Arrow Frame by Frame TV

Arrow – 6×13 – The Devil’s Greatest Trick

Arrow

CONTÉM SPOILERS!!!

Arrow vai entrar num curto hiato até Março. Mas para tal, seria mais que necessário que este episódio encerrasse com os problemas de pé, ao mesmo tempo que prepara o resto da temporada em diante.

Cayden James (Michael Emerson) está pronto para mandar Star City pelos ares. Mas Oliver (Stephen Amell) consegue a prova da sua inocência quanto à morte do seu filho, Owen (Jesse Irving). Convencido de que um membro da sua equipa está por detrás desta situação toda, Cayden faz um ultimato a Oliver: entregar-lhe Laurel (Katie Cassidy), Diaz (Kirk Acevedo) e Anatoly (David Nykl) vivos, caso contrário…

A sexta temporada de Arrow tem tido vários problemas, isso é mais que certa até esta altura. E muito se deve pelo tratamento oferecido a Cayden James. Apesar de ter sido bem interpretado por Michael Emerson – que muitos fãs consideram como a melhor parte de Person of Interest – a verdade é que o personagem, seja a sua personalidade ou as suas motivações, ficaram bem aquém do desejado. Mas diga-se o que disser, este episódio serviu bem para obtermos um melhor contexto sobre o personagem. Para isso, o episódio fez recurso aos velhinhos flashbacks, onde mostraram Cayden como um hacktivista concentrado mais nas suas ações do que propriamente na sua relação com o seu filho. Nota-se, claramente, num grande distanciamento entre as duas versões do mesmo personagem, mas que acaba por surtir os seus resultados.

Dinah (Juliana Harkavy) também esteve em destaque esta semana, e não está nos seus melhores dias. Ainda a recuperar da morte de Sobel, Dinah tem muitas contas a ajustar com Laurel. Este provou ser um momento pivotal para a personagem, que agora encontra-se disposta a vingar a morte do ex-amado. É um lado raramente explorado, mas que Harkavy explora desde o primeiro até ao primeiro minuto. 

Também houve uma sensação de urgência de impedir uma mega-bomba esta semana, com Oliver a ver-se obrigado a pedir auxílio a Rene (Rick Gonzalez) e a Curtis (Echo Kellum) para encontrar os vilões. É um pequeno detalhe, claro, mas que mostra uma curta parceria entre as duas equipas, algo que já não se via desde a midseason finale.

Em termos de ação, o episódio voltou a provar que, apesar dos seus contínuos fracassos na narrativa ou no desenvolvimento das suas personagens, Arrow terá sempre as suas sequências de ação como uma das várias razões para sintonizar a série semana após semana.

Mas o episódio não está isento de falhas, claramente. Chega a uma certa altura em que todo o ritmo ou suspense do episódio coloca tudo a perder. Também ajuda quando certas personagens – nomeadamente Quentin (Paul Blackthorne) ou William (Jack Moore) – que simplesmente continuam a reinar no que se toca a más decisões com as melhores intenções em mente.

0 68 100 1
68%
Average Rating

Arrow começa a apresentar melhorias no que se toca ao novo big bad, mas as constantes falhas impedem que este se torne num episódio a não perder.

  • 68%

Comments