Cinema Críticas

Crítica: Capone (2020)

Capone Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE CAPONE!

A espera foi longa, mas eis que finalmente o biográfico de Al Capone chega à Internet e aos serviços de streaming digitais. Tom Hardy encarna um dos maiores vultos da máfia norte-americana no seu último ano de vida. Após 10 anos encarcerado, Fonzo (ou Fonse) desenvolve um tipo de demência neuro-degenerativa que o faz recordar alguns momentos passados da sua vida dedicada ao crime organizado, bem como as suas raízes. Enquanto isto, o FBI tenta desvendar um último mistério antes que este magnata pereça.

Capone Critica de Cinema

Capone podia ser mais do que o que é. É filme muito banal, que se foca na fase decadente da personagem principal, sem criar camadas às restantes personagens. Todos “sobrevivem” na sombra de um Tom Hardy avassalador. Honestamente, não fosse pela prestação do mesmo, o filme não teria mesmo qualquer pingo de substância. Josh Trank, que escreve, realiza e edita Capone, não consegue transpor com profundidade aquilo que culmina e se destaca mais na vida deste barão do crime. Tudo é pouco substancial e quase nem temos a perceção daquilo que é real e não na vida de Al Capone.

Apesar do trabalho notável de maquilhagem, da construção de toda a persona descontrolada de Capone, e alguns momentos de tensão interessantes, Capone é um filme que não consegue fazer jus ao ator que lhe dá vida. Aliás, sente-se que o filme é tão pequeno para uma performance tão grande de Hardy.

Mas o maior calcanhar de Aquiles de Capone é mesmo a pouca, redundante e frágil estruturação dos momentos finais do protagonista e das inexistentes camadas atribuídas às personagens secundárias. É um pouco insultuoso que praticamente não conhecemos a família que aparece quase que apenas para levantar Fonzo quando cai, ou quando começa com os devaneios. São demasiado ornamentais e, já que o género biográfico permite uma exploração da vida de um vulto, há que trabalhar melhor todas as personagens que contribuíram para a rise and fall do objeto de estudo do filme. Portanto, Capone não consegue sair da mediocridade e “aprisiona” uma prestação magnífica de Tom Hardy, num filme demasiado pequeno e demasiado oco.

Capone Critica de Cinema

A verdade é que o espectador vai sistematicamente perdendo o interesse na história, focando-se maioritariamente na prestação de Hardy e ignorando praticamente todos os restantes elementos que nada enaltecem o filme. É frustrante a espera tão longa para um produto tão baço e tão pouco nutritivo para a 7ª Arte. Mesmo que encaremos Capone como um capítulo curto da vida deste chefe do crime organizado, a fase decadente da personagem poderia ser explorada de uma forma muito mais organizada e trabalhosa. O filme carece de alma e, se o objetivo é fazer-nos nutrir pena pelo protagonista, falha redondamente. A abordagem de um vulto tão icónico como Al Capone merecia algo bem mais profundo, dedicado.

Portanto, Capone ganha pela prestação maravilhosa de Hardy, mas falha redondamente em todo o resto, tornando-se evitável e redundante.

Capone Critica de Cinema

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Capone

Título Original: Capone

Realização: Josh Trank

Elenco: Tom Hardy, Linda Cardellini, Kyle MacLachlan, Matt Dillon, Noel Fisher, Jack Lowden, Al Sapienza.

Duração: 103 min.

Trailer | Capone

Comments