Mini-Reviews TV TV

Cursed – Season Finale – 1ª Temporada

Cursed season finale

PODE CONTER SPOILERS DE CURSED!!!

A Lenda do Rei Artur tem sido passada de geração em geração e tem também recebido várias interpretações ao longos anos. Algumas tendem a ser mais indicadas para audiências mais juvenis (The Sword in the Stone), mas também encontramos outras mais orientadas para um público mais maduro (King Arthur). A Netflix é a mais recente produtora a abordar esta lenda britânica com a sua mais recente série, Cursed, desta vez com um toque mais moderno e claramente orientado para adolescentes.

Baseada na homónima obra de Tom Wheeler e Frank Miller, Cursed segue Nimue (Katherine Langford), uma jovem Fey que é alvo de escrutínio por ser uma bruxa. Quando os Paladinos Vermelhos invadem o seu lar, Nimue fica encarregue de entregar uma misteriosa espada a Merlin (Gustaf Skarsgård). No entanto, esta sua missão fará com que está entre em contacto não só com o conflito entre os humanos e os Fey, como também com algumas figuras da Lenda de Rei Artur.

O MELHOR:

Surpreendentemente, Cursed conta com alguns pontos a seu favor, nomeadamente no seu aspeto.

Retirando o facto de os efeitos digitais serem bastante fracos (mesmo para uma produção da marca da Netflix), Cursed consegue ser visualmente apelativo em alguns momentos, seja na construção dos seus cenários ou no guarda-roupa.

De uma forma ocasional, a série exibe também algumas transições animadas que conseguem trazer um pouco de misticismo a este mundo, além de nos apresentar alguns desenhos da autoria de Miller. Mas vai mais além dessas transições, com alguns planos de câmara claramente a tirarem inspiração da banda desenhada.

O PIOR:

Infelizmente, Cursed é uma grande perda de tempo.

Ter Wheeler e Miller como criadores da série (e o primeiro como showrunner) certamente poderia apaziguar alguns medos para quem for fã da banda desenhada original, em teoria. Na prática, os resultados são menos do que convincentes. Fica a ideia que, certamente, a série teria o benefício de ter uma mente diferente que já estivesse habituada a pegar no source material e dar uma nova vida.

A narrativa não podia ser mais aborrecida e previsível (rapariga com poderes é caçada por ser diferente e por possuir uma espada que todos querem obter), mas o maior insulto da série reside nas personagens e nos próprios atores que os interpretam. Fica a ideia de a sua totalidade não tem direito a uma evolução natural e convincente (acreditem, algumas mudanças testemunhadas aparecem num estalar de dedos, literalmente). E mesmo que a série ofereça uma perspetiva diferente da lenda arturiana (desta vez, pelos olhos e experiências da futura Dama do Lago), Cursed ainda tem a audácia de apresentar algumas caras dessa lenda, mas em novas posições que nada têm a haver. Os resultados seriam praticamente os mesmos se os personagens tivessem nomes diferentes, com as referências a servirem mais como Easter Eggs).

As personagens, no geral, são péssimas, e os atores, infelizmente, também não impressionam. Langford e Skarsgård são os nomes mais sonantes dentro de um elenco extenso, mas nem mesmo atores do seu calibre conseguem transmitir as suas personagens de forma fidedigna. Nimue serve o arquétipo de adolescente que é atirada para um destino que nunca pediu, ao passo que Merlin é revelado como um bêbado perpétuo com um passado traumatizante. Os dois atores fazem o melhor que podem dentro das circunstâncias, mas os resultados deixam muito a desejar. E nem falem dos outros membros do elenco, com performances a roçar entre o “mecânico” e o “cartoonesco”.

Cursed tinha tudo para ser uma das apostas mais ambiciosas da Netflix, quase que rivalizando com outra propriedade fantasiosa lançada no ano passado (The Witcher. Falo-vos de The Witcher), e tem certamente ambição e boas intenções. No entanto, e apesar de ter visuais cativantes (de vez em quando), a sua narrativa familiar e interpretações deixam um travo amargo na boca. Ou, referindo uma das falas da série, “sabe a fel”.

Desconhece-se, para já, se a Netflix dará uma segunda oportunidade a Cursed para poder melhorar.

Até lá, podem espreitar outras das nossas Mini-Reviews aqui.

Estado da série: STAND-BY

0 44 100 1

44%
Average Rating

Cursed tinha tudo para ser uma obra especial da Netflix, mas acaba por ser uma verdadeira perda do nosso tempo.

  • 44%

Comments