Dos Quadradinhos à Grande Tela Rubricas

Em Defesa de Star Wars Rebels

Star Wars Rebels

Quem me conhece bem – mas mesmo MUITO bem! – sabe bem que raramente mostro quaisquer indícios de emoção. Enquanto que muitos conseguirão emocionar-se com uma cena bastante comovente de um filme ou de uma série com uma carga emocional elevada – por exemplo, This Is Us, que justificou a subida das vendas de pacotes de lenços – ou assustar-se com os jump scares de um filme de terror – IT ou The Conjuring são alguns dos melhores exemplos – eu permaneço, como já me foi dito há anos atrás, estóico, frio, distante. São raras as ocasiões em que mostro qualquer tipo de emoção.

Mas também sou humano. E quando menos espero, há sempre alguma coisa que me apanha desprevenido. E, embora não verta lágrimas como uma pessoa comum, a verdade é que a lágrima a toldar-me a vista também serve. E este fonte, emoção foi o que pude sentir no regresso da temporada final de Star Wars Rebels! De todas as séries imagináveis que estão no ar neste momento (mas que estão na pausa da cobertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, em PyeongChang) veio uma série animada de Star Wars a atacar todo o meu ser!? Como é que tal foi sequer possível, pergunto-vos eu!?

Deixem-me explicar bem o que aconteceu esta semana (é caso para dizer o seguinte: SPOILER ALERT para os episódios Jedi Night e DUME). No primeiro, os rebeldes efetuam uma operação de resgate. E embora tenham sido relativamente bem sucedidos, tal vitória teve um sabor agridoce, com um dos heróis da série a fazer um sacrifício para salvar os seus amigos. Enquanto que, em Jedi Night, tivemos direito a testemunhar esse mesmo sacrifício, foi em DUME vimos o impacto desse mesmo sacrifício. Não só vimos como o restante elenco lidou com essa perda, mas também o espectador tentou lidar com essa mesma perda.

Não é uma série qualquer que, em tão pouco tempo, consegue fazer-nos investir nas suas personagens de uma forma que quaisquer desgraças nos conseguem causar impacto. Temos o exemplo de Ezra Bridger, por exemplo: inicialmente, este foi descrito como um “rato de rua” traquinas em Lothal. No entanto, no decurso de quatro temporadas, o jovem aprendiz de Jedi depressa se foi consolidando, mostrando, nesse processo, um carácter bem característico de um adolescente que, mais do que tudo, está disposto a ceder aos seus desejos mais negros para salvar os seus amigos. Kanan Jarrus, anteriormente conhecido como Caleb Dume, é um sobrevivente da fatídica Ordem 66, obrigando o jovem Padawan a descartar todos os seus ensinamentos (e mesmo a sua ligação à Força) para poder sobreviver, somente retomando quando tragédia o atingiu e quando toma Ezra como seu protegido. Sabine é uma jovem Mandaloriana com uma veia artística e uma segunda naturalidade com explosivos. Mas a sua onda positiva esconde um passado trágica, com as armas que esta concebeu para o Império a serem usadas para subjugar o seu próprio povo. O mesmo se aplica a Zeb: apesar de manter uma faceta bastante dura inicialmente, novos aspetos sobre o seu passado conseguem contextualizar bem a sua personagem ao longo destas duas temporadas. A equipa ainda é complementada por Hera Syndula. A líder do grupo, Hera é destemida, racional e uma líder natural (não é à toa que esta, face aos sucessos das suas missões, fosse promovida a General). No entanto, apesar de tudo, Hera é extremamente leal aos seus amigos, estando disposta mesmo a preparar missões impossíveis para os salvar. E mesmo assim, consegue ser bem sucedida!

Mas até poderão perguntar “Como é podes ter sentimentos por personagens animados que nem sequer existem?” Verdade seja dita, em termos de personagens fictícias, o elenco de Star Wars Rebels não é propriamente como os Pearson, com os problemas deste clã de This Is Us a mostrar uma ressonância com o público com a familiaridade dos seus problemas. É mais que certo que nunca nos encontraríamos a lutar contra uma organização fascista, como o Império. No entanto, é nos demónios pessoais que Star Wars Rebels consegue marcar pela diferença. Ajuda quanto se tem a cargo da série Dave Filoni. Este foi o responsável por criar o conceito de Star Wars: The Clone Wars, uma série animada muito bem recebida pela comunidade e que teve como grande força o desenvolver dos membros do seu elenco extenso. Personagens como Rex ou Ahsoka Tano – que viriam a aparecer em Rebelstornaram-se favoritos pelos fãs de uma forma semi-instantânea, ao mesmo tempo que vilões como Asaj Ventress, Darth Maul our Savage Opress viriam a deixar a sua marca.

Muitas pessoas continuam a criticar Star Wars Rebels como a grande culpada por acabar com uma série que ainda tinha muita história por contar. No entanto, e a julgar por esta dupla estreia, parece que Rebels está mais que pronta para deixar a sua marca permanente.

Comments