Comunicados de Imprensa Eventos

Alfaião, um documentário que contempla o dia-a-dia de uma aldeia

“Alfaião”, um documentário realizado por André Almeida Rodrigues, estreou na 17ª edição de Encontros de Cinema de Viana, em 2017, sendo até agora selecionado para festivais de cinema não só em Portugal, mas também na Estónia, Uruguai, Brasil, Bolívia, Costa do Marfim, Cabo Verde, Itália e Polónia.

“Neste documentário, interessa-me contemplar o dia-a-dia de uma aldeia. É o quotidiano que nós, os citadinos, sonhamos ter um dia. Por isso, é um retrato contemplativo desta rotina diária. O retrato enaltece os aspetos quotidianos e simples da vida. O agricultor a cavar a terra, o pastor a guiar o rebanho, o aldeão a encher a alheira”, refere o realizador.

Alfaião é uma aldeia localizada perto de Bragança e de Espanha que, em 2011, era habitada por 173 pessoas. Tem uma topografia de cariz planáltico e é atravessada pelos rios Fervença e Penacal. Por isso, tem terras muito férteis. Em relação às suas origens, pouco se sabe, porque os primeiros documentos a referir Alfaião são do século XIII.

“Neste documentário, interessa-me contemplar o dia-a-dia de uma aldeia. É o quotidiano que nós, os citadinos, sonhamos ter um dia. (…) Na aldeia, temos maior qualidade de vida e os ponteiros de relógios parecem preguiçosos, porque o tempo passa devagar”, reforçou.

Este filme, com a duração de 13 minutos, é o seu projeto final do mestrado em Som e Imagem efetuado na Universidade Católica Portuguesa, tendo sido gravado em janeiro de 2016.

Além disso, André Almeida Rodrigues também realizou e produziu “O Barbeiro Guitarrista”, um curto documentário que ganhou o Prémio Latino de Melhor Curta-Metragem (Fundación Mundo Ciudad, Espanha), foi nomeado para o prémio Sophia Estudante, da Academia Portuguesa de Cinema, recebeu uma Menção Honorosa em Faro, e foi selecionado para vários festivais de cinema de todo o mundo.

Um projeto de mestrado levou André pelos caminhos de Portugal. Foi até Bragança e voltou com histórias e um documentário para correr o mundo. Para “matar o bichinho da curiosidade”, vejam a página do filme aqui.

Comments