Cinema Críticas

Crítica: Doctor Sleep (2019)

Doctor Sleep Crítica de Cinema

PODE CONTER SPOILERS DE DOCTOR SLEEP!!!

Quando pensamos em autores cujas obras tenham sido adaptadas para o grande e pequeno ecrãs, o nome de Stephen King certamente saltará na mente de bastante gente. É fácil de pensar dessa forma quando pensamos nas novas adaptações e remakes que temos vindo a testemunhar em anos recentes, como IT, The Mist, Castle Rock, entre outros. Entre as novas versões modernas e os clássicos, The Shining, da autoria do falecido Stanley Kubrick, continua a arder no coração dos fãs de King, ainda que este já tenha demonstrado o seu desagrado. Ainda assim, King foi capaz de escrever uma das poucas sequelas literárias da carreira, como é o caso deste Doctor Sleep e que, como já seria de esperar, teve direito a uma adaptação bem recente.

Decorrendo mais de 30 anos após os eventos de The Shining, Doctor Sleep reencontra um Danny Torrance adulto a tentar manter a cabeça baixa e a refazer a sua vida. No entanto, esta sua paz é perturbada quando Danny tenta proteger Abra Stone, uma jovem com as mesmas capacidades dele e que se torna num alvo de um grupo sobrenatural que consome o “brilho” de outras crianças.

Permitam-me começar esta crítica ao dar os meus sinceros parabéns ao seu realizador e guionista, Mike Flanagan. Esta não é a primeira vez que o cineasta trabalha numa propriedade baseada numa obra de Stephen King – existe o caso de Gerald’s Game, da Netflix – e este também só começou a ser apreciado após o seu trabalho em The Haunting of Hill House, também esta uma série da Netflix. Por isso, é bom ver os seus dotes voltarem à carga neste filme!

Muitas adaptações de Stephen King tendem a focar-se mais no “terror” e no “bizarro” do que propriamente nas personagens que habitam estes mundos obscuros. Doctor Sleep está longe de ser uma das adaptações mais character drivenThe Shawshank Redemption e The Green Mile saltam logo à mente – mas os dotes da escrita de Flanagan estão mais do que presentes e trazem resultados surpreendentes.

Essa orientação para as personagens surtem bastante resultado, em específico para Ewan McGregor e Rebecca Ferguson. McGregor, como Danny, é magistral, no sentido de mostrar o conflito interno do seu personagem e na sua jornada de auto-descoberta e redenção quando dá de caras com a jovem Abra. Em contraste, Ferguson é deliciosa no papel de Rose The Bar. Esta consegue ser claramente carismática – basta ver a cena em que esta consegue convencer Snakebite Andi (Emily Alyn Lind) para a sua seita – mas também mostra um lado mais tenebroso, tornando-a numa das melhores antagonistas femininas numa obra de Stephen King.

Não é apenas na narrativa e no elenco que Doctor Sleep consegue triunfar. Temos também a componente visual, com uma espécie de casamento “perfeito” entre os efeitos práticos e os efeitos visuais, com o devido destaque a uma sequência em particular que nos lembra bastante da arte que Stanley Kubrick já nos tinha habituado nas suas obras mais influentes.

Dito isto, Doctor Sleep está longe de ser uma das melhores adaptações modernas de uma obra de Stephen King. E muito se deve à longa duração do filme. Não teria importado se a edição tivesse retirado uma ou outra cena mais supérflua em nome da redução da duração do filme.

E ainda que Flanagan tente o seu melhor para tentar criar um projeto que consiga assentar nos seus próprios pés, a verdade é que The Shining cria uma longa sombra. E essa ideia só piora quando o filme teima em recriar algumas das cenas mais icónicas desse mesmo filme.

Doctor Sleep pode não ser a sequela que muitos de nós poderíamos desejar, mas os dotes do seu realizador, uma escrita intrigante, uma componente visual bem executada e um elenco bem capaz, tornam este filme mais fácil de digerir. Pelo menos, até às próxima grande adaptação.

Podem ler outras Críticas aqui.

Título: Doutor Sono
Título Original: Doctor Sleep
Realização: Mike Flanagan
Elenco: Ewan McGregor, Rebecca Ferguson, Kyliegh Curran, Cliff Curtis, Zahn McClarnon, Emily Alyn Lind, Carl Lumbly, Henry Thomas, Bruce Greenwood
Duração: 152 minutos

Trailer | Doctor Sleep

Comments