Frame by Frame Marvel's Jessica Jones TV

Jessica Jones – 2×04 – AKA God Help the Hobo

Jessica Jones

CONTÉM SPOILERS!!!

O quarto episódio de Jessica Jones continua a provar uma teoria que tenho vindo a delinear desde o início: a segunda temporada está mais preocupada em assegurar momentos-chave do elenco do que propriamente investir nos antagonistas centrais. E apesar de deixar um travo amargo na boca por os vilões não terem o mesmo investimento que Kilgrave teve na temporada, são as personagens que salvam o episódio da desgraça completa.

Jessica (Krysten Ritter) está de volta ao destaque, mas não da forma que se possa imaginar. Entre caçar um assassino com super-poderes e desvendar o mistério sobre a origem desses mesmos poderes, os episódios anteriores não tiveram a oportunidade de explorar sobre a personalidade de Jessica para esta temporada. Daí de ter apreciado o pequeno momento inicial em que a encontramos num grupo de auto-ajuda relacionado com controlo de raiva. Até agora, sabemos que Jessica, apesar da estatura e do sexo, bebe quase tanto como um homem grande musculado. Isso e também a sua personalidade ríspida, repleta de sarcasmo para dar e vender, não a tornam numa pessoa fácil de lidar. Isso já sabíamos bastante bem por experiências passadas; no entanto, a série no seu total não explora essas ideias a fundo. Por uma vez, a raiva inerente de Jessica – e todas as suas ações de cabeça quente – ganham o seu tratamento. E isto ajuda a explorar melhor esta personagem multi-facetada. 

Também as relações da Jessica estiveram no centro do passado. Ainda no rescaldo das ações do episódio anterior, é bom ver que Jessica e Trish (Rachael Taylor) continuem a dar-se bem. Não só em termos de “parceiras de investigação”, mas também como amigas/família próximas, com momentos enternecedores e humorísticos. Outra relação que falhei em mencionar nas críticas anteriores foi na relação profissional/pessoal entre Jessica e Malcolm (Eka Darville). Verdade seja dita, sempre o achei como uma personagem supérflua, que quase nada dá senão expandir o círculo fechado de Jessica. E deu a entender que a série podia seguir muito bem em frente sem colocarem Malcolm a cada 15 minutos (mais ou menos). Mas este episódio serviu bem para demonstrar como o jovem respeita a detetive, ao ponto de colocar a sua lealdade em pratos limpos, de se colocar como um aspirante a detetive privado em pé de igualdade para com a sua “chefe”. Ainda resta saber que os outros episódios o vão colocar numa posição de destaque, mas até lá, passinhos de bebé. 

Outra relação em evolução – e é uma boa razão para justificar um parágrafo desta crítica – é a de Jessica e Oscar (J.R. Ramirez). Ao quarto episódio – e de uma forma bastante previsível; boa, mas previsível – estes dois conseguem encontrar um meio-termo para uma relação mais amigável. Apesar dos seus históricos diferentes – ela, uma “aberração” com um péssimo feitio e um fígado digno de um deus; ele, um ex-recluso que tenta fazer o melhor para assegurar a segurança do seu filho – existe uma clara química entre Ritter Ramirez, uma que poderá dar origem a algo mais amoroso. Quem sabe…

Jeri (Carrie-Anne Moss) também demonstra estar a passar por um mau bocado. Mesmo após descobrir que sobre de Esclerose Lateral Amiotrófica – ELA, para ser mais simples – a advogada não demonstra sinais de querer desistir de tentar deixar um legado. No entanto, a triste realidade da sua doença começa a afetar o raciocínio da personagem, com esta disposta mesmo a cruzar uma linha moral sem retorno. Pode não significar muito para quem a odeie pelos seus feitos no passado, mas Moss mostra um lado mais emocional de Jeri Hogarth que não estamos habituamos a ver. E a atriz faz isso não através dos meios mais convencionais, mas sim pelos meios mais silenciosos. Os seus movimentos corporais, o tom de voz mais frágil, o seu olhar pesado, são pequenas coisas que mostram a personagem numa batalha que, para variar, poderá não vencer.

0 82 100 1
82%
Average Rating

Jessica Jones teima em ignorar a urgência de explorar o inimigo, mas fica a ganhar ao focar-se em Jessica e nos seus amigos e colegas mais próximos.

  • 82%

Comments