Cinema Críticas

Crítica: Pocahontas (1995)

Título original: Pocahontas

Título: Pocahontas

Realizado por: Mike Gabriel e Eric Goldberg

Elenco: Mel GibsonIrene BedardDavid Ogden StiersLinda HuntChristian Bale

Duração: 81 min.

Seguir os passos de O Rei Leão não é fácil. Então, Pocahontas teve que suportar muito peso. Para todos os efeitos, foi um sucesso, mas curiosamente não está entre os favoritos dos Clássicos. E isso não deve ser negligenciado porque o que ele oferece é digno de apreciação.

A animação Pocahontas, da Disney, centra-se na filha do chefe de Algonquin, Powhatan (voz de Russell Means), que não está feliz com o seu casamento arranjado com Kocoum (voz de James Apaumut Fall).

Entretanto, colonos britânicos chegam à sua terra, e Pocahontas (voz de Irene Bedard, cantado por Judy Kuhn) apaixona-se por John Smith (voz de Mel Gibson). Enquanto isso, o ganancioso governador Ratcliffe (voz de David Ogden Stiers) está convencido de que os nativos americanos têm acesso a ouro e está determinado em colocar as mãos no tesouro. Enquanto isso, Pocahontas e John Smith encontram-se em segredo e, quando descobertos, criam uma perigosa tensão entre os europeus e os nativos. A única esperança de evitar a guerra é de Smith e Pocahontas.

Pocahontas é a mais bonita das animações modernas da Disney, e uma das mais ponderadas: trata-se de questões reais, mesmo tratando-as com um idealismo ingénuo. Na sua opinião, os nativos americanos viviam em pacífica harmonia com a natureza até que chegaram colonizadores europeus, trazendo armas e destruição. Os europeus, com suas noções de civilização, não perceberam o quanto eles tinham que aprender com os índios.

Somos confrontados com uma história original, baseada em eventos reais, o que a torna diferente de toda a fábrica da Disney. Não é o filme típico para crianças que é estrelado por princesas de contos de fadas e belos príncipes, entre os quais o amor triunfa. É o oposto, já que em Pocahontas a personagem principal é interpretada por uma indiana aventureira que não pode ficar com seu amado John Smith.

O filme desperta interesse quando os dois protagonistas se encontram. A narração no filme, acompanhada pela música e pelas paisagens extremamente bonitas, faz o espectador entrar na pele das duas personagens principais. As frases dos diálogos estão cheias de mensagens que nos dizem que não devemos rejeitar aqueles que não são da mesma raça, e também, através deles, os sentimentos de ambos os protagonistas são mostrados.

Concentrando-me nas músicas, direi que a única realmente notável é Colors of the Wind, uma música que (a propósito) requer uma cantora com uma habilidade impressionante para interpretá-la.

Pocahontas é uma história bem contada, a trilha sonora impressionantemente boa, animação fantástica e, no final, uma mensagem que todos entendemos. Muito maduro, adequado para adultos e muito divertido para as crianças. E cores do vento nós descobrimos.

Trailer | Pocahontas

Comments