Cinema Críticas

Crítica: Second Act (2018)

Second Act

Em Second Act Maya (Jennifer Lopez), uma empregada de uma cadeia de supermercados, tem a oportunidade de mostrar o que anos de experiência podem valer no mundo atual.

A premissa do filme é inteligente, no entanto, pode-se dizer que foi muito mal aproveitada. Quando vemos o trailer acreditamos mesmo que o filme se vai debruçar sobre a dualidade experiência de vida e trabalho vs anos de estudo e carreira académica. Acredito que, para muita surpresa, de quem está a assistir essa mesma premissa resume-se a uns 45% do filme e com isso o filme perde muito do seu interesse.

Um mulher batalhadora, que é inteligente e tem ideias e objetivos definidos é nos apresentada com Maya, logo percebemos que ela pode chegar mais longe. As ideias de Maya são inovadoras, procuram mostrar que nem sempre quem tem todas as oportunidades de estudar e construir uma carreira académica é melhor que quem tem anos de experiência e muita objetividade no que faz.

Com uma artimanha do afilhado consegue chegar a uma entrevista num cargo onde nunca sonhou estar. Ao acreditar que tem potencial aceita e aí mostra sem sombras de dúvidas que toda a sua vida só lhe faltou a oportunidade.

Quando Segal centra a ação do filme nesta história de vida de Maya, o filme parece-nos diferente, e ajuda o carisma que Lopez dá a esta personagem. Os verdadeiros problemas começam quando todos os sub-plots se começam a desenvolver. Não desmerecendo o seu valor, a inserção do desejo de Maya ter ou não filhos, sendo que no passado fez escolhas nesse sentido, não era necessário ao desenrolar da história. Acabando mesmo por ser onde o filme perde toda a sua essência. Tornando-se até completamente previsível.

Second Act

Nem mesmo o relacionamento de Maya e Trey (Milo Ventimiglia), assentado na química evidente de Ventimiglia e Lopez consegue trazer algo de mais positivo ao filme. Principalmente porque até neste sub-plot, estava ainda outro sub-plot que se queria desenvolver.

Second Act só vai ser lembrado como um filme onde existia uma boa parceria entre os seus protagonistas. Tinha como premissa uma boa história, não a conseguindo passar por estar completamente carregado de pequenas histórias que em nada enriqueciam o seu potencial.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Second Act

Realização:  Peter Segal

Elenco:  Jennifer LopezVanessa HudgensLeah Remini, Milo Ventimiglia, Treat Williams

Duração: 103 minutos

Trailer | Second Act

Comments