Cinema Críticas

Crítica: Dark Phoenix (2019)

Dark Phoenix Critica de Cinema

CONTÉM SPOILERS DE DARK PHOENIX!

Numa missão de resgate no espaço, Jean Grey é atingida por uma nuvem cósmica que afeta os seus poderes, tornando-a instável e errática. Nisto, Charles Xavier e companhia precisam de impedir que Jean destrua o planeta, mas uma ameaça externa dificulta o processo.

Dark Phoenix é o capítulo final do franchise X-Men que, apesar de ser repetitivo com a temática, não deixa de ter algumas façanhas técnicas interessantes. A verdade é que este é um capítulo demasiado superficial e uma homenagem demasiado frágil ao último filme da trilogia inicial The Last Stand que, por si só, também é dos filmes menos bons da saga. Apesar de Sophie Turner estar bastante considerável, a narrativa espalha-se por completo ao tentar incluir elementos que não encaixam na temática do filme.

Dark Phoenix Critica de Cinema

Uma raça alienígena (com uma sinistra e cativante Jessica Chastain) que persegue Jean em busca do seu novo poder não foi propriamente uma opção bem estudada para se incluir na temática dos X-Men, ainda que tenha proporcionado alguns dos momentos de ação mais bem conseguidos da película. Há também uma mau aproveitamento das personagens e, inclusive, uma mudança demasiado drástica (e infantil) da personalidade de Charles Xavier, interpretado por James McAvoy. Perdemos empatia com as personagens e não conseguimos relacionar-nos com o seu sofrimento porque Simon Kinberg (que após muitos anos a trabalhar como argumentista dos filmes assume agora a realização) não lhes atribui camadas dramáticas suficientes para as tornar apetecíveis ao público. Sente-se que Dark Phoenix é apenas uma frenética corrida para terminar com a saga e as personagens foram comprometidas por isto.

Outra questão algo estranha de Dark Phoenix é a oscilação dos efeitos sonoros que, no primeiro ato, são bastante cativantes, fortes e altos, mas vão enfraquecendo quando as sequências aumentam em dimensão e envolvem mais personagens. Não há um equilíbrio nem harmonia entre eles, levando a uma queda abrupta do envolvimento do espectador nos momentos mais intensos de ação. Ainda que algumas sequências sejam bastante apetecíveis, elas não conseguem salvar Dark Phoenix da mediocridade. São demasiado pequenas e os diálogos não conseguem elevar a dinâmica de personagens para um outro patamar.

Dark Phoenix Critica de Cinema

Além disto, este capítulo final de X-Men não consegue soar como um adeus sentido a estas personagens que já cá andam há alguns anos, tornando-se superficial e isento de dimensão dramática. Os poucos momentos em que Michael Fassbender surge acabam por ser os melhores, mesmo que a sua personagem não tenha sido aproveitada convenientemente. O aspeto infantil da atitude de Charles Xavier também desprende o filme de alguma maturidade, fragilizando o próprio âmago da personagem. Ainda que tenha algumas cenas engraçadas, Dark Phoenix sabe a pouco e, de alguma forma, torna-se numa vertente de história já repetitiva do universo dos X-Men. Penso que é preferível apostarem noutras narrativas do franchise em vez de estarem constantemente a “bater na mesma tecla”.

Para além do desequilíbrio dos efeitos sonoros,  Dark Phoenix é tão competente como todos os outros a nível visual, mas isto é um ponto positivo muito pobre no meio de tantas falhas. Kinberg entende o aspeto visual dos X-Men e, por se focar tanto nisso, acabou por perder o rumo na componente narrativa. As personagens em que tanto apostou durante anos, tiveram um tratamento banal, desprovidas de evolução (algumas até regrediram) ou dimensão dramática, e agem como teatro de marionetas extremamente fraco e repetitivo.

Dark Phoenix Critica de Cinema

Portanto, é triste que a conclusão de uma das sagas mais cativantes da Marvel tenha sido tão pobre e tão cliché.

Esperemos que a Marvel assente um pouco as ideias e, caso pretenda reciclar o franchise, que renove por completo a equipa de argumentistas para termos algo fresco e, se não for pedir muito, que se desviem desta história para evitarem cair nos mesmos erros.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: X-Men: Fénix Negra

Título Original: Dark Phoenix

Realização: Simon Kinberg

Elenco: Sophie Turner, James McAvoy, Michael Fassbender, Jennifer Lawrence, Nicholas Hoult, Tye Sheridan, Alexandra Shipp, Evan Peters, Kodi Smit-McPhee, Jessica Chastain.

Duração: 113 min.

Trailer | Dark Phoenix

Comments