Mini-Reviews TV TV

I May Destroy You – Series Finale – 1ª Temporada

I May Destroy You Series Finale

CONTÉM SPOILERS DE I MAY DESTROY YOU!

Tornou-se uma sensação. Tornou-se um fenómeno de justiça numa era socialmente frágil. Tornou-se uma voz de um tema que nunca é demais falar. Tornou-se um meio de expressão dentro do silêncio. I May Destroy You é uma obra singular (ainda que não seja perfeita obviamente) e que ataca questões extremamente relevantes nos tempos que correm, onde a praticamente-estreante Michaela Coel nos faz refletir sobre as dificuldades de se lidar com o trauma de violação e abuso sexual. E não é só ela que entra na equação; para além da sua personagem Arabella, também o seu amigo homossexual Kwame lida com estes problemas. O resultado podia ser dramaticamente intenso, já que a temática é bastante densa e delicada, mas I May Destroy You consegue tirar o melhor partido e incutir um humor muito subtil e feroz que resulta na perfeição.

I May Destroy You Series Finale
Programme Name: I May Destroy You – TX: 08/06/2020 – Episode: n/a (No. 1) – Picture Shows: Arabella (MICHAELA COEL) – (C) Val Productions – Photographer: Natalie Seery

O MELHOR:

I May Destroy You é, em geral, bastante interessante ao construir a sua narrativa.

Tem falhas, claro, mas é na forma como trabalha as personagens e as coloca em situações moralmente delicadas que esta mini-série co-produzida entra a HBO e a BBC brilha. A verdade é que é quando entra pelos caminhos mais fortes, I May Destroy You não olha a meios para atingir os fins. É dura e cruel, capaz de nos fazer tremer. É também uma abordagem muito sentida do trauma e de como ele gradualmente vai afetando as nossas vidas. Este estudo é a base de I May Destroy You. Não há facilitismos em abordar o tema, muito menos em como lidar com o pós-acontecimento.

Vemos o trauma a consumir as duas personagens principais, sentimos os seus medos e os seus receios, e percebemos a sua ânsia por justiça e, como já sabemos, muitas vezes ela chega quando menos esperamos. No entanto, e apesar de I May Destroy You não se manter consistente ao longo da sua temporada, Michaela Coel é hábil em expandir os conceitos, abrangendo subtemas dentro da génese do que pretende contar, elevando a mini-série a um estatuto superior. O humor é também um dos pontos fortes, já que é utilizado com precisão sem interferir com os momentos dramáticos e surgindo quase que como um tratamento às defesas de personalidade das personagens.

I May Destroy You Series Finale

O PIOR:

Apesar de I May Destroy You ser uma força, cujo mérito é notório, peca por não se manter constante.

Nem todas as personagens conseguem ter a mesma atenção que os dois protagonistas e sente-se que, a certa altura, a série foca-se inteiramente na protagonista e esquece-se das restantes, fazendo com que o seu magnetismo se vá perdendo. Se tivesse explorado esta questão sem deixar pontas soltas e se ampliasse os seus resultados, I May Destroy You poderia muito bem ser uma das melhores séries do ano.

É palpável a ansiedade de Coel em levar o espectador ao clímax da história da sua protagonista que acaba por negligenciar as restantes personagens que são tão importantes quanto ela, caindo infelizmente num egoísmo que afeta a temporada no seu todo. No entanto, apesar deste grave erro, I May Destroy You é altamente recomendável e deve ser vista com calma e com atenção, porque o seu tema é, por demais, relevante.

I May Destroy You Series Finale

Estado da Série: TERMINADA

Leiam outras Mini-Reviews aqui.

0 80 100 1
80%
Average Rating

I May Destroy You é uma mini-série soberba, que peca por não conseguir dar o mesmo crédito a todas as personagens (que também passam por situações semelhantes à da protagonista), mas que merece ser vista com atenção e saboreada até ao último momento.

  • 80%

Comments