos de forma divergente a tentativas de manipulação, embora aqui não haja dúvidas a ter. No entanto, voltando a The Vow enquanto produto televisivo, a série perde por ser tão densa e tão aborrecida e por martelar constantemente nas mesmas situações em todos os episódios. Mesmo que a sua temática seja interessante, porque, de facto, é, The Vow não consegue captar-nos durante muito tempo porque demora imenso tempo a construir o suspense e a entregar respostas (e as que entrega muitas vezes estão suavizadas pela linguagem das próprias personagens). Mesmo quando as entrega, a série não simplifica e prefere ser demasiado descritiva daquilo que é óbvio e direto. Esta suavização não faz com que o espectador se sinta mais investido ou que nutra mais pena do que é retratado. Aliás, o nosso foco de atenção varia constantemente e sentimo-nos constantemente cansados de estarmos sempre a ver o mesmo.

Portanto, The Vow podia ser uma boa minissérie documental, mas prefere empanturrar-se de informação para tornar sensacionalista uma temática que já é comum, infelizmente, no meio social. É revoltante e condenável, mas também faz-nos refletir sobre a mentalidade norte-americana e que há muita gente por aí que, em vez de procurar ajuda profissional, prefere encontrar padrões espirituais pouco convencionais para apaziguar os seus problemas.

The Vow Season Finale

Estado da Série: RENOVADA

Leiam outras Mini-Reviews aqui.

0 51 100 1
51%
Average Rating

The Vow pode ter a boa intenção de desmascarar uma organização criminosa, mas é demasiado densa e aborrecida por repetir constantemente informações desnecessárias e por não se justificar coerentemente do que levou as vítimas a fascinarem-se tanto por alguém que mal conheciam.

  • 51%

Comments