Mini-Reviews TV TV

Dynasties – Series Finale – 1ª Temporada

CONTÉM SPOILERS DE DYNASTIES

“Cherish the natural world, because you’re a part of it and you depend on it.”

Já sabemos que as nossas Mini-Reviews dos documentários narrados pelo grande vulto da BBC, Sir David Attenborough, nunca seguem o padrão normal. (Temos aqui a análise a Planet Earth e a Planet Earth II) Muito porque a forma como as emoções se entrelaçam com a arte não são de fácil explicação e porque há demasiado sentimento a meter em míseras palavras. Sinto que quando escrevo algo sobre David Attenborough não lhe consigo fazer justiça… mas não estou aqui para falar apenas do meu ídolo pessoal. Estou aqui para vos falar de Dynasties, uma série documental que acompanha cinco famílias em diferentes cantos do planeta, que lutam contra as odes para garantir que o seu legado consiga sobreviver pelo menos mais uma geração, num mundo cada vez mais dominado pelo ser humano.

Dynasties Series Finale

Dynasties divide-se, portanto, em cinco episódios, que acompanham diferentes famílias de espécies animais em vias de extinção e na sua difícil jornada para que as dinastias se prolonguem por mais uma geração. No primeiro episódio acompanhamos David, um chimpanzé, que vê a sua liderança ser desafiada por machos mais jovens que querem apoderar-se do seu harém de fêmeas; no segundo, vivemos a dura vida dos pinguins imperadores que precisam de sobreviver a condições adversas e hostis para proteger as suas crias; no terceiro, viajamos com Charm, uma leoa que lidera o seu bando como uma verdadeira rainha, mas cujo reinado é ameaçado em cada virar de esquina; não fugindo muito do cenário africano, no quarto episódio acompanhamos duas famílias de mabecos (os cães selvagens das planícies) que se envolvem numa luta por território, mesmo partilhando laços de sangue; por fim, no último, vemos Raj Bera, um tigre fêmea que deu à luz quatro adoráveis crias, e que tem de as ensinar a sobreviver na “imensidão” de um parque natural contra a invasão humana e restantes perigos adjacentes.

Dynasties Series Finale

A natureza tem tanto de belo como cruel. Sempre que invisto um pouco do meu tempo (e, por conseguinte, da minha alma) a acompanhar as viagens de David Attenborough, acabo sempre por viver intensamente aquilo que os meus olhos estão a presenciar. Dynasties destaca-se precisamente pelo conceito de família. Podemos ser os únicos seres pensantes no mundo, mas não somos os únicos que sabem amar. Em todos os episódios, Dynasties prova que o amor pela família é genuíno e não é exclusivo de nenhuma espécie. A força com que todos estes animais lutam para garantir que os seus filhotes consigam ver a luz do sol por mais um dia é tão intensa que nos transporta para um meio em que a felicidade extrema e a frustração dolorosa colidem fortemente.

Dynasties Series Finale

Já praticamente não tenho unhas e as lágrimas percorreram-me o rosto; também sorri e gritei de alegria, como se torcesse por uma equipa de futebol que tivesse ganho um campeonato (ao qual não ligo absolutamente nada). Mas é aqui que reflito para mim mesmo: somos mesmo privilegiados. Temos tudo e ainda tentamos tirar a quem nada tem. Tentamos apoderar-nos do território de quem não consegue fazer-nos frente. Dizemos que somos o topo da cadeia alimentar e, no entanto, morremos de medo quando vemos uma fera selvagem. Ficamos chocados com um leão a matar uma zebra e esquecemo-nos que eles não têm a comida servida à mesa, à luz das velas, ou chefes de cozinha especializados. Somos ingratos e só sabemos reclamar… não temos noção nenhuma de humildade. Vangloriamo-nos de ser uma espécie superior porque possuímos uma habilidade “especial” e nem um bom uso dela fazemos. O ser humano é desprezível, controlador, tirano e cruel. Pelo menos, de forma generalizada, penso que a maioria concordará com estas observações. Estou incluído no mesmo saco, não sou diferente.

