Mini-Reviews TV TV

Blindspot – Midseason Finale – 3ª Temporada

Blindspot

CONTÉM SPOILERS! 

Depois de uma 2ª temporada cheia de altos e baixos, Blindspot parece ter encontrado o seu caminho e traz-nos uma primeira parte do novo ano com todos os ingredientes necessários para a série assumir o seu lugar nesta época da peak tv. Com um ritmo frenético, reviravoltas capazes de nos deixar colados ao sofá e descobertas e surpresas na vida desta equipa que estavamos longe de imaginar.

Depois do cliffhanger final do ano passado, começamos a 3ª temporada com a nossa equipa favorita numa nova fase das suas vidas. Jane (Jaimie Alexander) e Kurt (Sullivan Stapleton) casam e vivem longe de toda a correria do FBI, Reade (Rob Brown) ocupa o lugar de Weller, Zapata (Audrey Esparza) trabalha na CIA e Patterson (Ashley Johnson) está envolta na criação de um jogo de sucesso e um pouco à margem da lei.

Mas tal como vimos, a nossa protagonista está repleta de novas tatuagens e estas tinham de trazer algo no bico. A calmaria que vemos é sol de pouca dura. Roman (Luke Mitchell) é o responsável pelos novos enigmas e ao que parece, o grande vilão da temporada.

O MELHOR

A série parece acertar nos seus segredos e é brilhante a maneira como tudo se encaixa.

O jogo em Blindspot está sempre a mudar e Roman é um vilão que é dificil odiar, ainda que faça coisas realmente más. O facto de já termos visto o seu bom coração na temporada passada, faz-nos desculpar as suas ações e entender as suas motivações. Sente-se traído pela irmã e no fundo acredito que se preocupe com ela. Tê-lo como criador das novas tatuagens e impulsionador de todas as aventuras é uma mais-valia.

A química entre todos os elementos da equipa é de louvar. As cenas em que estão todos juntos contra um mal maior, são emocionantes e vibramos com eles. Os papéis femininos são extremamente fortes e Alexander, Esparza e Johnson trazem-nos perfomances seguras e fazem-nos torcer pelas suas personagens. É possível alguém não amar a Patterson?

Também o facto de vermos Rich Dotcom (Ennis Esmer) mais vezes este ano é algo que todos os fãs da série pediam. É verosímil a maneira como trouxeram o hacker de volta e desta vez, do lado dos bonzinhos. É daquelas personagens que correm o risco de se tornarem cansativas se aparecerem em demasia, mas isso não acontece e queremos sempre ver mais dele, que acaba por ser o elemento cómico da temporada.

Todas as reviravoltas que aconteceram foram muito bem conseguidas e fomos várias vezes surpreendidos ao longo dos episódios. Alguém ficou indiferente ao facto de Jane ter uma filha que deu para adoção? O cliffhanger que aconteceu agora em “City Folks Under Wraps” foi de deitar as mãos à cabeça. Eu quero o episódio para JÁ!

O PIOR

Algumas coisas são inevitavelmente previsíveis.

Não foi de todo surpreendente Hirst (Mary Stuart Masterson) ser a vilã desta primeira metade da temporada. Nunca consegui confiar na personagem, ainda que todas as cenas da descoberta do seu lado corrupto fossem dignas de acelerar o coração. Roman assume-se como o grande malfeitor, mas acaba por não fazer nada de muito mau durante os oito episódios.

Também se pedia um bocadinho mais do confronto entre a vilã e a equipa, por muito que tenham conseguido atrair a nossa atenção. A tensão estava lá, mas fez-me falta talvez acusações entre todos e a descoberta de alguns podres.

Com a diretora do FBI de fora, já se sabe que há alguém maior por trás de tudo, o pai de Blake (Tori Anderson). Quem é ele? O que ele pretende? Roman sabe, mas nós não e estou em pulgas para descobrir tudo. Só peço que os episódios que se seguem consigam manter a qualidade que esta terceira temporada tem trazido. Até já equipa!

0 78 100 1
78%
Average Rating

Só peço que os episódios que se seguem consigam manter a qualidade que esta terceira temporada tem trazido. Quem será o pai de Blake? O que ele pretende?

  • 78%

Comments