Cinema Críticas

Crítica: Shrek 2 (2004)

Título original: Shrek 2

Título: Shrek 2

Realizado por: Andrew Adamson e Kelly Asbury

Elenco: Mike Myers, Eddie Murphy, Cameron Diaz, Antonio Banderas, Julie Andrews, John Cleese, Jennifer Saunders

Duração: 93 min.

Depois de terminar a sua lua de mel, Shrek (voz de Mike Myers), casado com a Princesa Fiona (voz de Cameron Diaz), irá, finalmente, encontrar-se com os seus sogros. Os monarcas, expectantes antes do encontro com Fiona e o novo príncipe, descobrirão, maravilhados, o aspecto esverdeado de Shrek e a mudança física da sua filha.

Os criadores de Shrek 2 tentaram, neste filme, manter as mesmas diretrizes de sucesso do primeiro filme, baseando-se nas personagens de histórias clássicas e na perspectiva da Disney sobre elas, de modo a colocá-los de uma forma imaginativa dentro de uma história irreverente e satírica.

Shrek 2 não se repete, mas repousa sobre alicerces solidamente construídos no primeiro filme, continuando a trazê-lo à vida. Agora, vem a lua de mel e a oportunidade de conhecer os pais da princesa. Previsivelmente, o choque entre os modos da realeza e do ogre é uma festa temperada por faíscas contínuas de imaginação: a incorporação do Gato das Botas (com um jogo hilariante de linguagem e sotaques de Antonio Banderas), o narcisista príncipe e uma fada madrinha pouco benéfica, a galeria de canções que sempre incluem sons da altura (Tom Waits, Nick Cave, o refinamento de Eels ou o caos com Living la Vida Loca). A alegria continua, para quem viu e quem não viu o primeiro.

Os talentos vocais mais reconhecidos do primeiro filme estão de volta. Mike Myers, novamente usando o seu sotaque, retorna como o ogre verde alegre, que, como resultado de uma poção mágica, é-lhe apresentada a oportunidade de adotar temporariamente uma aparência mais agradável. Cameron Diaz dá voz a Fiona, partes iguais de doçura e aço. E Eddie Murphy é, mais uma vez, o burro mais chato do mundo, sendo que a sua habilidade de cantar não melhorou. Desta vez, ele não é o único animal tagarela. Antonio Banderas dá voz ao Gato das Botas. Jennifer Saunders faz de uma fada madrinha perfeitamente desagradável. E a dupla de John Cleese e Julie Andrews adiciona um toque de classe à produção. Outros rostos familiares do primeiro filme têm aparições breves: Pinóquio, os três ratos cegos, o espelho na parede, o não-tão-assim-grande lobo mau e o homem bolacha. Além disso, outros contos de fadas juntam-se à festa.

Com sua atraente mistura de comédia, romance e aventura animada, Shrek 2 mantém originalidade suficiente para não parecer uma cópia direta. Os fãs do primeiro filme ficarão satisfeitos. E embora Shrek 2 não seja tão arejado como Shrek, é um esforço respeitável e um exemplo sólido de entretenimento familiar. A divertida animação atende às expectativas, o que é mais do que pode ser dito para qualquer uma das suas atuais competições.

Há muito para o que olhar, mas há ainda mais a sentir, com personagens tão ternas e encantadoras que nos vemos a torcer por um final feliz e sempre mais animado – e que se anima ainda mais com um terceiro filme.

Leiam também a crítica de Shrek aqui.

Trailer | Shrek 2

Comments