Cinema Críticas

Crítica: Home Alone (1990)

SPOILER ALERT!

Hoje venho falar-vos de um filme que está fortemente associado com esta época do ano, aquele que é provavelmente o filme de Natal mais famoso que existe. Todos os anos o vemos na televisão e parece que não nos cansamos de rir com ele, por muito que possamos dizer que estamos ”mais que fartos” de o ver sempre. É óbvio que me refiro a Home Alone.

Se me disserem que não adoram acomodar-se no sofá com uma mantinha e bolachas durante uma hora e tal quando sabem que este filme vai dar na televisão, não irei acreditar, pois há sempre dentro de nós uma criança que não permite que nos cansemos verdadeiramente de ver este filme. Como tal, todos sabemos do que se trata, mas ainda assim decidi fazer um pequeno resumo da história:

Durante a época do Natal, a família McCallister vai viajar para Paris e, no meio de toda a correria da manhã em que se vão embora de casa, acabam por se esquecer do membro mais novo, Kevin. A sua mãe só se apercebe do lapso quando já está no avião e entra em pânico instantaneamente, mas Kevin não podia estar mais feliz, pois finalmente pode fazer tudo aquilo que sempre o proibiram de fazer em casa: saltar em cima da cama, ver o que lhe apetece na televisão e quando lhe apetece, comer todo o género de guloseimas e encomendar uma pizza só para si na hora de jantar. Isto é, sem tirar nem pôr, o dia ideal para qualquer criança. Kevin até se desenrasca bastante bem sozinho e portanto, até determinado ponto do filme, damos por nós a pensar ”ficou sozinho mas vá, até nem está a correr mal…”. Infelizmente, dois ladrões planeiam assaltar a casa, Kevin apercebe-se disto ao ouvir uma conversa entre ambos e decide então montar o conjunto mais hilariante de armadilhas para os impedir. Se há cena que nunca perde a piada mesmo no fim de ser vista cem vezes, é a cena em que os ladrões escorregam em cada uma dessas armadilhas. É incrível como nunca me farto de ver isso, continuo a rir-me até chorar de cada vez que vejo. O tipo das armadilhas e a maneira como os ladrões caem em cada uma delas faz me lembrar os desenhos animados estilo Tom And Jerry, em que o ”espertalhão” da história faz do seu adversário gato-sapato. Esta cena simplesmente não envelhece, parabéns à mente que deu à luz cada detalhe desta parte do filme.

Home Alone é, sobretudo, um filme cómico, mas tem também uma componente sentimental muito bonita e bastante adequada à época retratada pelo filme. No fim de fazer tudo o que sempre quis e a família não deixava, Kevin começa a sentir falta dos seus entes queridos e a desejar que eles voltem a aparecer em casa. A importância da família, apesar de algumas desavenças entre os seus membros, é o tema principal do filme e se calhar até é mesmo isso que o torna no filme de Natal preferido de muitas pessoas, pois afinal é uma altura/festa que associamos à família e àqueles que nos são mais próximos.

Há uma bonita lição neste filme que eu gostaria de mencionar: Perto dos McCallister vive um senhor que todos temem na vizinhança, pois desde sempre ouvem dizer que ele matou a sua família há muitos anos atrás. Quase no final do filme, descobrimos que o senhor é apenas uma pessoa que vive na tristeza, pois, há uns anos atrás, teve uma zanga com o seu filho, ambos disseram coisas que não sentiam e nunca mais se falaram desde então. Como consequência, o senhor nunca teve a possibilidade de estar com a sua neta, pois acha que o seu filho lhe guarda rancor. É este mesmo senhor que acaba por ajudar Kevin a escapar dos ladrões que tentam assaltar a casa dos McCallister. Isto serve para nos mostrar que não devemos ”engravidar pelos ouvidos”, pois há muitas coisas que por aí se dizem e que não correspondem à verdade.

Todos os anos vejo nas redes sociais a seguinte frase: ”Sabes que vem aí o Natal quando vês que o Sozinho em Casa começa a aparecer na programação da TVI” e de certa maneira isso é verdade. O filme tornou-se de tal forma num símbolo desta altura que só me ocorre compará-lo nesse aspecto aos reclames da Coca-Cola: se os vemos na televisão, já sabemos que não tardará muito para que o Pai Natal desça pelas chaminés de todos nós.

Home Alone é um filme adorável, divertido e emocionante. Adorei revê-lo, acho que ele faz parte da infância de muita gente e por isso é sempre reconfortante saber que, todos os anos, ele chega até nós através das nossas televisões. E ali ficamos nós durante uma hora e tal, enrolados na manta e com um chocolate quente na mão, deliciados com o conforto característico desta época.

P.S. 28 anos depois, o Kevin voltou a ficar sozinho em casa. A sério. Não acreditam? Então vejam o novo vídeo promocional do Google Assistant.

Título Original: Home Alone

Título: Sozinho em Casa

Realizado por: Chris Columbus

Elenco: Macaulay Culkin, Joe Pesci, Daniel Stern, John Heard, Catherine O’Hara, Roberts Blossom

Duração: 103 minutos

Trailer | Home Alone

Comments