Dos Quadradinhos à Grande Tela Rubricas

The Road to Avengers: Infinity War – Phase 2

The Road to Avengers: Infinity War - Phase 2

Já só falta uma semana – UMA!!! – para Avengers: Infinity War ter a sua estreia mundial (e já se espera que cause danos explosivos na bilheteira – num bom sentido). E como o prometido é devido, esta é a segunda parte do nosso especial, The Road to Avengers: Infinity War, desta vez focado nos filmes da Fase Dois no Universo Cinematográfico da Marvel (cliquem aqui para recordem a nossa primeira entrada). Vamos a mais uma travessia?

Iron Man 3

Nome: Homem de Ferro 3
Título Original: Iron Man 3
Realizador
Shane Black
Elenco: Robert Downey Jr.Gwyneth PaltrowDon CheadleGuy PearceRebecca HallBen Kingsley
Duração:
 130 minutos

Com certeza alguém da produção deve ter pensado “Já que Iron Man liderou a Fase 1, porque não termos o herói de volta para a Fase 2?”. Muito provavelmente deve ter sido isso, já que Iron Man 3 foi o primeiro filme desta nova fase do projeto de longa duração. Mas certamente teve-se direito a algumas diferenças. Shane Black – que trabalhou como guionista dos filmes de Lethal Weapon – senta-se na cadeira de realizador, além de juntar-se a Drew Pearce como guionista. Grande parte do elenco, como Downey Jr., Paltrow, Cheadle, Jon Favreau e Paul Bettany regressam aos respetivos papéis, além de dar as boas vindas a atores de renome como Rebecca Hall, Guy Pearce ou Ben Kingsley. Além do mais, os fãs mais atentos quando se soube que o filme iria tomar inspirações na célebre storyline Extremis. Com uma equipa de peso como esta, Iron Man 3 tinha tudo para ser bem sucedido. 

No entanto, o filme continua a ser “desprezado” pelos fãs. Porque terá sido?

Existiram bastantes fatores para considerar. A começar com Tony Stark, que enveredou por um trajeto diferente do habitual, tornando-se num homem afligido por casos de stress pós-traumático devido aos eventos de The AvengersApesar do balanço entre ação e humor – uma marca d’água de Black, para quem acompanha as suas obras – o enredo mostra algumas fragilidades que se tornam impossíveis de acompanhar. Isto vai de encontro a um certo twist a meio da história que ainda hoje divide a comunidade entre o “genial” e o “desnecessário”. Sem mencionar o facto de ser um péssimo tratamento do material de origem, de longe superior à “adaptação livre”.

No entanto, não existem indícios nenhuns que nos levem a dizer que este filme possa trazer alguma ramificação duradoura para a UCM. Em suma, Iron Man 3 apresenta-se mais como um filme standalone do que uma peça do panorama geral que nos deixa dicas para o que aí vem. Mas acreditem que este final da trilogia acabou por ser melhor do que a entrada a seguir…

Thor: The Dark World

Nome: Thor: O Mundo das Trevas
Título Original: Thor: The Dark World
Realizador: Alan Taylor
Elenco
Chris HemsworthNatalie PortmanTom HiddlestonAnthony HopkinsChristopher Eccleston
Duração:
 142 minutos

Para quem acompanha piamente Game of Thrones, certamente irão reconhecer o nome Alan Taylor, com episódios como Baelor ou Valar Morghulis ou Beyond the Wall a serem alguns dos melhores da série. Portanto, os fãs estavam à espera de um filme que tivesse alguma inspiração na série. Infelizmente, tal não se registou.

Isto pode e deve ser dito: Thor: The Dark World tem momentos de verdadeira beleza, tornando-se num dos primeiros filmes da Fase 2 que nos fazem deixar o queixo caído. Infelizmente, nem mesmo uma estética que se esmera para impressionar podem salvar o filme. Comecemos pelo vilão do serviço: Malekith, interpretado por Eccleston. Termos o primeiro Doctor Who moderno a interpretar um dos melhores vilões de Thor no universo das bandas desenhadas? Sim, fãs tinham grandes esperanças para o filme. Esperanças essas que foram logo desdenhadas assim que o filme saiu. Demasiada informação transmitida por várias fontes; momentos que, supostamente, deveria estar repletas de humor mas apenas destroem o ritmo do filme; efeitos especiais que deixaram bastante a desejar; um vilão pobremente desenvolvido. São vários os elementos que prejudicam o filme até ao ponto sem retorno. Nem mesmo a dinâmica interessante entre Thor e Loki conseguiu salvar esta segunda tentativa de termos uma boa Fase 2. Mas também teríamos uma redenção no ano seguinte…

Captain America: The Winter Soldier

Nome: Capitão América: O Soldado do Inverno
Título Original: Captain America: The Winter Soldier
Realizadores: Anthony RussoJoe Russo
Elenco: Chris EvansSamuel L. JacksonScarlett JohanssonRobert RedfordSebastian StanAnthony MackieCobie SmuldersFrank Grillo
Duração: 
136 minutos

