Comunicados de Imprensa Eventos

Competição Internacional IndieLisboa: um ano de novos olhares para descobrir ou reencontrar

IndieLisboa

Está fechada a programação para a Competição Internacional da décima quinta edição do IndieLisboa. Esta é uma das mais importantes secções competitivas do evento, propondo uma selecção de curtas e longas metragens de produção recente. Esta competição será uma montra para alguns dos mais interessantes novos olhares do cinema mundial. Histórias de ausência, reencontros ou perdas familiares, pontes para a actualidade, novas visões sobre as cidades ou a infância são alguns dos assuntos que irão estar nas telas das principais salas de Lisboa.

A estreia de Alessia Chiesa na longa metragem tem sido um sucesso, sendo descrita como a sua obra prima. El día que resistía é um encantador e lúdico olhar sobre a intimidade de três crianças, que, entre as piadas do dia e a tensão aberta pelo cair da noite, retrata o micromundo paralelo da infância afastada das grandes cidades. Das paisagens bucólicas para a urbe, com Person to Person, a narrativa de Dustin Guy Defa em torno da vida diária de múltiplas personagens nova nova-iorquinas: dos lendários performers Philip Baker Hall e Isiah Whitlock Jr., aos actores Michael Cera e Abbi Jacobson, passando pelos realizadores David Zellner e Benny Safdie.

Bertrand Mandico é provavelmente o mais punk dos cineastas franceses contemporâneos. O IndieLisboa tem acompanhando o seu trabalho e, este ano, estreia a sua primeira longa: Les garçons sauvages, um filme que combina a fantasia, o erótico, o filme de piratas e o body horror para construir uma parábola sobre a identidade de género. Gustavo Vinagre regressa com Lembro Mais dos Corvos (a primeira longa do realizador) totalmente dedicada à atriz trans Júlia Katharine. Depois de, em 2010, ter estreado em Lisboa Histórias da Idade de Ouro, Constantin Popescu apresenta-se com um thriller emocional que é prova de que o cinema romeno ainda ferve. Pororoca descreve a procura desesperada de um pai que vê a sua filha desaparecida, por entre longos planos sequência que adensam o sentimento de impotência. As relações familiares são também o foco da estreia de Donal Foreman no festival. The Image You Missed, é um documentário a dois tempos, que procura o reencontro com um um pai ausente, porque comprometido com os ideais de uma luta. A mesma ausência de que nos fala 3/4, a segunda obra do realizador búlgaro Ilian Metev, um retrato sobre o processo de adaptação e cura de uma família que perdeu, subitamente, a sua mãe. An Elephant Sitting Still, primeira obra do chinês Hu Bo, é um retrato crú de uma sociedade de egoístas, habitada por pessoas que se desmoronam debaixo da pressão económica numa China a braços com a corrida incessante pelo progresso. Em estreia nas salas portuguesas, um dos títulos mais comoventes da competição, um olhar clínico (e lancinante) sobre o sofrimento humano.

Baronesa, a obra de estreia de Juliana Antunes foi galardoada em diversos festivais e considerada a melhor primeira obra de 2017 por um conjunto de 135 programadores, críticos e cineastas de todo o mundo. O filme, que acompanha o dia à dia de Leidiane e Andreia, oferece um raro olhar feminino sobre as favelas brasileiras. Lista de longas da competição internacional fechada com Il risoluto, de Giovanni Donfrancesco, um filme que condensa as memórias de um ex-membro da Decima MAS, uma das mais violentas milícias do fascismo italiano.

A Competição Internacional de curtas volta a ser espaço primordial para descoberta dos novos cineastas, com mais de 30 filmes em estreia nacional. Convite para assistir ao regresso de Céline Devaux e o seu Gros chagrin, obra vencedora do Grande Prémio Orizontti Curta Metragem, no Festival de Veneza 2017 e The Men Behind the Wall, de Inês Moldavski, que conquistou o Urso de Ouro na Berlinale 2018. Em estreia mundial, Doei, de Pien van Grinsven, obra realizada no âmbito de um mestrado com a Lusófona e que nos mostra uma visão da família atípica, dura mas comovente; Trajectory Drift, de Iván Castiñeiras, onde um contentor de mercadorias se transforma numa soturna babel à deriva, e dois homens recordam a história dos seus exílios; Destaque ainda para Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra, um filme inteligente e moderno saído da mesma turma da ESTC de onde vimos, este ano, Onde o Verão Vai.

COMPETIÇÃO INTERNACIONAL

Longas metragens
An Elephant Sitting Still, de Hu Bo
Baronesa, de Juliana Antunes
El día que resistía, de Alessia Chiesa
Il risoluto, de Giovanni Donfrancesco
Lembro Mais dos Corvos, de Gustavo Vinagre
Les garçons sauvages, de Bertrand Mandico
Person to Person, de Dustin Guy Defa
Pororoca, de Constantin Popescu
The Image You Missed, de Donal Foreman
Three Quarters, de Ilian Metev

Curtas metragens
(Fool Time) JOB, de Gilles Cuvelier
A Gentle Night, de Qiu Yang
A Love Letter to the One I Made Up, de Rachel Gutgarts
Afternoon Clouds, de Payal Kapadia
Amor, Avenidas Novas, de Duarte Coimbra
Anina, de Alkaios Spyrou
Area 51, Nevada, USA, Annabelle Amoros
Arr. for a Scene, de Jonna Kina
Beetle Trouble, de Gabriel Böhmer
Coqueluche, de Aurélien Peyre
Dansons maintenant, de Mathilde Buy
Déjalo ser, de Novelo Txema
Doei, de Pien van Grinsven
Eight Images from the Life of Nastya Sokolova, de Alina Kotova e Vladlena Sandu
El cielo de los animales, de Juan Renau
Enough, de Anna Mantzaris
Evidence of the Evidence, de Alexander Johnston
Gros chagrin, de Céline Devaux
Have Heart, de Will Anderson
Histórias de Lobos, de Agnes Meng
Matria, de Álvaro Gago
Moulinet, de Sander Joon
Prends mon poing, de Sarah Al Atassi
Rabbit’s Blood, de Sarina Nihei
Snow White, de Thadeusz Tischbein
Solar Walk, de Réka Bucsi
Standing Nymph and Man, de Milad Hosseini-Mozari
The Good Education, de Gu Yu
The Men Behind the Wall, de Inés Moldavsky
The Splintering Sun, de Rossella Nisio
Trajectory Drift, de Iván Castiñeiras
Tremors, de Dawid Bodzak
Vando Vulgo Vedita, de Leonardo Mouramateus e Andreia Pires

Comments