Cinema Críticas

Crítica: The Silence Of The Lambs (1991)

”Vai-me contar quando esses cordeiros pararem de berrar, não vai?”

The Silence Of The Lambs é um filme que saiu em Fevereiro de 1991, mas que se mantém hoje tão assustador quanto era na primeira vez em que viu a luz do dia. Não é aquele filme que é assustador por ter casas assombradas ou histórias de mortes sinistras, mas é aquele filme que arrepia cada centímetro da pele do observador, simplesmente porque entra na cabeça de quem vê – e até ao final não sai de lá.

É um tipo de terror que tem muito que se lhe diga. É diferente dos outros mais comuns, mas com toda a certeza que não é menos impactante. Aliás, o filme saiu há 27 anos e continua a ter uma força avassaladora, isso diz logo tudo o que há a ser dito. Quando um filme permanece na memória do povo durante muito tempo, normalmente é porque é muito mau ou muito bom, e The Silence of The Lambs insere-se na última categoria.

Adaptado de um livro homónimo da autoria de Thomas Harris, The Silence of The Lambs conta a história de Clarice Starling (Jodie Foster), agente do FBI, que para apanhar um serial killer louco apoia-se na ajuda de Hannibal Lecter (Anthony Hopkins), um psiquiatra brilhante que é um cannibal killer muito perigoso.

O filme é universalmente adorado desde que saiu, sempre teve boas críticas, e conseguiu um feito que apenas 2 filmes tinham conseguido antes: arrecadou os 5 Grandes Óscares naquele ano (Melhor Argumento Adaptado, Melhor Filme, Melhor Director, Melhor Actor e Melhor Actriz).

Há vários aspectos que dão brilho a The Silence Of The Lambs. Primeiro, os seus actores (sobretudo os protagonistas), que neste filme estiveram ambos no seu melhor. Jodie Foster queria imenso este papel, mas o director do filme, Jonathan Demme, estava céptico quanto a essa ideia. Mas a actriz acabou por conseguir ficar com o papel e fez um trabalho notável na pele da corajosa agente. E claro, quem melhor para interpretar Lecter do que Anthony Hopkins? A sua capacidade de improviso conferiu à personagem um toque muito especial, que a torna ainda mais creepy do que era para ser originalmente. Um bom exemplo disso é o famoso sibilo que emite na cena em que descreve a Starling a forma como matou uma das suas vítimas. E esta não foi a única parte que Hopkins improvisou: no filme, Lecter goza com o sotaque de Clarice Starling. Isso não estava no guião. Jodie Foster sentiu-se pessoalmente ofendida com isso e por isso a reacção horrorizada que vemos da parte dela no filme é genuína. Mais tarde, ela agradeceu a Anthony Hopkins por ter conseguido arrancar-lhe uma reacção tão verdadeira.

Hannibal Lecter é uma personagem tão bem interpretada que fez história. Sou sincera quando digo que, até hoje, não conheci um vilão que me aterrorizasse tanto. Uma coisa é uma personagem conseguir plantar o medo através de actos de maldade, e outra é conseguir fazer com que nos encolhamos todos só com um olhar. Sem um gesto, sem uma palavra, apenas um olhar fixo e vazio, através do qual conseguimos ver o reflexo de uma personalidade complicada e manipuladora. É uma personagem que sabemos que está tão longe de nós, num ecrã apenas, mas ao mesmo tempo está tão perto dos nossos olhos que sentimos que ele nos consegue ver. E aí se vê o quanto Anthony Hopkins é bom actor.

Além dos actores temos a história. É uma história coerente, interessante, que apesar de algumas cenas serem particularmente dificeis de assistir, envolve-nos até ao final. E isso é tão importante num thriller… Não é só violência e sangue, é toda uma história construída sobre uma linha contínua e aliciante, que nos leva a querer continuar a ver até ao final.

The Silence of The Lambs saiu a 14 de Fevereiro de 1991. Não considero que seja o filme mais apropriado para ver no Dia dos Namorados, mas é uma boa maneira de passar a noite de Halloween, portanto fica aqui a sugestão. Posso assegurar-vos que não se irão arrepender.

Título: O Silêncio dos Inocentes

Título Original: The Silence Of The Lambs

Realizado por: Jonathan Demme

Elenco: Jodie Foster, Anthony Hopkins, Scott Glenn, Ted Levine, Anthony Heald

Duração: 118 minutos

Trailer | The Silence Of The Lambs

Comments