Frame by Frame Marvel's Daredevil TV

Daredevil – 3×02 – Please

CONTÉM SPOILERS!!!

Para todos os efeitos e circunstâncias, o episódio de estreia da terceira temporada de Daredevil serviu não só como uma espécie de retomar das rotas pessoais que os nossos personagens tomaram, mas também como se se tratasse de uma “calma antes da tempestade”. Uma ideia de torna a aparecer neste Please. Ou seja, mais um episódio calmo, em comparação do que se viu no passado.

A crise de fé de Matt (Charlie Cox) sofreu uma nova revés agora que cada vez mais se dá conta que a sua carreira como Daredevil já não será a mesma de antes; o acordo entre Fisk (Vincent D’Onofrio) começa a surtir os seus efeitos, com resultados desastrosos.

Daredevil 3x02

Não seria a primeira vez que uma série da Netflix metesse os vários protagonistas numa crise psicológica, se bem que tal só aconteceria a meio da temporada, quando todas as suas convicções ficam em causa quando as habilidades que os definiram ficam comprometidos. Pode ser um bocado estranho Daredevil estar a tomar esta abordagem logo de início, mas condiz perfeitamente com o estado atual de Matt, que continua a manter a sua falta de fé num Deus que não lhe liga. E essa mesma crise ganha mais força devido aos seus ferimentos do corpo, que o impedem de movimentar com a mesma intensidade ou graciosidade de antes. É um conflito que Cox consegue demonstrar debaixo do manto aparente de sarcasmo e pessimismo; uma posição que ganha ainda mais força quando temos direito a uma sequência de flashbacks que contam com um jovem Matt ainda mais raivoso que o habitual, com a mesma crise de fé e em busca de um propósito num mundo cada vez mais negro.

Mas claro que isto não seria Daredevil se não contasse com algumas cenas de ação (mesmo que fossem esporádicas), e Matt protagoniza uma delas neste episódio. Ainda que não tenha os mesmos movimentos graciosos de antes, vemos aqui a troca para uma postura mais brutal, mas não menos bem executada.

Daredevil 3x02

São as cenas de Wilson Fisk que nos suscitam as maiores dúvidas. Já sabemos, por experiência anterior, que não é fácil entrarmos na cabeça do vilão, uma vez que sabemos que, por detrás de cada atitude sua, existe sempre uma segunda intenção, ainda que nos diga as suas razões. É impossível não desconfiarmos de que Fisk esteja a tramar alguma coisa; no entanto, não deixamos sentir simpatia por um criminoso que ainda faz o que faz em nome do amor.

E é ele que também protagoniza algumas sequências de ação do episódio. O acordo entre ele e o FBI entrou em funcionamento e já começou a surtir os seus efeitos, tanto positivos, como também negativos, com Fisk a ser um alvo de maior risco por parte da rede criminosa de Hell’s Kitchen. Numa parte, vemos Vincent D’Onofrio a mostrar a criatura que Fisk consegue ser quando tem a sua vida em risco; num momento mais tarde, vemos Fisk como um animal assustado quando vemos um ataque em peso por parte de criminosos. Valendo o que vale, este episódio serviu de apresentação para o agente Ben “Dex” Poindexter (Wilson Bethel) e, apesar de nada sabermos sobre ele, já deixou que este não é um típico agente que possamos subestimar.

Matt Murdock e Wilson Fisk foram as verdadeiras âncoras do episódio. No entanto, este segundo episódio sofre por ser o 2º de 13 episódios. E vemos isso quando encontramos enredos paralelos. Ainda que seja bom vermos Karen (Deborah Ann Woll) e Foggy (Elden Henson) a lidarem com a “morte” de Matt, este episódio colocou-os em enredos desinteressantes (seja Karen a entrevistar uma socialite salva por Matt no episódio anterior ou conhecermos a família de Foggy). No entanto, e contando com a conclusão explosiva do episódio, parece que, a partir daqui, as coisas só poderão melhorar.

Podem ler o nosso Frame By Frame anterior aqui.

0 82 100 1
82%
Average Rating

Apesar de este episódio de Daredevil sofrer com um ritmo lento e linhas de enredo desinteressantes, as novas posições de Matt Murdock e Wilson Fisk acabam por fisgar o nosso interesse.

  • 82%

Comments