Mini-Reviews TV TV

Elite – Season Finale – 3ª Temporada

Pode conter spoilers de Elite!

Já dizia a minha querida avó: “Mais vale tarde do que nunca.” Com tantos sucessos da Netflix a desiludirem durante após a temporada de estreia, mostrei-me bastante reticente em assistir a Elite. No entanto, as minhas suspeitas não podiam estar mais longe da verdade.

Durante a segunda temporada, assistimos à luta de Samu para descobrir a verdade e provar a inocência do irmão, enquanto tenta navegar pelo ninho de cobras que é o colégio Las Encinas. Com a ajuda de Guzman, o jovem esconde-se para levar Carla a confessar a verdade sobre a morte de Marina.

No entanto, após todos descobrirem que Pollo é o verdadeiro assassino, este regressa ao colégio, trazendo consigo um turbilhão de emoções para todos.

O melhor

Itzán Escamilla e Ester Expósito provaram, mais uma vez, ser os grandes trunfos da série. A guerra de titãs com que nos brindaram nas últimas duas temporada teria sido o suficiente para dar valor ao trabalho apresentado. A química presente nas interacções entre os dois, bem como os jogos indirectos de poder, acabam por levar as personagens aos limites. Enquanto Samu se debate com a necessidade de colocar Polo na cadeia, a marquesa luta pela sua sobrevivência no meio dos jogos psicológicos do próprio pai.

Outro ponto que não podia deixar de abordar é a relação entre Nadia e Guzmán. O sofrimento de Nadia, quer pelo bullying e preconceito dos seus colegas, quer pela pressão do pai para ser a filha perfeita, liga-se subtilmente com as tentativas de Guzmán para ser o filho ideal, protetor da irmã e o aluno modelo. A verdade é que ambos trazem ao de cima o melhor do outro e esta temporada isso ficou mais óbvio que nunca.

No entanto, temos falar de Lu. Sim, Lu. A misteriosa, e acidental, assassina de Polo, que todos se juntam para proteger através de mentiras e falsas acusações.

Enquanto nas primeiras temporadas, a ex-namorada de Guzmán não foi mais do que isso, na terceira temporada afirmou-se como mulher independente com várias camadas: a de rica mimada, a de lutadora, a ambiciosa e, por fim, a  de menina frágil e magoada. Não é possível ficar indiferente à forma como Lu luta durante vários episódios para provar a todos que é mais que uma cabeça de vento, mas sem perder o carisma que a caracteriza.

A sua relação com Nadia também dá uma volta de 360º e é verdadeiramente satisfatório ver as duas compreenderem que nenhuma chegava onde chegou se não tivesse a outra para a desafiar. O womance das duas rapidamente roubou o lugar a outros da série.

Por este motivo é que a revelação de que Lu foi a assassina de Polo foi um momento de pânico. Se tem alguém que merecia um final feliz era Lu e as coisas não pareciam boas para a jovem. Surpreendentemente, os alunos de Las Encinas fizeram algo que nunca pensei possível: uniram-se por um bem comum.

O pior

Se por um lado, o aparecimento de novas personagens é uma benção, para Elite foi uma maldição. Na segunda temporada, Rebeca, Valério e Cayetana conquistaram os fãs e integraram-se bem no grupo. Já Malick e Yeray não foram tão bem recebidos.

A presença de ambos só transformou o enredo numa salada russa mais complicada do que era e não convenceu. Se por um lado nos conseguimos rever em Malick, a vítima de bullying que regressou completamente transformado e quer marcar o seu lugar na hierarquia da escola; Yeray é apenas um duplo empecilho quer para Nadia, quer para Omar.

Apesar de no fim ambos fazerem algo de bom pelos nossos estudantes favoritos, não podemos deixar de imaginar que tudo seria bem melhor se estes não tivessem aparecido. Até porque eu sou uma romântica incurável e teria adorado ver a marquesa abdicar de tudo por Samu.

Em outra nota, Elite tem de ter cuidado com a repetição de enredos. Enquanto a luta interna de Polo sobre revelar a verdade ou tentar viver uma vida normal nos aproximou da personagem, o seu envolvimento em mais um triângulo amoroso tóxico e perigo deitou tudo por terra. Carla, Christian e Polo era a relação poli-amorosa que todos amávamos odiar. Polo/Cayetana/Valério é apenas uma imitação rasca que não precisávamos de ver.

Mas, verdade seja dita, é de lamentar a partida de Álvaro Rico, sem dúvida um dos melhores atores da série que, apesar dos erros da sua personagem conseguiu arrecadar fãs por todos o mundo.

Outra relação amorosa que caiu por terra foi a de Omar e Ander. Os dois conquistaram os fãs desde o primeiro momento, mas a terceira temporada foi um vortéx de erros. A doença de Ander era um ótimo ponto de divergência da série, que tirava um pouco o foco de todos os assassinatos e traições, mas a traição de Omar e a paranóia constante de Ander deitaram tudo a perder.

Com um final tão ambíguo e anti-climático, só podemos esperar que as próximas temporadas de Elite não se revelem tão desnecessários como achamos.

Podem verificar a mini-review anterior aqui.

Estado da série: RENOVADA

0 70 100 1
70%
Average Rating
  • 70%

Comments