Frame by Frame The Flash TV

The Flash – 4×16 – Run, Iris, Run

The Flash

CONTÉM SPOILERS!!!

Qualquer seguidor acérrimo de The Flash pode concordar num assunto universal: Iris West-Allen (Candice Patton) é uma desilusão! Atenção, isto não quer dizer que, de vez em quando, a personagem ganha alguma coisa de interessante. No entanto, e tal como dita a “regra” das séries da Arrowverse, qualquer personagem secundária com uma réstia de potencial acaba por relegada ao espaço cénico e sem qualquer influências para o enredo geral. Apesar de haver alguns casos esporádicos em The Flash, a verdade é que os guionistas da série simplesmente não sabem o que fazer com elas. E Iris é exatamente esse caso, uma e outra e outra vez. Esta quarta temporada prometia uma mudança interessante, com a ex-jornalista a servir de líder da Team Flash na ausência de Barry (Grant Gustin). E mesmo assim, foi uma oportunidade de ouro que passou completamente ao lado! Pois bem, parece que os guionistas deram-se conta dessa tendência decadente e decidiram, for one night only, de tentar remediar a situação. O resultado é Run, Iris, Run, um episódio que FINALMENTE coloca a mulher do Flash em destaque!

Barry e companhia limitada cruzam-se com Michael Kim/Melting Point (Leonardo Nam), um meta-humano ligado a DeVoe com a capacidade única de retirar os poderes de outros meta-humanos. Existe um senão: ao mesmo tempo que Kim retira os poderes, ele inconscientemente concede esses poderes retirados a outra pessoa. Querem adivinhar o que aconteceu? A dica está no título: Barry perde os seus poderes (novamente!) e Iris torna-se na velocista residente da Team Flash! O facto de termos obtido imagens promocionais a mostrarem esta mudança já nem serve de spoiler de The Flash nesta altura do campeonato. 

O episódio no seu todo possui uma sensação de déjà vuEsta não seria a primeira em The Flash – ou noutra série de super-heróis – em que vemos uma personagem obter poderes, mostrar uma certa alegria/arrogância, perde de uma forma descomunal, aprende um pouco sobre humildade, acaba por salvar o dia no final. É uma fórmula já tão desgasta que já nem reserva quaisquer surpresas nesta altura do campeonato!

Dito isto, esta plataforma foi uma boa justificação para uma inversão de papéis, agora com Iris a tomar o papel de Flash – juntamente com a sua fatiota à la Arrowverse e também o seu próprio jogo de relâmpagos, só para marcar a diferença – e Barry a servir como “líder” da equipa. Foi uma nova dinâmica que deu uma espécie de lufada de ar fresco à personagem que bem estava a precisar (algo que, ironicamente, a própria Iris reconheceu).

E bem a tempo, já que o seu papel na equipa – e mesmo na série, a certo ponto – começou a surtir as suas dúvidas. A voz mais vocal foi Ralph (Hartley Sawyer) que, após a perda que testemunhou no episódio anterior (já não se recordam? Podem ler aqui), encontra-se numa espécie de depressão. Este é um daqueles casos em que o personagem pouco ou nada adiciona. A adição do Elongated Man foi revelada como uma “faca de dois gumes”: por um lado, só mostra que este universo da DC Comics continua em expansão; por outro, a sua presença acaba por não introduzir algo mais do que uma nova fonte de comic relief. E foi exatamente esse lado que Ralph apresentou esta semana, excluindo o comic relief. Simplesmente… estava lá. 

A ganhar ficou Harry (Tom Cavanagh) esta semana. Após episódios em completa frustração pelo facto de DeVoe estar vários passos à frente da Team Flash, o génio da Terra-2 viu-se obrigado a tomar uma medida drástica para tentar encurtar a distância, podendo até colocar a sua própria vida em risco. Pode ter sido subtil, mas este ato foi um culminar de pressões que foram aparecendo semana após semana. Um culminar subtil, mas natural. E se querem comic relief, bastante juntar Harry a Cisco “Rei das Referências da Cultura Pop” Ramon (Carlos Valdes)!

0 60 100 1
60%
Average Rating

Este provou ser um episódio que destacou Iris West-Allen num bom sentido... num episódio que esteve repleto de clichés do início ao fim!

  • 60%

Comments