Mini-Reviews TV TV

The Umbrella Academy – Season Finale – 1ª Temporada

The Umbrella Academy season finale

PODE CONTER SPOILERS DE THE UMBRELLA ACADEMY!!!

No que toca a propriedades baseadas em bandas desenhadas, a Netflix tem sido um alvo em tempos recentes, muito devido ao cancelamentos de praticamente todas as séries da marca da Marvel (não se preocupem, a terceira temporada de Jessica Jones ainda está a caminho), que por sua vez pode ter bastante a haver com a iminente chegada da Disney+. Mas parece que a gigante da área do streaming ainda não está pronta para largar este subgénero claramente lucrativo. E uma prova desse apreço pode ser encontrado em The Umbrella Academy, baseado na banda desenhada do mesmo nome da Dark Horse. E considerando que esta foi criada por Gerard Way (que provavelmente conhecerão como o ex-vocalista da banda My Chemical Romance) e Gabriel Bácom Jeremy Slater (que trabalhou na subvalorizada The Exorcist) como criador e Steve Blackman como showrunner, já sabem que podem esperar coisas estranhas.

Num fatídico dia de 1989, 43 mulheres em todo o mundo deram à luz 43 crianças, sem terem quaisquer evidências de gravidez. Sir Reginald Hardgreeves (Colm Feore), um excêntrico multi-milionário, adota sete dessas crianças e funda a Umbrella Academy, de forma a poder prepará-las para salvar o mundo. No entanto, no meio de imensos dramas familiares, a família separa-se e cada um volta para o seu caminho. Em 2019, os jovens sobreviventes – que consistem em Luther (Tom Hopper), Diego (David Castañeda), Allison (Emmy Raver-Lampman), Klaus (Robert Sheehan) e Vanya (Ellen Page) – reúnem-se para resolver o mistério da morte do seu pai adotivo. As coisas acabam por complicar-se quando Número Cinco (Aidan Gallagher) regressa com a missão de impedir um evento apocalíptico.

The Umbrella Academy season finale

O MELHOR:

The Umbrella Academy não é a vossa típica série de super-heróis. E é por isso que esta é única.

Quando pensamos em super-heróis, quer no grande ecrã quer no pequeno, obedecem a um sistema que já começa a ser um bocado familiar. No entanto, têm havido algumas exceções ao longo dos anos, com Legion e o recém-lançado Doom Patrol a mostrarem que existem alternativas para este género. The Umbrella Academy é um desses exemplos: pega no que pensamos conhecer sobre o género e subverte-as a seu favor.

Mais do que um grupo de super-indivíduos a tentarem salvar o mundo de um evento apocalíptico, The Umbrella Academy foca-se mais nas relações complicadas entre os vários membros da família do que propriamente no avanço da narrativa. E por incrível que possa parecer, é um sistema que acaba por funcionar. Durante o curso de 10 episódios, a série consegue equilibrar a atenção dedicada a cada um dos seis membros dos Hargreeves, explorando como a sua personalidade e poderes (ou falta deles) influenciam as relações entre si e outras pessoas de fora. De uma forma geral, cada um dos Hargreeves tem algo de relevante para mostrar ou dizer. E felizmente os seus atores correspondem às expectativas colocadas. Ellen Page não é propriamente uma novata nesta área (apareceu nos filmes dos X-Men, afinal de contas), mas consegue ser uma alma compreensiva com a sua Vanya, constantemente ignorada pela sua família por não ter poderes; Tom Hopper também consegue ser convincente como Luther, o mais forte da família (e o “líder”) mas que possui uma clara falta de auto-estima; Diego (David Castañeda), cujo exterior de durão esconde um lado mais frágil; Allison (Emmy Raver-Lampman), que tenta voltar a ser aquela irmã que nunca foi; e depois temos Klaus (Robert Sheehan), um dos scene-stealers da série que recorre a narcóticos para poder esconder-se de vários demónios (literalmente, ele consegue ver os mortos).

The Umbrella Academy season finale

Mas dos Hardgreeves, é o Número Cinco que acaba por ser um dos chamarizes da série. Muito porque Aidan Gallagher tem o desafio de interpretar um idoso de 58 anos preso num corpo de um adolescente de 13 anos. Felizmente, o jovem ator consegue vender-nos essa ideia de forma bem fidedigna, fazendo com que nos esqueçamos que este é um jovem a interpretar uma jovem mais velha presa num corpo jovem.

A eles juntam-se também um elenco secundário de peso, que englobam Grace (Jordan Claire Robbins), uma andróide que tem como missão cuidar dos Hargreeves – funcionando também como aquela figura maternal que nunca tiveram oportunidade de ter – e Pogo (Adam Godley). Aliás, a mera menção de Pogo merece uma nova frase por si só, não só pela forma humana que Godley assume-se, mas também pelo reconhecimento repetido da Weta ao dar vida a um chimpanzé inteligente que trata da Mansão Hargreeves.

The Umbrella Academy season finale

E claro, não podíamos esquecer de mencionar Cha-Cha (Mary J. Blige) e Hazel (Cameron Britton), que servem como uma dupla de assassinos viajantes pelo espaço-tempo. Não protagonizam algumas das cenas de ação mais excitantes da série, mas a dupla consegue ser uma fonte de entretenimento, graças ao à-vontade sentido entre BligeBritton durante o curso da série.

A banda sonora de The Umbrella Academy também é sempre bem-vinda, não só pela inclusão dos toques de Jeff Russo, mas também pelo bom uso de algumas músicas bem conhecidas pelo público, que servem para enaltecer os momentos em que estas aparecem. Se bem que, na minha modesta opinião, podia incluir uma música ou duas de My Chemical Romance como um Easter Egg.

The Umbrella Academy season finale

O PIOR:

Apesar de ser algo diferente do habitual, The Umbrella Academy também não é uma série perfeita.

A saturação da narrativa é um grave problema que persistiu nas séries da Netflix – e muitas das séries da Marvel do serviço de streaming sofreram bastante deste mesmo problema. The Umbrella Academy, mesmo com uma duração de 10 episódios, começa a chegar a um ponto de saturação no que toca à narrativa que começa a parecer um bocado aborrecido. Quantas vezes é que eles falaram no apocalipse e esta questão foi passada ao lado em detrimento das várias relações dos Hargreeves?

E embora tenhamos personagens como Grace ou Pogo – que, apesar de serem secundários, acabam por dar algo de novo para fazer ou construir para a série, também temos personagens que podiam ter sido melhor exploradas para além do que nos foi apresentado. Bons exemplos disso mesmo são personagens como Leonard Peabody (John Magaro) ou Eudora Patch (Ashley Madekwe), que parece servirem apenas para avançar com a narrativa.

Mas no fim e ao cabo, The Umbrella Academy acaba por ser um registo completamente novo, tanto para a Netflix, como para o género de super-heróis; trata-se de uma série que coloca o character development dos vários protagonistas em detrimento da sua narrativa.

Ainda não se sabe se a série será renovada ou cancelada; no entanto, considerando que a série revelou-se como um grande sucesso, seria impensável se a Netflix não investisse numa segunda temporada (especialmente considerando que existem ainda algumas perguntas por responder).

Podem ler outras Mini-Reviews aqui.

Estado da série: STAND-BY

0 83 100 1
83%
Average Rating

Apesar de algumas falhas bem evidentes, The Umbrella Academy mostra que existem ainda outros lados dos super-heróis por explorar.

  • 83%

Comments