Cinema Críticas

Crítica: Hot Summer Nights (2018)

Título Original: Hot Summer Nights

Título: Hot Summer Nights

Realizado por: Elijah Bynum

Elenco: Timothée ChalametAlex RoeMaika MonroeThomas JaneMaia Mitchell

Duração: 107 mins.

A primeira longa-metragem de Elijah Bynum explora o drama de um rapaz que passa do turista tímido a dealer local enquanto os amores de Verão fazem a sua magia. Um filme com características muito específicas (e que o diferenciam dos demais), mas que, ainda assim, acaba por ser atropelado com o desenvolvimento do enredo.

Em Hot Summer Nights, rebobinamos a cassete e voltamos ao início dos anos 90. Daniel (interpretado pela mais recente estrela de Hollywood, Timothée Chalamet), é enviado pela mãe a passar as suas férias de Verão em Cape Cod com um familiar qualquer.

O primeiro grande problema do filme está relacionado com o enorme ritmo a que somos introduzidos à história e como rapidamente tudo muda. A verdade é que nos é apresentado um Daniel tímido, bastante acanhado, mas rapidamente isso muda, quando o furacão que é Hunter Strawberry (Alex Roe) entra na sua vida. Hunter é o bad-boy local. Aquele tipo que tem um carisma peculiar e por quem até desenvolvemos uma estranha admiração. A verdade é que esta admiração desenvolveu-se em Daniel e, subitamente, vemos o miúdo acanhado a tornar-se num dealer local.

Simultaneamente, Daniel, conhece de uma forma bem retro (num cinema ao ar livre), o seu amor de Verão, McKayla (Maika Monroe). McKayla é a loucura de qualquer adolescente local, e se Daniel começa por ser um introvertido, pois bem, esta miúda é claramente o oposto. A verdade é que Daniel foi mais um miúdo a ficar encantado e, em Hot Summer Nights, é, também, explorada a história daquele amor que sempre julgamos impossível de acontecer.

Quem estiver à espera de um coming of age tradicional, provavelmente, sairá desiludido, quem decidir ver este filme sem qualquer expetativa sairá, no mínimo satisfeito. É certamente uma obra que irá divergir a sua audiência. Foge ao tradicional mas também não se consegue glorificar.

A verdade é que os atores estiveram todos ao nível das suas personagens e foram tudo aquilo que era preciso que eles fossem. Ainda assim, em termos de realização, verificam-se falhas na consistência destas mesmas personagens, ou melhor, seria preciso mais tempo para se aceitar certas transformações. Qualquer espetador esquecerá, facilmente, o impacto inicial que Daniel criou, pois, aqueles primeiros dez minutos, não se traduziram, de todo, na personagem que nos invadiu a grande tela.

Hot Summer Nights irá entreter o público que queira descontrair numa noite de Verão com um filme que não seja muito complicado e que os relembre um pouco da promessa que eram os amores daquela estação. Quem estiver à espera de algo mais desafiante, por outro lado, irá sair desiludido.

Trailer | Hot Summer Nigthts

Comments