Verdade seja dita, Captain America: The First Avenger esteve longe de ser uma “obra de arte” quando comparada aos melhores filmes da Fase 1, já que o filme serviu o seu propósito de apresentar a peça ausente para The Avengers. E nem mesmo esse filmes de sucesso fez favores para o personagem. Portanto, o ceticismo estava bem patente quando Captain America: The Winter Soldier foi anunciado, que iria contar com os mesmos guionistas do primeiro filme – e também de Thor: The Dark World – além de ter Anthony Joe Russo – que são melhor conhecidos por trabalharem na série Community  como realizadores. Portanto, e apesar de uma promessa de um filme que fazia lembrar os thrillers de espionagem dos anos 70, não sabíamos o que poderíamos esperar do segundo filme a solo do Capitão América.

E depois eis que os Russo nos calaram por completo. Poderíamos estar à espera de um filme típico de comédia, mas obteve-se um filme mais negro, tenso e misterioso do que o que estávamos à espera. Tivemos uma nova visão do Capitão América numa era em que a linha entre o bem e o mal não é facilmente distinguível. Pudemos ver as novas relações entre Cap e algumas figuras centrais da era moderna. Surpreendentemente, tivemos uma cumplicidade entre Cap e Viúva Negra (Johansson) que poderia seguir a rota de uma relação amorosa que a Marvel tanta vez tentou trazer com pouco sucesso, mas não segue. Também vemos Cap a estabelecer uma amizade sincera com Sam Wilson (Mackie) fora das rédeas dos Vingadores.

Isto é tudo muito bonito, mas o panorama de espionagem esteve presente. E o guião inteligente faz com que nós pensemos numa coisa para nos apresentar algo completamente diferente do que estávamos à espera. Por exemplo: já sabíamos de antemão da identidade do misterioso Soldado do Inverno mesmo antes do filme ter sido lançado (seja por ter-se lido a storyline em que o filme se baseia ou quem toma bastante atenção às notícias de castings). Mas mesmo este twist escondia outro twist à vista de todos e que nos fez passar por tolos. Uma ideia que poucos filmes da Marvel conseguiram atingir. E esse twist viria a redefinir todo o Universo Cinematográfico da Marvel – pelo menos no que se toca aos filmes passados da Terra. De repente, Captain America became great again!

Guardians of the Galaxy

Nome: Os Guardiões da Galáxia
Título Original: Guardians of the Galaxy
Realizador
James Gunn
Elenco: Chris PrattZoe SaldanaDave BautistaVin DieselBradley CooperLee PaceMichael RookerKaren GillanDjimon HounsouJohn C. ReillyGlenn CloseBenicio Del Toro
Duração: 
121 minutos

Nesta Fase 2, a Marvel aventurou-se a explorar a vertente cósmica, algo que tinha sido pouco explorado até à data fora a ameaça em The Avengers. Portanto, eis o risco: contratar um realizador com filmes que foram fracassos de bilheteira mas que ganharam um estatuto de culto, focar-se num grupo de heróis que pouca gente estava a par e uma direção diferente do habitual. Portanto, podem imaginar o nosso ceticismo coletivo quando a Marvel anunciou Guardians of the Galaxy como um dos filmes desta fase. O receio pairava em tudo o que era canto.

Mas o filme teve a sua estreia, e esses receios foram esmorecidos logo de imediato. Bastou um filme para personagens como Star-Lord, Gamorra, Drax, Rocket e Groot deixarem a sua marca na cultura pop. E ainda que o filme sofra do clássico problema do “vilão pobremente desenvolvido” e do foreshadowing obrigatório, a verdade é que o grande chamariz do filme foi conhecermos a equipa de “heróis” cósmicos pela primeira vez e de como estes de reuniram pela primeira vez, apesar das suas claras diferenças, desde a postura semi-séria de Star-Lord, o passado trágico de Gamorra e Drax (se bem que este último é uma boa fonte de humor), a dinâmica entre Rocket e Groot… Tivemos direito a um pouco de tudo neste filme. E funcionou.

Outro fator que separa Guardians of the Galaxy dos restantes filmes é de como a banda sonora integra o filme. Sim, já não é algo de novo que se faça uma banda-sonora específica para um filme, mas raramente possuem alguma função para este. Guardians of the Galaxy possui uma banda sonora repleta de músicas de artistas como David Bowie, Jackson 5, Blue Swede, entre outros. Mas em vez de enfeitarem o filme desnecessariamente, esta Awesome Mix Vol. 1 teve uma peça fulcral na história do filme. Tal foi a popularidade desta coletânea de músicas dos anos 70 e 80, o disco foi considerado um sucesso de vendas! E tal se deve a Guardians of the Galaxy, uma das melhores surpresas – quiçá, A melhor surpresa – da Fase 2 do Universo Cinematográfico da Marvel!

