Arrow Frame by Frame TV

Arrow – 7×05 – The Demon

CONTÉM SPOILERS!!!

Arrow funciona tal e qual como as marés: por momentos, tem episódios absurdamente fortes em termos de qualidade, mas muitas vezes cai nos velhos hábitos nocivos. E é isso que está na base do episódio desta semana, The Demon: com o segmento da prisão a provar, novamente, a ser a melhor coisa a acontecer na série até agora, e o resto a continuar a ser igual a si mesmo.

Embrenhado no Nível Dois, Oliver (Stephen Amell) dá de caras com o esquivo Demon, que ordenou o seu ataque na prisão; Curtis (Echo Kellum), a pedido de Diggle (David Ramsey), aceita uma missão da A.R.G.U.S.; Felicity (Emily Bett Rickards) e Laurel (Katie Cassidy) aliam-se a Dinah (Juliana Harkavy) na busca de novas pistas.

Arrow 7x05

Uma das questões mais pertinentes deste enredo prisional residia na identidade do misterioso Demon, a personalidade que encomendou o ataque a Oliver no início da temporada. Bem, é aqui que entra o SPOILER ALERT acima mencionado: o Demon é nada mais, nada menos, que Talia al Ghul (Lexa Doig), que marcou presença na série há duas temporadas atrás! Em retrospetiva, já se estava à espera que a filha do falecido Ra’s al Ghul regressasse dos “mortos” (muito porque o seu destino não foi mencionado na temporada anterior, de todo). E, também em retrospetiva, Talia como Demon era um bocado on the nose. Lógicas aparte, isto serviu para mestre e aprendiz voltarem a reunir-se, dentro de novas circunstâncias, e a tramarem alguma. Mais uma vez, o segmento da prisão volta a ser o ponto positivo de Arrow, e ao adicionar duas das melhores e mais intensas sequências de combate da temporada (até agora), só a torna no grande chamariz.

Arrow 7x05

Mas aonde Ollie e Talia triunfam, o resto descamba. Arrow sempre teve um severo problema de saber que nova vida dar ao seu elenco secundário quando já não possuem nada de novo para oferecer ou storylines de relevo para as reinventar por completo. E vimos esse defeitos em seu plenos nas outras duas frentes. Uma delas é o trio Felicity-Laurel-Dinah. Por um lado, termos três mulheres badass da série unidas podia dar azo para alguma coisa de curiosa de se ver. Infelizmente, viu-se praticamente a mesma coisa de sempre da série: Dinah e Laurel (que, sejamos francos, está a emular a falecida sósia da Terra-1, o que não abona a favor da atriz) a trocarem comentários venenosos uma contra a outra e Felicity a agir como uma desesperada. Algo que contradiz por completo o que vimos até agora, mas Arrow tem sido assim desde a sua conceção, por isso, acaba por nem surpreender muito.

Mas o elo mais fraco do episódio – e da temporada, em geral! – foi Curtis. Num mundo pós-Team Arrow, o vigilante anteriormente conhecido como Mr. Terrific é o único que não possui nada de interessante para adicionar à série. Sim, com ele no foco e centro – e também fora da sua zona de conforto – colocam o personagem numa posição diferente. No entanto, é de mau gosto os seus traumas e medos terem sido “resolvidos” facilmente, quase como que se fossem despachados. Não me lembro de ter ocorrido tal coisa com personagens como René ou Dinah. Portanto, ou coloca-se o personagem a fazer alguma coisa de maior impacto ou simplesmente encontram uma maneira de o tirar da série. Legends of Tomorrow, talvez? Fez maravilhas com Wally West (um personagem mal-aproveitado na série-mãe), porque não com Curtis? Fica a dica.

Ainda que o segmento da prisão continue a demonstrar o seu apelo, é o elenco secundário mal-aproveitado ou a mais de Arrow que colocam o episódio a perder.

Não se esqueçam de conferir o nosso Frame By Frame anterior de Arrow aqui.

0 57 100 1
57%
Average Rating

Novamente, é o segmento da prisão que redime Arrow; pena que o elenco secundário não esteja verdadeiramente à altura.

  • 57%

Comments