Cinema Críticas

Crítica: Monsters, Inc. (2001)

Título original: Monsters, Inc.

Título: Monstros e Companhia

Realizado por: Pete Docter e David Silverman

Elenco: John Goodman, Billy Crystal, Steve Buscemi, Mary Gibbs

Duração: 92 min.

Crianças e monstros em filmes têm muito em comum. Chamam a atenção. Destacam-se na multidão. Não fazem conversa fiada com os adultos. Pisam em coisas e partem. Tudo o que dá errado, e é engraçado ao mesmo tempo, é atribuído a eles. Agora acontece que eles compartilham outra coisa.

Não só as crianças têm medo de monstros, mas, de acordo com Monstros, Inc., os monstros têm medo de crianças.

Os monstros em Monsters, Inc. têm mais medo de crianças do que crianças de monstros. Os monstros precisam de colher gritos de crianças para abastecer o seu mundo. No entanto, as crianças estão a ficar tão difíceis de assustar que o mundo dos monstros começa a sofrer de apagões. O mais espantoso John Sullivan (voz de John Goodman), o seu amigo e colega Mike Wazowski (voz de Billy Cristal) e o seu rival Randall (voz de Steve Buscemi) trabalham ao máximo para quebrarem o recorde de gritos. Mas quando, inadvertidamente, deixam uma criança humana, Boo (voz de Mary Gibbs), entrar no mundo dos monstros, estes descobrem o que realmente assuta.

Monstros, Inc. é um dos mais adoráveis ​​de todos os filmes Pixar, e talvez esta seja a melhor maneira de descrevê-lo. Além de ter uma personagem principal gigante e fofinha, tem a história mais amável com as suas travessuras infantis e lições sinceras. A imaginação é um elemento ilimitado quando se trata da mente humana, e as pessoas da Pixar sabem como aproveitá-la.

Monsters, Inc. é alegre, divertido e com uma grande energia. E como os outros filmes da Pixar, tem uma série de piadas e referências voltadas para adultos. Também gostei do jeito manhoso que o mundo dos monstros se parece com o nosso, até nos slogans de vendas. “Assustamos”, dizem-nos, “porque nos importamos”.

Mas a magia do filme não é sobre tecnologia, não importa o quanto a tecnologia seja moderna. É sobre história, estilo, o próprio ar em que uma criatura peluda, azul e verde respira. O filme arfa de tanta vibração e fica-se um pouquinho no meio – mas a única coisa a temer é o próprio medo. Então, no final, ele eleva-se para uma perseguição vertiginosa durante a qual Sullivan, Mike e Boo opõem-se a Randall, enfrentando centenas, milhares, e talvez milhões de portas de armários de quartos.

Este filme é absolutamente delicioso e deve ser colocado no dicionário para ilustrar a palavra “adorável”. Um filme cheio de charme e poesia, com uma aventura original e personagens super encantadoras, Monsters, Inc. é uma grande pepita de chocolate do cinema de animação.

Já agora, podem ler a crítica do segundo filme, Monsters University, aqui.

Trailer | Monsters Inc.

Comments