Cinema Críticas

Crítica: Robin Hood (2018)

Robin Hood

Na sequência da tradição que Hollywood tem de reformular histórias clássicas, Robin Hood é uma das que mais sofreu com isto. Adaptada a desenhos animados, comédias e a drama histórico, a verdade é que já vimos o personagem de variadíssimas formas. Em 2018 chegou-nos mais uma.

Taron Egerton - Robin Hood
Taron Egerton – Robin Hood

Na versão de 2018, Robin de Loxley (Taron Egerton), um nobre, participa nas Cruzadas. É durante esse período de violência que conhece o mouro John (Jamie Foxx), que aqui são uma  mistura de Azeem e Little John.

Jamie Foxx como John.
Jamie Foxx como John.

Ao regressar da Cruzada, Robin encontra a sua propriedade saqueada e destruída pelo Xerife de Nottingham (Ben Mendelsohn) e a sua Mariian (Eve Hewson) já nos braços de outro homem. Sem nada mais a perder, Robin volta a cruzar-se com John, e juntos elaboram um esquema para combater o Xerife e a Igreja, que roubam os pobres para dar aos ricos. O plano resume-se simplesmente à clássica frase “roubar aos ricos para dar aos pobres”. Nasce assim a lenda do Robin Hood da cultura popular. Pelo menos em parte… Na verdade este Robin Hood só mais tarde começa a dar o dinheiro as pobres. Outra diferença é que este Robin, inicialmente mantém a sua identidade como o nobre de Loxley para frequentar os altos círculos da sociedade e tomar conhecimento dos planos dos seus inimigos.

Análise – Robin Hood

Escrito por Ben Chandler e David James Kelly, a narrativa carece de lógica e a trama complica-se desnecessariamente para tentar dar profundidade a uma história que sempre foi simples e sempre funcionou como tal. Há uma série de subplots que se cruzam e que navegam ali numa fina fronteira entre o nonsense o desinteressante.

O realizador, Otto Bathurst tenta dar o máximo relevo à obra, mas o seu esforço é um pouco inglório. Possívelmente se o guião fosse melhor estruturado o realizador tivesse conseguido algo diferente.

O vilão interpretado por Ben Mendelsohn
O vilão interpretado por Ben Mendelsohn

No que toca à ação este Robin Hood tenta apresentar uma versão moderna fluída, com explosões e até com  uma forçada tentativa de misturar o combate de arco e flechas com artes marciais. Uma cópia falhada do que fez John Wick com armas de fogo. Também nas sequências de ação o filme acaba por falhar, seja na forma como são filmadas, como no fraco uso do Green Screen, seja no resultado final.

Se comparado com outras versões modernizadas de clássicos, pode-se dizer que Robin Hood fica a milhas de Os Três Mosqueteiros de Paul W.S. Anderson, que ao menos apresentava soluções visuais criativas  e um bom uso de VFX para aumentar a ação.

Leiam outras Críticas aqui.

Título: Robin Hood

Título Original: Robin Hood

Realização:  Otto Bathurst

Elenco:  Taron EgertonJamie FoxxBen Mendelsohn

Duração: 116 min.

Trailer | Robin Hood

Comments