Quando vejo as adversidades que estes seres vivos enfrentam no seu dia a dia, perco a noção de que nos preocupamos demasiado com coisas supérfluas, com problemas de “chacha”, e perdemos demasiado tempo a dedicar-nos a assuntos que não interessam para nada. Mas pronto, cada espécie com os seus problemas.

Dynasties Series Finale

Vamos então embrenhar-nos um pouco nas vidas destes lutadores… Há momentos que Dynasties capta com uma qualidade extraordinária. Qualidade esta que enfia qualquer produção de ficção no bolso. Claro que os documentários de vida animal demoram imenso tempo a serem feitos, por vezes anos, e muito disto se deve a estar “no sítio certo à hora certa”. Mas é precisamente isto que os torna especiais: cada filmagem paisagística, cada frame dos animais, cada plano, cada encontro de terceiro grau, cada trecho da banda sonora, cada momento. Todos estes elementos fazem com que Dynasties e todos os documentários da BBC nos deixem uma marca profunda na alma. Porquê? Porque o que vemos não é apenas uma obra de arte para ser apreciada, é uma arte para ser vivida ao limite do extremo.

É impossível ficarmos indiferentes perante a crueldade e a beleza da natureza. Um paradoxo por vezes mágico e duro, onde a ternura se mistura com a dor, onde o sofrimento pode levar à plenitude da felicidade. Cada obstáculo, cada desafio, cada perigo, conduzem a uma história de sobrevivência única e poderosa.

Dynasties Series Finale

Ver pinguins em desespero, cães selvagens a serem dizimados pelos seus predadores, ver um leão a ser mordido por mais de vinte hienas, ver todas as feridas de David e da pride de Charm, tremer pela vida de Raj Bera quando se depara com a civilização humana. Todos estes momentos de grande nervosismo trazem algo de introspetivo em todos nós. A narração de Attenborough é quase como se Dynasties se tratasse de um conto. Uma fábula com um ensinamento particular para nos educar a saber apreciar a natureza. Afinal de contas, também fazemos parte dela e sem ela não conseguiríamos chegar onde chegámos. Apesar de todo o positivismo que Dynasties pode suscitar na conservação das espécies, não podemos esquecer que o destino do planeta, nossa casa, está nas nossas mãos, já que impingimos a nossa vontade acima daqueles que vivem no meio selvagem.

Numa batalha entre a razão, o instinto e o coração, Dynasties é uma viagem extraordinária por algumas das espécies mais carismáticas que sobrevivem (ainda que com dificuldades) em meios protegidos. Se somos seres dotados de razão, também deveríamos ser dotados de compaixão. Partilhar a nossa “casa” com outros seres vivos é algo que devemos também preservar. Não quero que os meus filhos ou netos cresçam num meio ignorante em que só saibam o que são seres humanos, ou a vaca, o porco e o frango que constituem a nossa alimentação… quero que eles saibam o que é o tigre, o pinguim, o leão, o cão selvagem, o chimpanzé e todas as espécies que os meus olhos já puderam observar no seu próprio meio, na sua própria casa.

Dynasties Series Finale

Portanto, sem qualquer defeito a apontar, Dynasties é a melhor produção do ano e um acontecimento que deve ser apreciado e vivenciado ao limite. Mas deve ser também um aviso para que tomemos consciência de que o mundo não é só nosso e nada nos dá o direito de o tirar de quem também precisa dele para sobreviver.

Leiam a nossa Mini-Review de Blue Planet II aqui.

Estado da Série: TERMINADA

Dynasties Series Finale

0 100 100 1
100%
Average Rating

Dynasties é a nova mini-série documental da BBC e é novamente um acontecimento único de televisão que não possui qualquer falha e que toma as rédeas educativas de proporcionar ao ser humano o sentimento de humildade que parece ter pedido com o decorrer do tempo.

  • 100%

Comments