Cinema Críticas

Crítica: Bill & Ted Face The Music (2020)

Bill & Ted Face The Music Crítica de Cinema

PODE CONTER SPOILERS DE BILL & TED FACE THE MUSIC!!!

Em 1989, o mundo testemunhou o nascer de Bill & Ted’s Extraordinary Adventure, um filme de comédia de viu o duo titular a viajar no tempo de forma a conseguirem passar a uma disciplina na escola. O filme em si pode não ser tão extraordinário e um tanto ou quanto datado, mas desde então que tem vindo a obter um estatuto de culto, estatuto esse que entretanto também foi alargado para a sequela, Bill & Ted’s Bogus Journey. Pois bem, também demorou algum tempo (29 anos, para ser mais preciso), mas Bill e Ted entram em novas aventuras no espaço-tempo com este Face The Music.

O filme reúne-nos com Bill e Ted, agora mais velhos, a passar por uma altura complicada das suas vidas, visto terem perdido a sua banda de rock e em vias de perderem os seus respetivos casamentos. É quando contemplam finalmente crescer que recebem uma mensagem do futuro para escrever uma música que unirá o mundo inteiro e salvar a realidade como a conhecemos.

Se procuram por um filme que vos ajude a desligar os cérebros por momentos e apreciar a viagem, Bill and Ted Face The Music pode muito bem vir a ser uma das melhores apostas deste final de mês. Sim, tudo o que o filme respira é básico e um tanto ou quanto arcaico em comparação com os filmes da era moderna (e os efeitos especiais também não são nada de transcendente), mas valendo o que vale, ao menos respeita o espírito dos filmes originais. Ter Chris Matheson e Ed Solomon de volta como guionistas certamente ajuda a vender essa ideia.

É claro que a maior força que Bill & Ted Face The Music tem ao seu dispor é o regresso de Alex Winter e Keanu Reeves aos seus respetivos papéis, e nesse aspeto, o filme não desilude. Isso torna-se mais evidente com Winter, que regressa ao papel de Bill após décadas ausente do ecrã com uma facilidade interessante; já com Reeves, torna-se mais complicado habituar-mo-nos ao seu regresso ao mundo da comédia, mas consegue entreter no fim e ao cabo. E com as viagens no tempo como uma peça central do filme, também vemos Winter e Reeves a interpretarem versões alternativas das suas personagens, o que dá origem a alguns momentos para nos rirmos às gargalhadas.

Bill & Ted Face The Music pode oferecer o regresso de Winter e Reeves (além de contar também com o regresso de William Sadler como a Morte e um mini-tributo ao falecido George Carlin), mas o filme também nos oferece uma visão de um futuro curioso. E esse aspeto teve a origem nas filhas dos protagonistas, Billie e Theo. Brigette Lundy-Paine e Samara Weaving interpretam-nas como cópias exatas dos seus pais, se bem que com um conhecimento mais avançado no que refere ao mundo da música. E isso pode ser visto no subplot do filme, em que estas viajam atrás no tempo para reunir uma banda incontornável repleto de nomes conhecidos da indústria, tais como Jimi Hendrix, Louis Armstrong, Mozart ou Kid Cudi. É um subplot, mas que está mais ligado ao espírito dos filmes originais. De repente, apetece-me ver um filme com Billie e Theo como protagonistas!

Bill & Ted Face The Music não é um daqueles filmes que possamos dizer que é especial ou extraordinário. No entanto, é um filme de nos convida a “desligar” a mente e simplesmente apreciar a viagem. E quando o fizerem, o filme tem tanto de engraçado como de enternecedor.

Podem ler outras Críticas aquiaqui.

Título: Bill & Ted Face The Music

Realização: Dean Parisot

Elenco: Keanu Reeves, Alex Winter, Kristen Schaal, Samara Weaving, Brigette Lundy-Paine, William Sadler, Anthony Carrigan

Duração: 91 minutos

Trailer | Bill & Ted Face The Music

Comments