Cinema Críticas

Crítica: Hálito Azul (2018)

Halito Azul Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE HÁLITO AZUL!

Conheçam a Ribeira Quente, uma província perto de São Miguel, nos Açores. Uma vila piscatória em que tudo o que tem e conseguiu é proveniente do mar. Os seus habitantes recordam-se da altura de abundância e choram os últimos dias de pesca na sua técnica centenária. Realizado por Rodrigo Areias, Hálito Azul é uma homenagem ao mar e à pesca tradicional deste vilarejo nos arredores da maior cidade açoriana.

Halito Azul Critica de Cinema

 

O género documental é bonito precisamente quando se foca em culturas pouco conhecidas ou numa identidade que se está a perder. Rodrigo Areias consegue habilmente, em tão pouco tempo, captar esta essência e, com a ajuda da beleza natural dos Açores, compõe uma obra interessante, ainda que tenha uma carência enorme de um fio condutor. Os habitantes da Ribeira Quente são idolatrados muitas vezes pela sua componente menos interessante: o provincianismo. Estarmos perante o enaltecimento de uma atividade em decadência necessita de emoção e mais substância. No final, o espectador tem a sensação de estar a ver um capítulo antigo de um episódio da BBC sobre uma civilização que se extinguiu há milhares de anos.

A direção de fotografia de Hálito Azul é um dos seus pontos mais fortes, aliada a planos de câmara que conseguem captar a beleza dos Açores e encher a tela de cor vibrante. O grave problema é o facto de Hálito Azul ser um filme que roça uma superfície mas não aprofunda muito mais do que consegue. Incutir elementos externos como poesia ou algum teatro não tornam o filme mais apetecível… muito pelo contrário; estão lá apenas para adornar uma temática e tentar enriquece-la forçosamente mas sem sucesso.

Hálito Azul pode ser composto de uma boa intenção e de imagens belíssimas, mas é um filme muito pobre de estrutura e que se foca num tema que acaba por não ter assim tanta substância quanto deveria. Rodrigo Areias tem uma narrativa clara na mente, mas a execução parece demasiado dispersa, ainda que uma boa dose de humor ajude a tornar a experiência de Hálito Azul mais gratificante. No entanto, não é suficiente para conseguir salvar o filme da mediocridade e, embora haja um apreço pela simplicidade do mesmo, é um serão em vão e onde não se aprende muito de novo.

Halito Azul Critica de Cinema

Hálito Azul foi o filme de encerramento do Azeméis Film Festival, como Extra-Competição, e o vencedor do festival foi anunciado logo de seguida.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Hálito Azul

Título Original: Hálito Azul

Realização: Rodrigo Areias

Duração: 78 min.

Trailer | Hálito Azul

Comments