Mini-Reviews TV TV UnREAL

UnREAL – Series Finale – 4ª Temporada

UnREAL

PODE CONTER SPOILERS!

Surpreendentemente e sem ninguém estar à espera, a quarta temporada de UnREAL chegou e desta vez, sem espera semanal. Todos os oito episódios que constituem a temporada foram lançados, assim como a notícia que esta seria a última fornada de capítulos da série. Ainda que seja um fã convicto, acho que estava na altura de chegar ao fim e dar o final digno que merece.

Neste novo ano, somos apanhados de surpresa com uma nova Rachel (Shiri Appleby). Esta, agora loira, parece uma mulher mais confiante, atraente e que tem como objetivo fazer da nova temporada de Everlasting a melhor até então. Desta vez, denominada “All Stars“, a produtora, juntamente com o seu novo parceiro Tommy (François Arnaud) juntam algumas das maiores estrelas das temporadas anteriores, homens e mulheres, para que saia dali o casal perfeito, que levará 1 milhão de dólares na mão.

A fasquia está elevada e a competição por um prémio destes não poderia ser maior. O pior é que Rachel chega agora com o seu pior lado, sem qualquer limite e escrúpulo e apoiada por outro produtor que quer ver sangue, podem imaginar episódios onde a tensão e o drama estão em alta. Querem saber da colega Quinn (Constance Zimmer)? Esta está distante do programa, apoiando-se em Chet (Craig Bierko) e no bebé que aí vem, supostamente dos dois (vejam por favor!), deixando um bocadinho as rédeas de tudo às mãos da amiga, o que se pode revelar perigoso.

O MELHOR

As interpretações de Appleby e Zimmer continuam a ser do melhor que esta série tem. A química que as duas têm no ecrã consegue arrepiar e fazem de duas personagens completamente intragáveis e que não queríamos ter na nossa vida, alguém por quem torcemos e queremos que fique bem no meio de tudo.

Ainda que já estejamos habituados a que aconteça em todas as temporadas, continua a ser delicioso de se ver a guerra que volta e meia acontece entre Quinn e Rachel. A primeira continua destemida e sem medos, sabendo perfeitamente aquilo que faz, mas vemo-la mais ponderada agora, contrapondo com a outra protagonista, que está pior que nunca. Ela quer ter os todos homens a fim de encontrar o amor e no fundo, ela é a verdadeira “estrela” do programa que conduz.

O tema que esta temporada nos trouxe em foco foi o da violação. Roger (Tom Brittney) violou Maya (Natasha Wilson) na primeira temporada, aproveitando-se do facto desta estar extremamente bêbada e não fazer nada para impedir e, agora, Rachel decidiu trazer os dois ao programa, de maneira a desmascarar o rapaz e fazer justiça em direto, pois também ela já passou por isso. No entanto, a forma como o faz, torna tudo ainda pior, descendo a um nível que nem eu achei que fosse capaz. Preparem-se pessoal!

Candy Coco (Natalie Hall) foi das melhores personagens que a série já introduziu e não podia deixar de destacá-la. É divertida, ousada e diz realmente aquilo que tem de dizer quando tem de o fazer. Também me agradaram os regressos de August (Adam Demos) e Alex (Alex Sparrow) da temporada passada, ambos com grande destaque e que acabam por ter direito ao seu tempo de antena. Jay (Jeffrey Bowyer-Chapman) também acaba por ter um bom desenvolvimento, terminando de uma forma interessante e assustadora.

Os textos continuam a ser deliciosos e ardilosos, a fotografia e realização têm o seu cunho pessoal e são bastante competentes e é impossível não ficar viciado nesta loucura e nestas pessoas que existem mesmo, nos mais diversos programas e reality-shows, principalmente na América, onde esta indústria é bajulada e gera milhões.

p.s: o final é aquilo que se calhar estariamos à espera, com algumas surpresas mas prefiro não revelar aqui nada.

O PIOR

Toda a narrativa que envolve a violação poderia ter sido melhor trabalhada, parecendo um bocado inconsequente na maioria do tempo, apenas pela drama e intensidade que queriam oferecer, acabando por se redimir no episódio final.

Ainda que seja lamentável o fim de UnREAL, estava na altura certa. A série nunca poderia fugir muito daquilo que temos vindo a acompanhar e acabaria por saturar. O saldo geral é muito positivo e ficará sempre na lista das séries mais divertidas e viciantes que já assisti na minha vida.

ESTADO DA SÉRIE: CANCELADA

Leiam a Mini-Review da temporada anterior, aqui.

0 87 100 1
87%
Average Rating

Ainda que seja lamentável o fim de UnREAL, estava na altura certa. A série nunca poderia fugir muito daquilo que temos vindo a acompanhar e acabaria por saturar. O saldo geral é muito positivo e ficará sempre na lista das séries mais divertidas e viciantes que já assisti na minha vida. 

  • 87%

Comments