Cinema Críticas

Crítica: The Invisible Man (2020)

The Invisible Man Crítica de Cinema

PODE CONTER SPOILERS DE THE INVISIBLE MAN!!!

A Sétima Arte tem sido habitada pelos mais variados e icónicos monstros que nos assolam as mentes. É impensável não refletirmos na área do terror sem lembrar-mo-nos de criaturas como Nosferatu, Drácula, o Homem Invisível, o Monstro de Frankenstein, entre tantos outros. A maior parte deles teve direito a novas versões para novas gerações, com The Mummy a ser a versão mais recente na memória. No entanto, a tentativa de se criar um “universo cinematográfico” falhou redondamente, e podia pensar que jamais veríamos outras versões destas enigmáticas criaturas no grande. Pelo menos era o que se pensava, mas eis que a Universal – a distribuidora encarregue desse mesmo “universo” – se alia à Blumhouse, a produtora especializada em filmes de baixo orçamento, para nos trazer o conceito do Homem Invisível para a era moderna.

Neste filme, Cecilia (Elisabeth Moss) encontra-se num casamento abusivo com Adrian (Oliver Jackson-Cohen), um empreendedor especializado na área da ótica. Quando Cecilia consegue escapar, pensava-se que esta poderia encontrar finalmente a felicidade há muito perdida. No entanto, Cecilia começa a ser atormentada nas mais variadas formas e feitios, e suspeita que Adrian pode estar por detrás desses mesmos eventos.

The Invisible Man Crítica de Cinema

No que refere a termos técnicos, é incrível como The Invisible Man consegue tanto com pouco. Como já se esperava de uma produtora como a Blumhouse, o filme não faz imenso recurso aos efeitos visuais para nos imbuir com uma sensação de desconforto constante. esse mesmo efeito provém de vários aspetos que vão aparecendo ao longo do filme. Desde os takes longos a observar para o vazio, ou a ausência de som (tirando alguns ruídos menores que nos captam a atenção), são estes pequenos gestos que vão aparecendo de forma abundante ao longo do filme que nos transmite a ideia de estarmos a ser perseguidos por uma força que não podemos ver ou tocar. A Blumhouse raramente consegue acertar com a fórmula dependendo dos filmes em questão, mas com The Invisible Man, este método minimalista assenta que nem uma luva para o filme.

O filme também pode ser visto como um dos primeiros thrillers do ano assente no movimento #MeToo, e pode-se tirar esse mesmo proveito através da narrativa do filme. Ao invés de focar-se na totalidade na criatura titular, é Cecilia que se torna no centro das atenções. As alusões às relações abusivas conseguem ser bastante explícitas através da troca de diálogos entre Cecilia e as pessoas à sua volta, mas a ideia de um tormento invisível também funciona como uma espécie de alegoria de como as vítimas da vida real devem sentir-se neste tipo de situações.

The Invisible Man Crítica de Cinema

Claro que o trajeto da personagem principal só teria mais força graças aos esforços de quem a interpreta. E felizmente, Elisabeth Moss está mais do que à altura do desafio. Já sabemos que a atriz consegue entregar-nos performances poderosas consoante o trabalho em que esta se encontra – basta ver a sua performance na série The Handmaid’s Tale – e essa mesma intensidade e simpatia podem ser encontradas neste filme. É impossível não ficarmos contentes quando esta se encontra contente, não simpatizarmos com os seus momentos mais dramáticos ou de temermos pela sua segurança. O filme pode ainda contar com outros atores e estes até oferecem algo decente, mas é Moss que consegue ser o grande destaque do filme.

The Invisible Man Crítica de Cinema

Apesar de não ser, de todo, um filme perfeito – conta com algumas gralhas aqui e acolá, alguns estereótipos já cansados – mas no fim e ao cabo, The Invisible Man mostra a sua garra e consegue agarrar-nos do início ao fim. E torna a provar que, no que toca ao thriller ou terror, menos é mais.

Podem ler outras das nossas Críticas aqui.

Título: O Homem Invisível
Título Original: 
The Invisible Man
Realização: Leigh Whannell
Elenco: Elisabeth Moss, Oliver Jackson-Cohen, Harriet Dyer, Aldis Hodge, Storm Reid, Michael Dorman
Duração: 
124 minutos

Trailer | The Invisible Man

Comments