Cinema Críticas

Crítica: The Lobster (2015)

Título Original: The Lobster

Título: A Lagosta

Realizado por: Yorgos Lanthimos

Elenco: Collin Farrell, Rachel Weisz, Jessica Barden e Ben Whishaw

Duração: 119 mins.

Em 2015, Yorgos Lanthimos continuou o seu incrível e peculiar percurso trazendo-nos The Lobster, também ele, incrivelmente peculiar. Trata-se de uma sátira social relativa a um futuro distópico no qual, todas as pessoas solteiras deverão, de acordo com as regras d’A Cidade, encontrar um parceiro romântico n’O Hotel, num prazo de 45 dias ou, consequentemente, deverão ser transformadas num animal.

Collin Farrell é o protagonista desta obra, encarnando a pele de David, um arquiteto rechonchudo recentemente deixado pela sua mulher e, assim, obrigado a ser hospedado n’O Hotel. A sociedade de David valoriza o casal e repugna os solteiros. N’O Hotel, David deverá de encontrar uma parceira, com quem deve de compartilhar uma “característica definidora”, ou será transformado num animal.

É uma premissa absurda mas, o absurdo, é a principal ferramenta de trabalho de Lanthimos. Com esta bizarra temática, Lanthimos, constrói uma tela que, por mais estranha que possa parecer, consegue também se aproximar bastante do nosso mundo. É caso para dizer que, é uma linha muito ténue aquela que separa o normal do anormal. A verdade é que, talvez, sejam estes ensaios (extremos) que nos levam a perceber que, na verdade, o mais bizarro são as morais que consideramos como normais, e que nos foram impostas desde sempre e sem sabermos muito bem por quem.

Para além do enredo diferente, também, o comportamento das personagens se revela fora do comum. Os diálogos monotónicos preenchem a tela e nos deixam a mercê da interpretação alheia. Num mundo onde é imposto se encontrar um par, parece faltar um par de emoções a cada personagem. O amor é (obrigatoriamente) procurado mas falta amor em cada palavra dos casais, quando as conversas são, somente, sobre o peso de uma habitual bola de ténis.

Mas neste mundo imaginado, tudo é minuciosamente trabalhado e, até a banda sonora parece se ajustar perfeitamente a cada momento do filme ajudando na construção do ambiente e, emoção que, muitas vezes, falta a cada uma das personagens.

The Lobster é um ensaio essencial e que deve de fazer parte dos planos de qualquer cinéfilo. Muitos irão odiar a pacatez de cada palavra sussurrada pelas personagens mas, outros irão vislumbrar um mundo ridículo mas assustadoramente similar ao nosso.

Trailer | The Lobster

Comments