Avengers: Age of Ultron

Nome: Vingadores: A Era da Ultron
Título Original: Avengers: Age of Ultron
Realizador: Joss Whedon
Elenco: Robert Downey Jr.Chris HemsworthMark RuffaloChris EvansScarlett JohanssonJeremy RennerJames SpaderSamuel L. JacksonDon CheadleAaron Taylor-JohnsonElizabeth OlsenPaul BettanyCobie SmuldersAnthony Mackie
Duração:
 141 minutos

Um dos ditados mais populares da 7ª Arte é “em fórmula vencedora, não se toca”. Em termos de sequelas, a tendência é “quanto mais, melhor”. The Avengers foi um daqueles fenómenos a nível mundial que jamais esperávamos que fosse bem sucedido. Mas foi exatamente isso que aconteceu. E esse sucesso foi sendo replicado pelo vários concorrentes (com resultados um tanto ou quanto desastrosos). Portanto, seria apenas inevitável que The Avengers tivesse direito a uma sequela. Portanto, Joss Whedon regressou à cadeira de realizador. Os nossos velhos conhecidos – e algumas caras novas – deram o ar de sua graça. E isto numa apresentação num dos vilões mais consistentes da Marvel: Ultron!

Para quem fez o seu “trabalho de casa”, sabe que Ultron é uma das dores de cabeça mais persistentes para os nossos heróis. Portanto, era uma questão de tempo até o personagem ter a sua estreia neste Universo Cinematográfico. E para esse fim, contrataram James Spader – na altura, com a popularidade em alta graças à série The Blacklist – como o homónimo vilão. Além disso, o filme também teve o arrojo de trazer Scarlet Witch e Quicksilver, personagens maioritariamente ligadas ao universo X-Men (aliás, Quicksilver já tinha aparecido no filme X-Men: Days of Future Past, interpretado por Evan Peters).

Mesmo com um vilão desta magnitude, personagens inéditas ou momentos marcantes, a verdade é que Avengers: Age of Ultron tentou fazer replicar o sucesso do antecessor. Mas eis o problema das sequelas: apesar de quererem recapturar a magia do antecessor, isso raramente é bem sucedido. Infelizmente, Age of Ultron é vítima dessa mesma ambição, o que acaba por surtir o resultado indesejado: de o filme ser praticamente o mesmo que o anterior, fora algumas mudanças.

Ant-Man

Nome: Homem-Formiga
Título Original: Ant-Man
Realização: 
Peyton Reed
Elenco: Paul RuddMichael DouglasEvangeline LillyCorey StollBobby CannavaleJudy GreerAbby Ryder FortsonMichael PeñaDavid DastmalchianT.I.Wood Harris
Duração: 
117 minutos

Julgavam mesmo que Avengers: Age of Ultron seria o encerrar desta Fase 2 do Universo Cinematográfico da Marvel? Bem, já podem deixar de pensar duas vezes. Oficialmente, Ant-Man, mais uma história de origem de mais um herói da Marvel, é o encerrar desta Fase 2. E é caso para dizer que o projeto teve uma rota muito atribulada: inicialmente, o realizador Edgar Wright – responsável pela Three Flavours Cornetto Trilogy, que engloba Shaun of the DeadHot Fuzz The World’s End – esteve inicialmente a cargo do guião e da realização que nos apresentaria oficialmente Scott Lang (Rudd) num filme que, além de uma história de origem, seria também um heist movie. No entanto, e por diferenças criativas, Wright foi substituído por Peyton Reed – que realizou o filme Yes Man – na realização.

Mesmo após este shake-up, o filme nem foi tão mau quanto se esperava, com o tom humorístico a assentar que nem uma luva no mundo louco de Ant-Man. Os efeitos visuais do filme estão parecidos com o leak que nos tinha sido apresentado no tempo em que Edgar Wright ainda estava associado ao projeto. Já para não falarmos de um elenco secundário que adiciona um certo charme ao filme (admitam lá, todos quereríamos um recap de todos os filmes até agora lançados feito pelo estilo único do Luis (Peña)).

No entanto, é mais que certo e sabido que o filme possui algumas falhas. Tal se deve (novamente) a um vilão mal desenvolvido, outro vilão que parece um verdadeiro estereótipo, ou mesmo pela previsibilidade do guião, que possui várias semelhanças com os outros filmes de origem. Se Ant-Man fosse um filme que tivesse sido lançado no meio da Fase 2, até nem seria tão mau quanto isso. Mas como um encerrar da Fase? Deixou um pouco a desejar.

 

E assim, chegamos ao fim de mais um The Road to Avengers: Infinity War. Para a semana, contém com o nosso parecer dos filmes lançados da Fase 3, além do que podemos esperar dos filmes que serão lançados após Avengers: Infinity War. Por isso, stay tuned. E bons filmes!

Comments