Cinema Críticas

Crítica: Onward (2020)

Onward

Onward é o mais recente filme da Pixar, que nos leva numa aventura com dois irmãos na busca de um mundo mágico que outrora existia.

A procura da magia é o grande mote do filme, mas a profundidade associada a esse mote é talvez o que a Pixar é conhecida por fazer melhor. Mesmo que tantas vezes se acuse a própria Pixar por procurar mais as lágrimas que uma história coesa isso, felizmente, não acontece em Onward.

Onward

Coragem e medo são coisas tão difíceis de explicar, no entanto, andam tão lado a lado que as vezes mergulhar num lado ou no outro se torna impercetível. O filme não nos tenta dar uma grande lição de moral e logo aí tem um grande acerto. Ele mostra-nos o quão limitante conseguimos ser se nos deixarmos dominar pelo medo. E a coragem? Será aquilo que conseguimos fazer sempre que o enfrentamos? Ou talvez seja algo tão simples como o seguir em frente sem olhar para trás!

Para Dan Scanlon depois de uma não tão bem conseguida sequela de Monsters Inc, Monsters University, ele mostra que consegue surpreender. Acho que nem a própria Disney-Pixar acreditava no potencial de Onward e pode-se ver pela pouca publicidade, divulgação dada a esta produção. Na verdade, acredito que surpreende quem vai ver muito sem saber ao que vai. Onward dificilmente vai ser totalmente entendido pelos mais pequenos, tem muito para que os mais adultos consigam se entreter e se deixar envolver por esta busca por um mundo possível de magia e possibilidades.

Onward

Algo que não estava mesmo à espera e não deixa de ser uma maravilhosa surpresa é a dimensão dada à diversidade. Foi feita de maneira tão orgânica que a torna ainda mais especial. Mostra como um mundo com tantas diferenças consegue coexistir e mesmo que desanimado e desacreditado do fantástico é um mundo que funciona. Adorei como o papel feminino e principalmente o de uma mãe está representado. Acho que vai ser uma surpresa agradável para muitos. E falando em surpresas, a qualidade da animação (que talvez já não seja surpresa nenhuma para muitos) é cada vez mais evidente. Existe uma cena em especial com uma cassete que eu tive de parar o filme para confirmar que era animação tal era a semelhança com uma cassete real.

Uma nota final para o genial elenco de Onward, não consigo deixar de realçar o trabalho de Pratt com o seu Barley, foi a personagem que mais sorrisos e lágrimas me despertou, e muito se deve à entrega de Pratt.

Resumindo, Onward é um filme leve que toca ao coração, quando nos lembra que a procura pelo fantástico e o incrível pode ser algo tão simples como a descoberta de nós mesmos.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Onward

Título Original: ‘Bora Lá

Realização: Dan Scanlon

Elenco: Tom Holland, Chris PrattJulia Louis-Dreyfus, Octavia Spencer

Duração: 102 minutos

Trailer | Onward

Comments